• DarioPax
  • Posto Aliança
  • Radar Floriano

Depois de mais de uma semana de indefinição, o local da partida entre Fluminense e Flamengo foi definido, o jogo será realizado na Arena Pantanal, no Matro Grosso. O clássico antecede a estreia do Rubro-Negro na Libertadores, onde encara o River Plate na quarta-feira(28), no primeiro jogo da fase de grupos da competição.

e240eaf3b26b5125de785c9fceef814aFoto - Gilvan de Souza / Flamengo / Divulgação

Prioridade total para o Flamengo, o Rubro-Negro tem a missão de ao menos passar de fase no torneio, algo que não acontece desde 2010, quando chegou as quartas de final. Entretanto, antes de encarar o River, o clássico contra o Fluminense não pode ser deixado de lado, mas traz algumas preocupações.

A primeira delas é o desgaste da viagem, como já vem virando rotina no Campeonato Carioca, jogos em outros estados, por conta do imbróglio que vive o Maracanã, atrapalha o planejamento das equipes. No caso do Rubro-Negro, uma viagem como essa há somente três dias da partida não pode ser considerada positiva.

Entretanto, é difícil imaginar que Carpegiani entre com um time alternativo, pois ele precisa dar ritmo de jogo a Diego Alves e entrosamento suficiente para o substituto de Cuellar, por outro lado, ele pode poupar em algumas posições, principalmente no meio-campo, que vem se tornando arma principal da equipe.

Vale ressaltar que, diante do River Plante, o Flamengo não contará com o apoio de sua torcida, já que terá que disputar a partida com portões fechados por conta de uma punição imposta pela Conmebol, pelos incidentes na final da Copa Sul-Americana, em dezembro do ano passado.

De qualquer forma, pelo menos nesse Estadual, Carpegiani mostrou que tem um elenco muito bem preparado para disputar a competição e quem entrar sem dúvida está preparado para dar conta do recado.

Fonte: GOAL

Foi com muita emoção! O Grêmio faturou o bicampeonato da Recopa Sul-Americana após empatar em 0 a 0 no tempo regulamentar e na prorrogração, e vencer o Independiente por 5 a 4 nas penalidades, com direito a defesa de Marcelo Grohe na última cobrança.

dcdbfec6a1f612c8e6805bba171637c2Fotos: Lucas Uebel/Grêmio/Divulgação

O Tricolor foi o dono da partida em Porto Alegre, ficou com um a mais ainda no primeiro tempo, pressionou, mas parou nas defesas do goleiro Campaña. Só que na marca da cal os brasileiros foram perfeitos, assim como seu goleiro, que brilhou novamente, e o clube gaúcho faturou mais um título internacional.

A primeira etapa ficou marcada pela tensão em campo. De um lado, o Grêmio se mostrou disposto a propor o jogo. Mas do outro, o Independiente veio com a costumeira catimba argentina tentando amarrar a partida e fazendo bastantes faltas.

Mas no meio disso tudo, teve espaço para chances criadas. Na marca dos 7, Everton recebeu de Alisson, driblou o goleiro e chutou, mas Amorebieta tirou em cima da linha.

Os hermanos responderam na sequência em chute perigoso de Fernández. Mais para o fim, o clima esquentou de vez. Primeiro porque Luan perdeu um gol na cara aos 37. Depois, porque o camisa 7 levou uma solada de Amorebieta. O árbitro viu o lance pelo vídeo e expulsou o zagueiro.As equipes voltaram com os ânimos controlados para a segunda etapa e o Grêmio encontrou o Independiente completamente fechado. O Tricolor trabalhou a bola com paciência e chegou na marca dos 8, quando Everton saiu na cara do gol e Campaña salvou. O goleiro do time argentino apareceu novamente em chute de Jael, aos 28. Então, o Independiente conseguiu segurar o time brasileiro e levar a decisão para a prorrogação.

Prorrogação

A prorrogação foi total de ataque contra defesa, mas não com tanta intensidade, até por conta do cansaço das equipes. Mas o Grêmio seguiu martelando e Jael acertou o travessão no primeiro tempo.

