• Oticas Floriano
  • Posto Aliança
  • Garoto
  • Dario PAX
  • Farmaduty
  • Dario PAX
  • Oticas Floriano
  • Farmaduty
  • Garoto
  • Posto Aliança

O goleiro da Chapecoense, Jackson Follmann, um dos seis sobreviventes do acidente aéreo ocorrido no dia 29 de novembro na Colômbia, foi transferido do Hospital Israelita Albert Einstein para o Hospital Unimed em Chapecó, Santa Catarina. De acordo com o boletim médico divulgado hoje (17) pelo hospital, a saída do goleiro ocorreu às 9h40.

c1a23266e2e89dda58892f27c7000453Goleiro Jackson Follmann é transferido para Chapecó.(Imagem:Divulgação)

“A transferência só foi possível por se tratar de um processo de “hospital para hospital”, que resguarda a segurança do paciente. Até que o paciente esteja apto para ir de alta para sua casa, haverá o contato diário das equipes do Einstein, lideradas pelo Dr. Jorge Roberto Pagura, com as equipes da Unimed Chapecó, a cargo do Dr. Marcos Sonagli”, diz o boletim médico.

Follmann foi removido em um helicóptero da Uniair/Unimed, acompanhado do Dr. Marcos Sonagli, até o Aeroporto de Congonhas, de onde partiu em avião equipado para o traslado de pacientes com destino à cidade de Chapecó. Segundo o Albert Einstein, ele deixou o hospital utilizando um colar cervical rígido, sem sonda vesical e mantendo os curativos na perna esquerda e no coto de amputação da perna direita.

Follmann estava internado no Albert Einstein desde terça-feira (13), quando foi submetido à correção cirúrgica de uma fratura, com fixação da segunda vértebra cervical. Os últimos exames feitos ontem (16) no goleiro demostraram ausência de infecção ativa. A tomografia computadorizada da coluna cervical mostrou o bom posicionamento da fixação da vértebra C2, além de alterações consideradas normais no pós-operatório.

O goleiro da Chapecoense, Jackson Follmann, é um dos seis sobreviventes do acidente em que morreram 71 pessoas, entre atletas, membros do clube, tripulantes e jornalistas. Entre os seis sobreviventes, quatro são brasileiros e dois bolivianos.

Fonte: Agência Brasil

Emocionado, Alan Ruschel concedeu entrevista coletiva na manhã deste sábado, em Chapecó, e garantiu que quer voltar a jogar futebol. Inclusive, o jogador, que foi o primeiro sobrevivente a receber alta, estabeleceu o prazo de seis meses para que isso aconteça.

4953309fe3335aa19cd85e7ca84a2d56Ruschel fala em milagre e quer voltar a jogar em seis meses.(Imagem: Sirli Freitas/Chapecoense)

- Não tem palavras para explicar o que estou sentindo. É uma mistura de sentimentos, uma alegria grande por poder estar aqui de novo, sentado aqui. Mas ao mesmo tempo é um luto por ter perdido muitos amigos. Como eu postei foto esse dia, falando que seguirei em frente, honrando os que foram morar com Deus. Honrarei seus familiares que aqui ficaram, que hoje estão sentindo a dor - disse Alan chorando muito, antes de completar:

- Farei de tudo para voltar a jogar, com muita paciência. Mas farei de tudo para dar alegria ao Plínio (presidente da Chapecoense), aos médicos, farei de tudo para dar alegria a esse pessoal aqui. Eu calculei três meses para calcificar a coluna, já passou um. Mais dois meses para fortalecer a musculatura. Estou só na capa -completou.

O lateral ainda revelou que trocou de lugar com um dos diretores da Chapecoense, Cadu, dentro do avião da LaMia em Santa Cruz de la Sierra.

- Quando a gente chegou em Santa Cruz, pegaríamos o voo fretado e o Cadu pediu (para trocar). Eu estava sentando mais atrás, o Cadu pediu pra sentar na frente para deixar os jornalistas no fundo. Na hora eu não quis sair. Aí eu vi o Follmann e ele insistiu para sentar com ele. Saí de trás e fui sentar com o Follmann. É a parte que eu lembro - contou Ruschel indo às lágrimas novamente.

