• Garoto
  • Oticas Floriano
  • Posto Aliança
  • Farmaduty
  • Dario PAX
  • Dario PAX
  • Garoto
  • Oticas Floriano
  • Farmaduty
  • Posto Aliança

O Fortaleza vai enfrentar o CSA nesta segunda-feira (12), às 20h, no estádio Rei Pelé, sem uma das principais peças de equipe: o técnico Rogério Ceni.

ff8fceff13ed83eb483b6c0f65b338dbFoto: PhotoPremium / FolhaPress
A diretoria do time cearense anunciou neste domingo que o treinador acertou sua ida para o Cruzeiro. O clube mineiro também confirmou a contratação em seu site oficial.

Ceni deve seguir para Belo Horizonte na segunda-feira para assinar o contrato de vínculo com o Cruzeiro até 2020. "O clube (...) agradece todo o trabalho desenvolvido, é muito grato pelas conquistas e a certeza de que o legado de Rogério Ceni permanecerá", disse a diretoria do Fortaleza.

Com a saída de Ceni, o treinador do sub-20, Marconne Montenegro assumirá a equipe de forma interina na partida contra o CSA, e poderá se manter no cargo até a contratação de um novo técnico. Já em sua estreia, deve ter o desfalque do atacante Kieza, que foi liberado para resolver problemas particulares. Wellington Paulista e André Luis devem formar a dupla de ataque contra o CSA.

Já o rival deve aproveitar a saída de Ceni para tentar vencer, subir na classificação e sair da posição incômoda de penúltimo colocado. Com oito pontos, o clube alagoano tem quatro menos que o primeiro clube fora da zona de rebaixamento, o Fluminense.

Para a partida, o técnico Argel Fucks deve fazer mudanças no CSA em relação ao time que jogou contra o Vasco na rodada passada. O ataque vai contar Ricardo Bueno, invés de Maranhão. O volante Jean Cléber volta como titular e o goleiro Jordi, após suspensão, retorna no lugar de João Carlos.

CSA
Jordi; Apodi, Alan Costa, Luciano Castán e Carlinhos; João Vitor, Jean Cléber, Jonatan Gomez e Didira; Ricardo Bueno e Alecsandro.
T.: Argel Fucks

FORTALEZA
Felipe Alves; Gabriel Dias, Quintero, Roger Carvalho e Bruno Melo; Felipe, Juninho, Osvaldo e Romarinho; André Luis e Wellington Paulista.
T.: Marconne Montenegro (interino)

Estádio: Rei Pelé, em Maceió (AL)
Horário: 20h, desta segunda-feira
Juiz: Gilberto Castro Junior (PE)

Fonte: FolhaPress

Neste domingo (11), Goiás e Vasco se enfrentaram no estádio Serra Dourada, às 19 horas, para fazerem o último jogo do dia pela 14° rodada do Campeonato Brasileiro da Série A. Em uma partida bastante truncada, a equipe carioca venceu por 1 a 0, gol de Marcos Júnior, e se afastou da zona de rebaixamento pela primeira vez nesta edição do principal torneio nacional.

925df3a895f1170dad2712ef0e664408Fotos: Rafael Ribeiro/Vasco.com.br

Com o resultado, o Vasco consegue três pontos importantes na briga para fugir do rebaixamento, pois neste momento o clube carioca até a seis pontos do Cruzeiro, 17° colocado na tabela de classificação. Já pelo lado do Goiás, o momento é de muita incerteza, já que o clube brigava pelo G6 e agora vê a zona de descenso cada vez mais perto.

Na próxima rodada, o Vasco não deverá ter vida fácil já que fará o clássico diante do Flamengo, no dia 17, sábado, às 19 horas, no estádio Mané Garrincha, enquanto o Goiás jogará fora de casa, contra o Bahia, no dia 18, domingo, às 16 horas, na Arena Fonte Nova.

O começo de partida da equipe goiana foi bem positivo, com o time tendo a posse de bola e propondo o jogo no campo de defesa do Vasco. No entanto, a falta de criatividade para quebrar a sólida "barreira" cruz-maltina dificultou a vida dos donos da casa, que davam muito espaço no meio-campo e sobrecarregavam o sistema defensivo.

O segundo tempo deixou ainda mais evidente a ausência de qualidade do Goiás no ataque, com o clube goiano não conseguindo chegar ao gol defendido pelo arqueiro Fernando Miguel.

