• Dario PAX
  • Jorge
  • Oticas Floriano
  • Garoto
  • Posto Aliança
  • Construforte
  • Paraiba
  • chopp sabora
  • Paraiba
  • Construforte
  • chopp sabora
  • Oticas Floriano
  • Garoto
  • Dario PAX
  • Jorge
  • Posto Aliança

Foi o jogo com pelo menos 10 boas oportunidades para gols de lado a lado. Fluminense e 4 de Julho não aproveitaram e ficaram mesmo no empate de 0 x 0 pela Série D do Campeonato Brasileiro.

92f0ef6a686d2b6d331404678d0078a1Foto - Fluminense.EC

Durante o primeiro tempo os dois times tiveram seis bons momentos para gols e erraram em todas as finalizações. No segundo tempo o 4 de Julho foi melhor nos primeiros 25 minutos, atacando mais e contando com bom desempenho de Pica Pau, que havia entrado no lugar de Éverson.

O tricolor reagiu e equilibrou as ações, passando a buscar o gol. Salvino perdeu “gol feito” e em outro lance um defensor tirou em cima da linha. O jogo iria mesmo terminar empatado em 0 x 0, resultado apenas razoável para as duas equipes.

O Fluminense chegou a 9 pontos, empatando com o Moto Club também com 9. Os dois farão o jogo do próximo domingo em São Luís. O 4 de Julho chegou a 5 pontos e vai receber o Tocantinópolis, em Piripiri. Na luta por uma classificação, os dois times piauiense terão que jogar mais futebol.

Ficha Técnica de Fluminense 0 x 0 4 de Julho:

Local – Estádio Lindolfo Monteiro

Fluminense – Nícolas; Gean, Ramon, Michel e Tiaguinho ( Júnior Prego ): Mazinho (Maurício), Sapé, Janeudo (Salvino) e Bismarck (Erivelton); Tarcísio ( Valdir) e Mário Sérgio. Técnico – Marcelo Vilar. Nenhum destaque individual no Fluminense.

4 de Julho – Jailson; Guto, Leandro, Caio e Leandro Mendes (Diguinho); Sidney (Cineuto), Jânio Daniel, Rico (Alex Mineiro) e Aurélio; Caio César (Wallace) e Éverson (Pica Pau). Técnico – Fernando Tonet. Destaque para Pica Pau.

Árbitro – Paulo Belence Alves dos Santos Filho – PE.
Assistente 1 – Mauro Cézar Evangelista de Sousa – PI.
Assistente 2 – Maura Cunha Costa – PI.
4º árbitro – Iudiney Rocha e Silva – PI.
Analista de campo – Karol Vinícius Mendes Soares.

Fonte: cidadeverde.com

De virada, o São Paulo venceu o Cuiabá por 2 a 1 neste domingo (15), no Morumbi, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro. O Dourado abriu o placar no primeiro tempo com Jenison.

1de48ecebb208a3f9ae8819f8ef99929Foto - Rubens Chiri / saopaulofc.net

Calleri e Nikão, que veio do banco, viraram para o Tricolor na etapa final. A equipe matogrossense saiu de campo com reclamações sobre a arbitragem.

Converitdo por Calleri, o pênalti de Marllon (Cuiabá) em André Anderson (São Paulo) foi polêmico. E, antes da virada do São Paulo aos 36 minutos, Jonathan Cafú foi expulso por solada em Arboleda aos 29.

Num primeiro momento, o juiz não deu nem cartão amarelo e depois foi ao vídeo para mudar sua decisão e expulsar Cafú.

O São Paulo melhorou com as substituições do técnico Rogério Ceni. André Anderson e Nikão começaram no banco de reservas, mas entraram no segundo tempo e foram decisivos. André sofreu o pênalti após lançamento de Nikão. Nikão ainda fez o segundo gol do Tricolor no jogo e seu primeiro pelo clube.

Com a vitória, o São Paulo sobe para o terceiro lugar do Brasileirão, com 11 pontos. Ainda sem técnico depois da demissão de Pintado, o Cuiabá é o 13º na tabela, com sete pontos somados.

O São Paulo voltará a campo para enfrentar o Jorge Wilstermann na quinta-feira (19), novamente no Morumbi. O Tricolor está na liderança com cinco pontos à frente do Everton (CHI) está perto da classificação. Já eliminado, o Cuiabá visitará o River Plate (URU) na quarta.

Fonte: UOL/FOLHAPRESS

Único invicto da Série B do Campeonato Brasileiro, o Vasco venceu o Bahia na tarde deste domingo, por 1 a 0, em São Januário, no Rio de Janeiro, no complemento da sétima rodada. O único gol da partida foi marcado por Figueiredo, que fez seu primeiro gol como profissional.

995023029a23e9e8d5e378c6fdde6653Foto - Daniel Ramalho - Vasco

A vitória colocou o Vasco na quarta posição, com 13 pontos ganhos. Três pontos atrás do líder Cruzeiro (16 pontos). Até agora, sob o comando do contestado Zé Ricardo, o time acumula três vitórias, quatro empates e nenhuma derrota.

Já o Bahia, que iniciou a rodada na liderança, caiu para a terceira posição, com 13 pontos. Tem a mesma pontuação que o Vasco, mas leva vantagem por ter maior número de vitórias: 4 a 3

O primeiro tempo foi movimentado e com os dois times procurando o ataque. O Bahia tentou ficar com a bola para evitar pressão do Vasco, mas ainda assim saiu atrás no placar. Aos 21 minutos, em cobrança de falta ensaiada, Figueiredo encheu o pé, sem chances para Danilo Fernandes.