Já no segundo, o atacante bateu falta, a bola desviou na zaga e Campaña fez outra defesa. Já o Independiente perdeu grande chance em cabeçada de Meza. No fim, Maicosuel deu a última arrancada em contra-ataque, bateu cruzado e Campaña espalmou de novo, e a decisão foi para as penalidades.

Pênaltis

Maicon, Cícero, Jael, Everton e Luan acertaram as suas cobranças, enquanto o Independiente marcou quatro, já que Marcelo Grohe defendeu a última cobrança de Benítez e garantiu o bicampeonato Tricolor.

Fonte: GOAL

O Fluminense começou bem a Taça Rio ao golear por 4 a 0 o Bangu, nesta quarta-feira, em Moça Bonita. Com o resultado, os tricolores chegaram aos três pontos no segundo turno do Campeonato Carioca e assumem a ponta grupo C, a frente da Portuguesa pelos critérios de desempate. Já os banguenses não somam pontos pelo grupo B.

e7a8b515844c204bf464de5f7700b081FOTO LUCAS MERÇON / FLUMINENSE F.C.

O primeiro tempo foi muito disputado, com o Fluminense tendo mais posse de bola. No entanto, tanto só tricolores, quanto o Bangu criaram boas chances de gol. Somente no segundo tempo, já com um jogador a mais, a equipe das Laranjeiras chegaram a vitória com dois gols de Marcos Júnior, um de Pedro e outro de Marlon Freitas.

Na próxima rodada, o Fluminense terá o clássico contra o Flamengo, neste sábado, na Arena Pantanal, em Cuiabá. No mesmo dia, o Bangu vai até a Região dos Lagos para enfrentar o Macaé.

O jogo – O Fluminense começou a partida com o domínio da posse de bola, mas sem criar boas chances no ataque. A primeira vez que os tricolores assustaram aconteceu aos oito minutos, quando Renato Chaves tentou o cruzamento e quase acertou o gol. O goleiro Célio Gabriel estava atento para tirar o perigo.

A equipe das Laranjeiras seguia rondando a área e teve a chance de abrir o placar aos 14 minutos. Pedro recebeu passe na área, passou por um marcador, mas viu a zaga tirar o perigo antes da finalização. O Bangu tentava avançar nos contra-ataques e só criou boa oportunidade aos 23. Almir achou Valdir na área, mas o lateral foi travado por Jadson na hora de buscar o gol.

O Fluminense teve sua melhor chance aos 27 minutos. Em contra-ataque rápido, Sornoza lançou Gilberto pela direita. O lateral entrou na área e tentou tocar para Pedro, que se esticou, mas noa chegou a tempo de colocar para a rede.

A partir dai, o jogo ficou aberto, com as duas equipes em busca do ataque. O Fluminense chegou com perigo aos 30 minutos, em cabeceio de Pedro pela linha de fundo. O Bangu respondeu três minutos depois. Valdir cruzou pela direita, Gum não alcançou a bola, que ficou para Almir. O meia apareceu livre na área, mas cabeceou sobre o travessão.

Os tricolores continuavam levando perigo, principalmente nas bolas aéreas. Já o Bangu chegava no toque de bola, mas parava no goleiro Julio César. Quando a partida se encaminhava para o intervalo, os donos da casa ficaram com um jogador a menos. O zagueiro Michel fez falta em Gilberto na entrada da área e recebeu o cartão vermelho de forma direta por ser o último homem.

Na cobrança de falta, Sornoza cobrou com força, mas Célio Gabriel espalmou e contou com a sorte ao ver a bola ainda bater na trave. Assim, o duelo permaneceu com o placar inalterado até o fim da etapa inicial.

No segundo tempo, o Fluminense não demorou para aproveitar fato de estar com um a mais em campo. Logo aos dois minutos, Marlon cruzou para Marcos Júnior cabecear sem chance para Célio Gabriel e abrir o placar em Moça Bonita.

Mesmo após o gol, os tricolores seguiram melhores em campo e aumentaram a vantagem aos sete minutos. Gilberto roubou a bola do defensor do Bangu e tocou para Marcos Júnior. O atacante passou por um marcador e chutou da entrada da área, no canto direito de Célio Gabriel.