O Vasco apresentou o mesmo estilo de jogo desde que Vanderlei Luxemburgo assumiu o comando da equipe: marcação muito forte, meio-campo intenso e velocidade nos contra-ataques. Com isso, o Vasco conseguiu dificultar a vida do Goiás, que propunha o jogo constantemente, e marcar o gol logo no primeiro tempo com Marcos Júnior, depois de boa trama coletiva pelo lado direito do ataque.

GOIÁS
Tadeu; Daniel Guedes (Kevin), Yago, Fábio Sanches e Jefferson; Geovane (Rafael Moura), Léo Sena e Giovanni Augusto; Michael, Kayke e Leandro Barcia (Rafinha).
T.: Ney Franco
VASCO
Fernando Miguel; Raúl Cáceres, Oswaldo Henríquez, Leandro Castan e Henrique; Richard (Fellipe Bastos), Raul e Marcos Júnior (Lucas Mineiro); Yago Pikachu, Marrony e Talles (Lucas Santos).
T.: Vanderlei Luxemburgo
FICHA TÉCNICA
GOIÁS 0x1 VASCO
Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia (GO)
Árbitro: Jean Pierre Gonçalves Lima (RS)
Auxiliares:Jorge Eduardo Bernardi e Lucio Beiersdorf Flor (RS)
VAR: Daniel Nobre Bins, Jonathan Benkenstein Pinheiro e Jose Eduardo Calza (RS), observado por Marcos Andre Gomes da Penha (ES)
Público/Renda: 12.638 presentes e 14.529 pagantes/R$ 365 mil
Cartões amarelos: Léo Sena, Kayke e Geovane (Goiás); Marcos Júnior, Yago Pikachu e Lucas Mineiro (Vasco)
Cartão vermelho: Marrony (Vasco)
Gol: Marcos Júnior (GOI), aos 21 minutos do primeiro tempo.
Fonte: UOL/FOLHAPRESS

O Flamengo fez valer seu maior volume de jogo e venceu o Grêmio por 3 a 1, neste sábado (10), com gols de Willian Arão, Arrascaeta e Éverton Ribeiro(de pênalti, Galhardo marcou para os gremistas). Em um Maracanã pintado de vermelho e preto, os donos da casa tentaram impor seu ritmo desde o início ante um time rival formado por reservas.

4e55136aca30b4d8c57b7901a196900bFoto: Alexandre Vidal / Flamengo

Com o triunfo, o Rubro-negro, que chegou aos 27 pontos, ficou a cinco do líder Santos, que perdeu por 3 a 2 para o São Paulo. Amanhã, o vice-líder Palmeiras, que soma 28, recebe a visita do Bahia, confronto que interessa diretamente aos cariocas.

Após o duelo no Rio de Janeiro, o Fla tem alguns dias livres até encarar no sábado rival Vasco, às 19h, no Mané Garrincha. Já os gaúchos voltam suas atenções para a Copa do Brasil, já que na quarta-feira a equipe começa a disputar contra o Athletico as semifinais da competição.

O Flamengo deixou claro desde o início que tentaria comandar as ações da partida desde o começo. A postura ofensiva do time, algo que já marca esta equipe de Jorge Jesus, tem proporcionado espaços atrás, especialmente quando os adversários apostam em bolas longas em velocidade nas costas dos laterais. Apesar destes ajustes ainda necessários, os rubro-negros colecionaram as melhores chances e mereceram o triunfo em casa.

O Grêmio deu liberdade a Luan e Luciano no ataque, mas não conseguiu se impor no meio-campo. A dupla Thaciano e Darlan ficou no meio do caminho, com bons passes curtos, mas sem força para brecar a investida pesada do Flamengo. A estratégia também tinha um plano B: apostar na velocidade de Pepê. Nas duas vezes em que ele ganhou na corrida, errou na tomada de decisão. Defensivamente, problemas em série na marcação e também muita falta de atenção.

O tropeço no Maracanã representou o fim de uma sequência invicta de 10 partidas dos gaúchos. A última derrota do time de Renato havia ocorrido no dia 1º de junho, quando os tricolores foram derrotados para o Bahia.