Mesmo atrás no placar, o Bahia não mudou a postura e seguiu tendo espaços para tocar a bola no ataque. E foi assim que os visitantes quase empataram. Aos 36 minutos, Rildo recebeu na esquerda, foi em direção a área e chutou cruzado. O goleiro Thiago Rodrigues espalmou para fora da área.

No final do primeiro tempo, aos 47, Nenê cobrou escanteio pelo lado direito e a zaga do Bahia afastou. Contudo, os vascaínos pediram toque de mão de um jogador baiano dentro da área. O lance foi revisado pelo VAR e a arbitragem nada marcou, encerrando o primeiro tempo.

No segundo tempo, o Vasco voltou mais recuado e viu o Bahia se animar em campo. Aos 13 minutos, Daniel cruzou da direita e Rildo cabeceou por cima do travessão, assustando o goleiro Thiago Rodrigues. Assim como na etapa inicial, os visitantes seguiram falhando no chamado ‘último passe’.

O Vasco apostou nos contra-ataques para selar a vitória diante do seu torcedor. E, mesmo cauteloso, criou chances de fazer mais gols. Aos 34 minutos, Figueiredo deu ótima assistência para Gabriel Pec, que invadiu a área e chutou cruzado com a perna esquerda, mas pela linha de fundo.

Nos minutos finais, o Bahia foi para cima do Vasco e alçou diversas bolas na área, deixando o clima tenso em São Januário. Porém, prevaleceu a marcação e raça do time carioca, pela primeira vez no G4 da Série B.

O Vasco volta a campo na quinta-feira para enfrentar o Guarani, às 21h30, na Arena da Amazônia, em Manaus. Enquanto o Bahia receberá a Ponte Preta na sexta-feira, às 21h30, na Arena Fonte Nova, em Salvador.

Fonte: Estadão Conteúdo

Internacional e Corinthians ficaram no 2 a 2, neste sábado (14), no estádio Beira-Rio. O Colorado esteve à frente no placar por duas vezes, mas o Timão reagiu e arrancou o empate em duelo válido pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro.

beff0cc563ea95eb535fd266058b1ab3Foto: Rodrigo Coca/Agência Corinthians

O duelo teve clima quente com direito a reclamação por decisões da arbitragem.

Alan Patrick e Wanderson fizeram os gols do Inter, enquanto Raul Gustavo e Jô marcaram para o Corinthians.

O resultado faz o Corinthians chegar a 13 pontos, enquanto o Internacional soma nove. O time gaúcho, no entanto, acumula três empates em sequência.

Inter e Corinthians voltam a campo na terça-feira (17). O time gaúcho recebe o Independiente Medellín-COL, pela Copa Sul-Americana, enquanto o Timão visita o Boca Juniors pela Libertadores.

No Brasileirão, o Internacional joga outra vez no sábado (21), diante do Cuiabá, fora de casa. O Corinthians recebe o São Paulo, no domingo (22).

Quem foi bem: Wanderson

Camisa 11 fez cruzamento para o primeiro gol do Inter e do jogo. E pouco antes do intervalo, Wanderson apareceu na pequena área para marcar 2 a 1.

Um gol e assistência fizeram o meia-atacante ter maior destaque, ainda que outros nomes - em ambos os times, tenham feito bom jogo.

Quem decepcionou: Renê e Rafael Ramos

Os laterais tiveram problemas em lances pontuais. Do lado do Inter, Renê demorou para sair e deu condições ao ataque do Corinthians nos dois gols sofridos. No Corinthians, Rafael Ramos se mostrou afobado em momentos decisivos.

Jô entra, incomoda e aplica 'lei do ex'

O terceiro gol de Jô em 2022 foi diante de um velho conhecido do centroavante. Lançado a campo na volta do intervalo, o camisa 77 incomodou a defesa do Inter com jogo aéreo e inteligência no lance em que venceu quatro marcadores e balançou as redes.

O chute certeiro aplicou a lei do ex, 10 anos depois de ele deixar o estádio Beira-Rio.

Inter rasga roteiro recente

O time gaúcho voltou a fazer jogo com volume, pressão e boas chances de gol. Mas ao contrário de partidas recentes, onde o ataque falhou demais, o Inter conseguiu dois gols ainda no primeiro tempo.

Além das conclusões certas de Alan Patrick e Wanderson, David e Bustos tiveram oportunidade clara para balançar a rede.

Corinthians sobrevive e reage

O rodízio de Vítor Pereira tem ônus e um deles ficou claro no Beira-Rio. Com problemas coletivos, o Corinthians teve momentos de pura sobrevivência. De resistência.

E o plano se baseou, durante o primeiro tempo, na bola aérea - caminho para o empate. Com bola rolando, somente uma chance criada. Róger Guedes parou em Daniel. Na etapa final, o cenário mudou.

Inter recua, Corinthians pressiona

A entrada de Jô, no intervalo, foi o sinal de que o Corinthians iria tentar algo diferente. A pressão do time de VP rendeu mais chances do que em toda etapa inicial e o empate chegou aos 18. A partida, antes com cara de vitória colorada, ficou equilibrada.

Edenilson relata ocorrência e jogo para

Aos 30 do segundo tempo, o camisa 8 do Inter chamou a arbitragem e fez relato sobre discussão com Rafael Ramos.

O lateral do Corinthians foi cercado por demais atletas e Edenilson proferiu a frase "seja homem, você disse". A partida foi retomada aos 34 minutos. O camisa 21 foi substituído segundos depois.

Fonte: UOL/FOLHAPRESS