• DarioPax
  • Posto Aliança
  • Radar Floriano

A Polícia Federal (PF) prendeu temporariamente seis pessoas na manhã desta quinta-feira (22), na 48ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Integração. Um dos presos é o diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem no Paraná (DER/PR), Nelson Leal.

4156800566aed72e9ccc903446441553Foto: Luíza Vaz/RPC

Atualização: incialmente, a Polícia Federal havia informado que sete pessoas foram presas. Mais tarde, durante coletiva de imprensa, os agentes corrigiram a informação.

Os policiais também cumpriram mandados de busca e apreensão em três estados, além do Paraná. Foram feitas buscas, nesta manhã, no Palácio Iguaçu, sede do Governo do Paraná. Ao todo, 50 ordens judiciais foram expedidas.

Essa nova etapa da operação, conforme a PF, apura corrupção, fraude a licitações e lavagem de dinheiro na concessão de rodovias do Paraná.

Segundo o procurador do Ministério Público Federal (MPF) Carlos Fernandes Santos Lima, esta nova fase da operação tenta mostrar as "reais causas" do usuário pagar preços tão elevados pelo serviço público.

Foram presos
Nelson Leal Júnior - diretor-geral do DER/PR
Oscar Alberto Gayer da Silva - ex-funcionário do DER/PR
Wellington de Melo Volpato - sócio da Eco Sul Brasil Construtora
Helio Ogama - diretor-presidente da Triunfo Econorte
Leonardo Guerra - administrador da empresa Rio Tibagi
Sandro Antônio de Lima - funcionário da Econorte

Os alvos principais, de acordo com o Ministério Público Federal (MPF), são servidores públicos e empresas investigadas por corrupção, lavagem de dinheiro, associação criminosa e peculato.

Carlos Nasser, funcionário com cargo em comissão da Casa Civil, que fica na sede do governo do Paraná, foi alvo de busca e apreensão. Ele é considerado homem de confiança do governador Beto Richa (PSDB).

A imprensa tenta contato com a defesa dos alvos. O governo estadual informou vai se manifestar assim que tomar ciência de todas as informações relacionadas à 48ª fase da Lava Jato.

Também há mandados de busca e apreensão sendo cumpridos na presidência do Departamento de Estradas de Rodagem no Paraná (DER/PR) e na Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar).

A reportagem tentou ligar para a Casa Civil, para a Secretaria de Comunicação do Governo do Paraná, para o DER/PR e para a Celepar por volta das 7h30, mas ninguém atendeu. A reportagem também enviou e-mail para esses órgãos, mas, até a última atualização desta reportagem, não obteve retorno.

Os 50 mandados de busca e apreensão devem ser cumpridos nas seguintes cidades: Londrina, Curitiba, Jataizinho, Paranavaí, no Paraná; em Balneário Camboriú, em Santa Catarina; Rio de Janeiro; e São Paulo.

Servidores da Receita Federal e representantes do Ministério Público Federal (MPF) também participam da ação.

Anel da Integração
De acordo com a PF, o foco desta etapa, que é a primeira de 2018, é a apurar casos de corrupção envolvendo os procedimentos de concessão de rodovias federais do Paraná que fazem parte do Anel da Integração.

Criado em 1997, o Anel da Integração interliga as principais cidades do Paraná. São seis lotes de concessão de estradas federais por um prazo de 24 anos. O Anel da Integração tem 2,4 mil quilômetros.

Segundo a PF, a concessionária Econorte usou os serviços dos operadores Adir Assad e Rodrigo Tacla Duran, já investigados na Lava Jato, para lavar dinheiro.

Ainda conforme a polícia, os operadores viabilizaram o pagamento de propina a funcionários do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), do DER/PR e da Casa Civil do governo do Paraná.

A imprensa enviou e-mail pra assessoria de imprensa do DNIT no início da manhã e tentou ligar para o órgão, mas ninguém atendeu.

Dinheiro a empresas de fachada
De acordo com o MPF, a Econorte recebeu cerca de R$ 2,3 bilhões de tarifas pagas pelos usuários entre 2005 e 2015. Deste total, pelo menos R$ 63 milhões foram repassados, conforme o MPF, para empresas de fachada ou sociedades cuja prestação de serviço ou entrega de produtos não foi confirmada.