Fonte: Lance!

Apesar de falar que Robinho é um sonho, o presidente do Santos, Modesto Roma Júnior, tem como alvo principal um outro atacante que já passou pelo clube: Gabigol, que foi vendido em agosto para a Inter de Milão (ITA). O dirigente alvinegro está ciente da insatisfação do jogador no time italiano, pelo qual atuou apenas 16 minutos, e da vontade dele de disputar a Libertadores em 2017. O empecilho, porém, é pagar os salários de R$ 600 mil por mês.

5846ccc4c1bffSantos prefere Gabigol a Robinho (Foto: Divulgação)

Modesto está disposto a bancar metade deste vencimento e busca um parceiro para arcar o restante. O presidente mantém contato com o pai de Gabigol e sonha com a volta do jovem de 20 anos. Para isso, ele procura algum interessado para viabilizar a negociação.

Gabigol está insatisfeito na Itália por ainda praticamente não ter atuado. O atacante sonha em disputar a Copa do Mundo de 2018, mas parou de ser convocado para a Seleção Brasileira. Por querer voltar a ter visibilidade, ele não está interessado em algum empréstimo para algum clube menor da Itália.
Há três dias, Wagner Ribeiro, empresário do atacante, admitiu que seu cliente está insatisfeito na Inter e que mantém conversas com Modesto. O agente também disse que foi procurado por outros clubes brasileiros além do Peixe.

– Eu estive com o presidente do Santos, falo com ele constantemente. Todos sabem que o salário que o Gabriel recebe na Inter é inviável aqui, nenhum clube tem condições. Eu fui procurado por um clube do Rio e um clube de Minas para este empréstimo do Gabriel, mas não posso assegurar nada. O que eu quero é que meu cliente não seja mais humilhado – afirmou Wagner Ribeiro, em entrevista à Rádio Globo.

Enquanto mantém o sonho de repatriar Gabigol e se esforça para encontrar algum parceiro, Modesto não se empenha tanto para viabilizar a volta de Robinho. Tanto o dirigente quanto o Rei do Drible temem uma rejeição da torcida, que vaiou o jogador do Atlético-MG em duas oportunidades: quando enfrentou o Peixe e quando apareceu no telão da Vila na despedida de Elano.

 

Fonte: Lancenet

A troca de técnico atrasou um pouco do planejamento do Corinthians para 2017, principalmente a busca por reforços. Contudo, a diretoria alvinegra não teme levar “chapéus” de outros clubes e ter dificuldades para contratar. Quem afirma é Flávio Adauto, diretor de futebol do Timão.

58137e48bfd64Flavio Adauto e Roberto de Andrade, cartolas do Corinthians (Foto: Daniel Augusto Jr/Corinthians)

Segundo ele, a diretoria alvinegra confia no poder de convencimento que tem e também na visibilidade oferecida pelo clube.

– Se perdermos jogadores? O azar é deles. Pode parecer prepotência, mas o Corinthians segue sendo a maior vitrine do futebol brasileiro – destacou o cartola, que lembrou de Ralf, Paulinho e outros atletas que chegaram ao Timão pouco badalados e depois ganharam notoriedade no Brasil e no mundo.

– Mesmo sem a Libertadores, todos querem jogar aqui – completou.

Adauto demonstrou confiança em negociações que já estão em andamento e disse que reforços podem ser anunciados até o fim da próxima semana. Um deles é Rithely, volante do Sport. O clube também busca dois zagueiros, um meia e um atacante.

Até o momento, o Corinthians já acertou duas contratações para 2017, os atacantes Jô (estava livre) e Luidy (destaque do CRB-AL).

No início desta semana Flávio Adauto afirmou que o Timão buscará reforços de peso, mas não citou nomes. Ao LANCE!, ele também frisou que a previsão orçamentária de investir R$ 13 milhões em reforços (veja mais ao lado), é só uma estimativa e não precisa ser seguida à risca.

 

Fonte: Lancenet

  • Paraiba
  • Blossom
  • Espeto e Cia
  • Ada Atten
  • Rastek
  • Cabedo
  • Casa Boa Esperança