FLAMENGO
Diego Alves, Rafinha, Thuler, Pablo Marí e Filipe Luís (Renê); Cuéllar (Piris da Motta), Arão, Gerson, Berrío (Éverton Ribeiro) e Arrascaeta; Bruno Henrique.
T.: Jorge Jesus
GRÊMIO
Julio César; Léo Moura, David Braz, Paulo Miranda e Capixaba; Thaciano, Darlan, Galhardo (Éverton), Luan (Da Silva) e Pepê; Luciano (Patrick)
T.: Renato Gaúcho
FICHA TÉCNICA
FLAMENGO 3x1 GRÊMIO
Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Braulio da Silva Machado (SC)
Assistentes: Helton Nunes (SC) e Alex dos Santos (SC)
Árbitro de vídeo: Rodrigo D'Alonso Ferreira (SC)
Cartões amarelos: Rafinha, Pablo Marí, Berrío, Cuéllar (FLA); Thaciano, Juninho Capixaba (GRE)
Gols: Willian Arão (FLA), aos 28 minutos do primeiro tempo; Galhardo (GRE), aos 50 minutos do primeiro tempo; Arrascaeta (FLA), aos 5 minutos do segundo tempo; Éverton Ribeiro (FLA), aos 46 minutos do segundo tempo.
Fonte: UOL/FOLHAPRESS

Líder do Campeonato Brasileiro, o Santos gastou R$ 18 milhões a mais do que arrecadou no primeiro trimestre deste ano. A conclusão da comissão fiscal do conselho deliberativo foi protocolada no clube no último dia 1º e reclama, entre outras coisas, do dinheiro gasto com o departamento de futebol profissional.

57ab044a9d0cf2b20f8e618360edb67cFoto: Ivan Storti/Santos FC

Os conselheiros também questionam gastos da diretoria como a contratação de um escritório de criminalistas para atuar de forma "preventiva".

O relatório de 13 páginas aponta que o clube terminou março no vermelho em R$ 18.203.348,00 quando o orçamento previa lucro de R$ 13.408.840,59. Segundo os integrantes da comissão, a dívida do Santos no curto prazo é de R$ 393.444.656,50.

A pior notícia para o presidente José Carlos Peres é que o nível de endividamento foi de 10,21% da receita prevista para 2019. Se considerados apenas os primeiros três meses do ano, chegou a 52,70%.

O limite permitido pelo estatuto do clube é de 10%. Em último caso, isso poderia levar a mais um pedido de impeachment do presidente.

Em setembro do ano passado, Peres conseguiu evitar sua saída do cargo em uma assembleia geral de sócios.

O pensamento de parte dos conselheiros da oposição é que não há clima político para retirar o dirigente por causa da campanha da equipe no Campeonato Brasileiro. O Santos é líder da competição com quatro pontos de vantagem sobre o Palmeiras, segundo colocado.

Isso é atribuído, em boa parte, ao desempenho da comissão técnica liderada pelo argentino Jorge Sampaoli.

Pelas planilhas da comissão, a folha de pagamentos do departamento de futebol, com impostos e direitos de imagem incluídos, foi de R$ 36.548.249 no período, representando quase a metade de toda a receita do clube. Para os cinco conselheiros que integram a comissão fiscal, a diretoria está torpedeando o futuro do Santos.

"O desejo de termos um time campeão não é exclusividade deste ou daquele, todos nós, sem exceção, temos esse desejo e torcemos para alcançar esse objetivo, não é privilégio de alguns.

A busca por uma equipe 'competitiva' ou a ida ao mercado para atender 'pedidos da comissão técnica' está atingindo níveis que, salvo melhor juízo de nossa parte, fogem do limite seguro da racionalidade, correndo, de forma irrefreável, em direção a total irresponsabilidade", afirma o relatório.

Na semana passada, Sampaoli chegou a reclamar que não teve pedidos de reforços atendidos pela diretoria.

Entre os contratos celebrados, a comissão questiona a contratação da Malavasi Sociedade de Advogados, prestar serviços jurídicos na esfera criminal, "de consultoria preventiva, extrajudicial, administrativa na defesa do contratante [Santos] e de seus prepostos e funcionários", diz o texto.

A comissão não informa o valor do contrato, que obriga a pagamentos mensais pelo clube.

O Santos também fez acordo para locações de veículos para atender funcionários do clube, o presidente e dois jogadores.

O costarriquenho Bryan Ruiz, apesar de ter salário de cerca de R$ 500 mil mensais, recebeu do clube Jeep Compass no valor de R$ 5.666,98 por mês. O valor de mercado do veículo é de R$ 115 mil. Outro foi entregue ao atacante paraguaio Derlis Gonzalez.

A comissão questionou a necessidade de deixar um Jeep à disposição do presidente José Carlos Peres quando o clube já tem um contrato de comodato para um veículo BMW para o cartola. Sampaoli também recebeu o mesmo veículo.

A Folha de S.Paulo entrou em contato com a assessoria do presidente José Carlos Peres e questionou a opinião dele sobre o relatório. Até o momento, não obteve resposta.

ALEX SABINO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)

  • Espeto e Cia
  • Blossom
  • Paraiba
  • Casa Boa Esperança
  • Cabedo
  • Ada Atten
  • Rastek