Uma subsidiária integral em contratos de conservação de rodovias recebeu R$ 343 milhões e R$ 110 milhões, da subsidiária integral, foram repassados a holding do grupo, segundo o MPF.

Superfaturamento
As perícias técnicas realizadas pelo MPF apontaram superfaturamento nos valores das obras das concessionárias.

Um laudo técnico, que usou como parâmetro a tabela do Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (Sinapi), da Caixa Econômica Federal, mostrou que o sobrepreço de itens da planilha chegou a 89% em relação ao valor de mercado.

Apesar de existir uma determinação do Tribunal de Contas da União (TCU) e um estudo técnico que recomendava a redução da tarifa em 18%, a Econorte foi favorecida por dois termos aditivos e um termo de ajuste que aumentaram a tarifa paga pelo usuário em mais de 25%.

Então, ainda de acordo com o MPF, o DER/PR dizia ter necessidade de reequilíbrio econômico-financeiro dos contratos. Esse valor a mais, conforme o MPF, era usado para pagamentos indevidos.

Apartamento de luxo
Um dos servidores públicos, que subscreveu os aditivos com a Econorte, comprou um apartamento de luxo em Balneário Camboriú (SC) por R$ 2,5 milhões sem declarar à Receita Federal.

Cerca de R$ 500 mil do valor total foram pagos em espécie ou, segundo o MPF, com recursos que não tiveram a origem identificada nas contas do investigado.

Além disso, as investigações levantaram evidências de que um empresário, prestador de serviços de engenharia às concessionárias de pedágio, custeou as despesas do aluguel de um iate de luxo do servidor público.

 

Fonte: G1

Durou mais de uma hora o depoimento do ajudante de pedreiro Leonardo Irving Daniel da Silva, 23, à Polícia Civil. Na oitiva ao delegado de Inhuma, Daniel Araújo, ele confessou que matou a própria filha, de apenas 1 ano de idade, com sete facadas. O crime aconteceu nessa quarta-feira (21) na cidade de Pimenteiras, distante 293 quilômetros de Teresina, e chocou os moradores da região.

7dcd6994a0d4e5038ce8ed32401bd818

Leonardo afirmou que estava arrependido do crime e disse que o assassinato da criança, identificada como Nicolly Gabriele Daniel da Silva, “não era para ter acontecido”. Segundo o delegado, ele passou todo depoimento chorando, dizendo que “ia se encontrar com a filha” em breve. A menina fez aniversário no último dia 13.

“No depoimento ele não demonstrou frieza e chorou por mais de uma hora. Disse também que quando sente uma raiva muito grande não consegue se controlar”, informou o delegado ao Cidadeverde.com. Leonardo contou que faz tratamento psiquiátrico desde a adolescência, mas que não seguia as recomendações clínicas “à risca”. O ajudante de pedreiro também negou ser dependente químico e afirmou que só usou droga "uma vez na vida".
Leonardo confessou, ainda, que desde setembro do ano passado tinha planos de matar sua esposa após descobrir uma suposta traição. “Ele disse que pensava em matar ela e se suicidar em seguida, mas como eles terminavam e reatavam o relacionamento, ele acabava desistindo”, detalha o delegado Daniel.

Atualmente o casal estava separado e dividia a guarda da filha. Ontem a mãe da criança foi buscá-la na casa dos pais de Leonardo e, segundo o suspeito, houve uma discussão porque sua ex-esposa não quis acompanhá-lo em uma consulta psiquiátrica.

“Ele disse que quando ela chegou disse que não iria ao psiquiatra com ele. Daí começou a discutir com ela, pegou um punhal e disse que ela tinha que ir com ele de qualquer jeito. O pai estava com a criança do colo e disse para a ex- mulher escolher se morria ela e ele ou ele e a criança”, acrescenta o delegado.

Nesse momento a mãe da criança saiu correndo pela vizinhança pedindo ajuda e polícia foi acionada. “Leonardo disse que quando viu a viatura da polícia deu sete facadas na filha. Eu perguntei a ele se a sua ex-mulher também tivesse na casa se ele a mataria e ele respondeu que sim”, conta o delegado.