O Bangu, mesmo com um amenos, foi obrigado a avançar e chegou com perigo aos 13 minutos. Rodney fez boa jogada individual, mas finalizou sobre o travessão. No entanto, está foi a única chance dos dons da casa, que esbarravam na boa marcação tricolor.

Com boa vantagem, o Fluminense diminuiu o ritmo e passou a trocar muitos passes. Com isso, a partida ficou concentrada entre as intermediárias. Só que aos 29 minutos, os tricolores chegaram ao terceiro em Moça Bonita. Após boa troca de passes, Robinho finalizou para o gol. Célio Gabriel espalmou para o lado e viu Pedro apenas tocar para a rede.

Na parte final da partida, o Fluminense voltou a apenas administrar o resultado. Os tricolores quase chegaram ao quarto gol, com Pedro, em falha de Célio Gabriel, mas o goleiro do Bangu conseguiu se recuperar n lance. Só que aos 40 minutos, os visitantes deram números finais ao marcar com Marlon Freitas, que aproveitou passe na área para finalizar para a rede.

FICHA TÉCNICA
BANGU 0 X 4 FLUMINENSE

Local: Moça Bonita, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 21 de fevereiro de 2018 (Quarta-feira)
Horário: 16h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Daniel de Sousa Macedo (RJ)
Assistentes: Luiz Antonio Muniz de Oliveira (RJ) e Milena Cristina Barros Santos (RJ)
Cartões amarelos: Nilson e Rodney (Bangu)
Cartão vermelho: Michel (Bangu)

GOLS
FLUMINENSE: Marcos Júnior, aos 2 e 7min do segundo tempo; Pedro, aos 29min do segundo tempo; Marlon Freitas, aos 40min do segundo tempo

BANGU: Célio Gabriel, Valdir, Michel, Oliveira e Guilherme; Magno, Rodney, Leonardo Jesus (Marcos Júnior) e Almir (Anderson Ventura); Everton Sena e Nilson (Anderson Lessa)
Técnico: Alfredo Sampaio

FLUMINENSE: Júlio César, Renato Chaves (Robinho), Gum e Ibañez; Gilberto, Richard (Reginaldo), Jadson, Junior Sornoza e Marlon; Marcos Júnior (Marlon Freitas) e Pedro
Técnico: Abel Braga

Fonte: Gazeta Esportiva

As saídas de Anderson Martins e Madson do Vasco e a lesão de Ramon desfiguraram a defesa da equipe no início de 2018. Isso fez a torcida ficar preocupada pela Conmebol Libertadores que vinha pela frente.

553270e9269c547748ecfce40f2d05a8Foto: Carlos Gregório Jr/Vasco.com.br / LANCE!

Após três jogos na competição, entretanto, o cenário é o melhor possível: nenhum gol sofrido. Nesta quarta-feira, às 21h45, em Sucre, na Bolívia, contra o Jorge Wilstermann, esse dado irá influenciar bastante.

A altitude de 2.810 metros da cidade que receberá a partida que decidirá o classificado para a fase de grupos na Libertadores, aliada com a goleada por 4 a 0 no jogo de ida sobre o Wilstermann na semana passada em São Januário, justificam esse pensamento. Paulão e Ricardo, titulares nesta quarta-feira, farão o papel de segurar a defesa.

Mesmo com a vantagem de poder perder por até três gols de diferença para se chegar à fase de grupos da Libertadores, o Vasco quer manter esta escrita de defesa invicta. E mais que isso: sem perder a ênfase ofensiva. Nos três jogos, além de nenhum gol sofrido, foram dez marcados. O meia Evander comentou sobre o desejo de seguir a fase.

- O grupo todo tem assimilado bem o que o Zé Ricardo passa. Estamos vivendo uma grande fase e não queremos sair dela. Está todo mundo bem situado nisso, estamos tentando manter a maior humildade possível para permanecer nessa fase por um bom tempo - afirmou.

Com as adversidades superadas na defesa formada hoje por Martin Silva, Yago Pikachu, Paulão, Ricardo e Henrique, o Vasco entra em campo para seguir fazendo história. O ano de 2018 começou com a defesa do Cruz-Maltino da melhor forma na Libertadores e nas alturas de Sucre vai na busca da vaga para se firmar de vez para a sequência da temporada internacional.

Fonte: Lance

reidocimentorosa branca