Muito próximos nos últimos quatro anos, Paulo Nobre, ex-presidente do Palmeiras, e Maurício Galiotte, seu sucessor, não têm mais relação. Desde o início do imbróglio por conta da candidatura da eleição de Leila Pereira ao Conselho Deliberativo do clube, os dois se afastaram.

577da24a4c3b4Maurício Galiotte e Paulo Nobre (Foto: Cesar Greco)

Não há um rompimento oficial, mas a dupla não se fala mais. No fim de seu mandato, Nobre já dizia estar mais "reativo", esperando que fosse procurado para dar opiniões na transição. Após a mudança no comando e a inclinação de Maurício a favor de Leila, os contatos tornaram-se inexistentes, e Paulo tem cuidado de seus negócios no mercado financeiro neste início de 2017. Caso o atual presidente siga o caminho mais provável, de aceitar a candidatura de Leila, é possível que a situação fique "ainda pior", de acordo com uma fonte ouvida pelo L!.

No fim de sua gestão, Nobre tentou impugnar a candidatura de Leila, sob a alegação de que ela não era sócia há tempo suficiente para concorrer. Mustafá Contursi, ex-presidente e figura influente no CD, pediu a reconsideração do caso para Maurício. Embora o atual presidente não tenha anunciado seu veredicto, a dona da Crefisa e Faculdade das Américas deve ser liberada para participar da eleição em fevereiro.

Leila e seu marido, José Carlos Lamacchia, estão entre os candidatos inscritos semana passada na eleição para o Conselho pela chapa "Palmeiras Forte", de Mustafá. É ele quem diz ter dado o título de sócia benemérita à patrocinadora em 1996, tempo suficiente para lançar a candidatura. Lamacchia faz parte do quadro de sócios desde os anos 1950.

O distanciamento entre Paulo Nobre e Maurício Galiotte era esperado, mas a velocidade para a separação surpreende, já que o atual mandato completou apenas um mês no domingo. Primeiro vice de 2013 e 2016, o novo presidente tinha uma decisão a tomar: se apoiasse o veto à candidatura feito pelo antecessor, correria o risco de perder o patrocínio que paga R$ 78 milhões por ano; se revertesse a decisão, o rompimento com Paulo seria o passo seguinte.

O ex-presidente já não tinha um relacionamento bom com os patrocinadores desde a briga pela possibilidade de lançar uma camisa retrô com a marca da Parmalat, no fim de 2015. Desse caso em diante, Maurício ficou responsável por tratar com os parceiros.

O contrato com a Crefisa e Faculdade das Américas acaba no dia 21 de janeiro, mas a tendência é de que seja renovado. No fim do ano, o clube recebeu cerca de R$ 23 milhões que já indicaram a aproximação do novo acordo, e serviram para viabilizar a chegada de Alejandro Guerra, a compra dos 100% dos direitos do Dudu, e dos 40% do lateral-direito Fabiano.

 

Fonte: Lancenet

O volante Cícero foi apresentado nesta segunda-feira em Bradenton, nos Estados Unidoso, como reforço do São Paulo para 2017. O jogador, que assinou por dois anos, fará sua segunda passagem pelo clube - atuou entre 2011 e 2012. E disse que saiu de uma zona de conforto no Rio de Janeiro, onde atuava no Fluminense, para defender o Tricolor paulista.

587cfd8153912Cícero vestirá a camisa 8 na segunda passagem pelo clube Reapresentação de Cícero no São Paulo (Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)

- Eu chego muito motivado. Saí do conforto do Rio de Janeiro, minha mulher é de lá. Meu filho adorava ir para a escolinha, mas eu acho que o jogador de futebol não pode viver numa zona de conforto. E eu tenho um desafio na minha vida, durante uns três quatro anos venho buscando isso na minha vida, de a cada ano tentar ganhar um título porque acho que o jogador para continuar em evidência tem de manter o rendimento de médio para alto. Então é esse pensamento que tenho para o São Paulo e muito motivado por estar voltando - afirmou o jogador, que vestirá a camisa 8, em entrevista coletiva nos Estados Unidos.

Cícero foi uma contratação a pedido do técnico Rogério Ceni. O comandante pensa em utilizá-lo como volante. E é a posição onde o jogador prefere atuar, embora se coloque à disposição para realizar outras funções. Ceni acredita que ele pode jogar na armação ou até de falso 9.

- Meia-armador eu nunca fui. Se precisar que eu faça, eu faço, como todo mundo sabe que eu eu faço outras funções. Mas já faz uns dois anos que venho me firmando como volante, não falo nem segundo volante porque hoje em dia não tem primeiro nem segundo. Mas, vai ser conversado, porque o time tem de ter o encaixe. Se você vai encaixar como atacante ou como latera, só o tempo vai dizer. O mais importante é o time criar uma identidade, que assim faz ficar forte. Lógico que eu tenho a preferência de jogar por volante, onde eu vim me destacando nos últimos anos. Mas depende da consciêntização tática, isso é só no dia a dia que vai ter isso - analisou Cícero.