Sanidade mental

Leonardo será indiciado por homicídio qualificado por motivo torpe, por impossibilitar a a defesa da vítima. Ele está detido na Delegacia Regional de Valença e os agentes reforçaram a segurança do preso para que ele não cometa suicídio.

Até amanhã Leonardo deve ser encaminhado ao sistema prisional. O delegado responsável pelo inquérito também irá pedir um exame para avaliar a saúde mental do suspeito e uma possível depressão.

 

Fonte:cidadeverde.com

O gari identificado como Manoel Macedo de Sousa Silva, 21 anos, foi morto com três tiros pelas costas na noite desta terça-feira (20). O coordenador da Delegacia de Homicídios, Francisco Costa, o Baretta, conta que o crime teria motivação passional.

adf87a4de8a089742b97d7d32b306e0c

Coincidentemente, um dos disparos acertou a tatuagem no corpo da vítima onde havia escrito "Valéria", mulher que teria sido o motivo das desavenças entre os dois.

"A Valéria namorou com a vítima por 30 dias. Eles terminaram e a mulher passou a se relacionar com o Jorge, que é o acusado. A vítima nunca aceitou isso e os dois trocavam ameaças de morte", explica Baretta.

O crime ocorreu por volta de 19h, no conjunto Frei Damião, zona Sudeste de Teresina. O suspeito identificado apenas como Jorge não foi localizado. Com Manoel não foi encontrado arma de fogo, apenas um óculos que estava no cós da calça.

"Não há como alegar legítima defesa, pois foram três tiros pelas costas. Minutos antes do crime, a vítima teria ido à casa de um amigo dizer que ia matar o Jorge, mas acabou sendo morto em seguida. Um dos tiros acertou a tatuagem da vítima simbolizando o fim do amor deles", acrescenta Baretta.

Ao ser alvejado, Manoel estava em uma motocicleta que foi entregue à família pela própria Valéria, conhecida popularmente como Ruiva.

"Ela também sumiu e vamos localizá-la, pois parece que ela estava na cena do crime ou bem próximo ao local já que foi a pessoa que foi entregar a moto de Manoel em casa", reitera o delegado.

Manoel trabalhava na área de varrição e capina. Ele deixa um filho de cinco anos de idade.

 

Fonte:cidadeverde.com

Ontem 20/02 por volta das 12h40 na rodovia PI 140 km 92 próximo à ponte da Comunidade Salinas, zona rural de Itaueira, houve um acidente de trânsito envolvendo um veículo Ford Ranger Prata, placa JKP 3395/DF com ocupantes que vinham de Parnaíba onde passaram o Carnaval e seguiam para Brasília-DF onde residem. O acidente resultou no óbito de duas passageiras. O Cabo Alberto juntamente com um policial civil que passavam pelo local na hora do acidente prestaram os primeiros socorros às vítimas e acionaram o SAMU e a Polícia Militar de Itaueira. Ainda segundo informações do citado policial, repassadas ao comante do 3º BPM, o condutor do veículo sofreu uma lesão leve no braço e lhe informou que a causa do acidente foi a sonolência ao volante dada a fadiga da viagem. Uma das vítimas foi atendida, logo após, pelo SAMU no local do acidente e encaminhada para o Hospital Regional Tibério Nunes para cuidados médicos, devido a gravidade dos ferimentos sofridos. Ressaltando que o condutor foi identificado como sendo o nacional e maior Orlando Sales de Carvalho e as vitimas fatais (aproximadamente 40 anos) foram identificadas como Hildete do Nascimento Sales (esposa do condutor) e Gilsa Maria do Nascimento Silva (cunhada do condutor). Salientando que a passageira sobrevivente foi a adolescente de aproximadamente 17 anos de nome Taila do Nascimento Sales (neta do condutor)

f4d14754 b6df 45bd 89d3 cea8c6b10bdd

136eb3db c1bd 4638 a3f5 17ef2b6058c9

Com informações e fotos da PM

reidocimentorosa branca