Uma das motivações de Cícero para retornar ao São Paulo foi a presença de Rogério Ceni como técnico. Ele acredita que o clube pode voltar a conquistar títulos com o ídolo no comando e já vislumbra o momento de erguer a taça ao lado do ex-companheiro de time.

- Eu estou muito feliz de estar com ele, porque é um cara vitorioso, e por que não ele ser vitorioso como treinador? Então, imagina todo mundo se abraçando no fim do ano com vários títulos e com o Rogério como treinador... É uma satisfação enorme, e você vai juntar o útil ao agradável, porque o que ele representa para esse clube, a gente representa muito abaixo - afirmou o volante.

O São Paulo estreia na Florida Cup na próxima quinta-feira, às 22h, contra o River Plate. Cícero tem treinado como volante e pode aparecer como titular.

 

Fonte: Lancenet

O volante piauiense Rômulo chegou ao Rio de Janeiro na manhã deste domingo (15) e foi recebido no aeroporto com festa pela torcida do Flamengo, seu novo clube.

romulo fla 01Rômulo é recebido com festa no Flamengo.(Imagem: Twitter.com/Flamengo)

Depois de acertar sua saída do Spartak Moscou, na Rússia, o jogador voltou ao Brasil e foi direto para a sede do Flamengo.

O diretor-executivo de futebol, Rodrigo Caetano, que trabalhou com Rômulo nas categorias de base do Vasco, apresentou o centro de treinamento rubro-negro, onde ele ficará hospedado para se integrar ao elenco na pré-temporada.

Descoberto no Porto, de Caruaru (PE), onde ficou até 2009, Rômulo foi revelado após subir das categorias de base do Vasco, de onde saiu em 2012 para o futebol russo.

O Flamengo é o quarto clube da carreira do jogador de 26 anos, que tem no currículo o título da Copa do Brasil de 2011, com o Vasco, a medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, e o Superclássico das Américas, com a seleção brasileira contra a argentina, em 2011.

 

Fonte:cidadeverde.com

Mesmo que a contragosto de muitos tricolores, Conca agora é jogador do Flamengo. O meia foi apresentado no Rubro-Negro na manhã desta sexta-feira, no Ninho do Urubu, e vestiu a camisa do clube.

c4f2672678ec20f1b0e7183b4c285183Conca assume a camisa 19 do Flamengo e evita polêmica com o Flu.(Imagem:Divulgação)

Não houve beijo no escudo, mas o argentino prometeu muito empenho pra retribuir o investimento. Como era esperado, o atleta teve de responder a muitas perguntas sobre o Fluminense e a idolatria nas Laranjeiras. Em tom respeitoso, ele se esquivou.

- Sempre tive respeito. Todo mundo sabe que, por cada clube que passei, sempre respeitei, tentei ajudar. Mas sabemos que temos de viver o presente, o presente hoje é o Flamengo. Cada um defende seu clube. Torcedor vai xingar, reclamar... - disse o argentino, que chegou a cometer um pequeno deslize ao citar o Fluminense.

- Diego é o meia do Fluminense...do Flamengo. Ele é especial em tudo que faz - disse, rapidamente se corrigindo.

Conca justificou a escolha pelo Flamengo num momento que ele considera como 'difícil' na carreira.

- Acho que foi seriedade que o pessoal do Flamengo mostrou, me apoiar neste momento tão difícil. Todo mundo sabe a importância que tem este clube. Uma torcida que apoia, é um orgulho vestir esta camisa. O Flamengo me abriu as portas num momento importante - comentou.

CAMISA 19

Esperava-se que Conca fosse utilizar a camisa 11, que era de Emerson Sheik. No entanto, o argentino escolheu o número 19. Ele diz que não há motivo especial para isso.

- Escolhi o 19. Não repito número. Então, decidi usar outro número. Foi isso, apenas, gosto do 19 - disse.

Conca foi descrito como um 'supercraque' pelo presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello.

- Conca vem nos ajudar, honrar o Manto. Estamos aqui para apresentar este 'supercraque'. Ele é um sonho antigo da nossa torcida. Conca vem também para terminar sua recuperação. Em breve poderemos ter o Conca jogando, dando assistência e fazendo gols que a nossa torcida tanto quis - disse o mandatário.

MÉDICO DO CLUBE OTIMISTA

O chefe do departamento médico do Flamengo, o doutor Márcio Tannure, mostrou-se otimista com a recuperação do argentino no Flamengo. No entanto, o profissional evitou falar em prazo de retorno do gringo.

- Ele chega sem custo para o clube, poderia escolher qualquer lugar. Ele confia plenamente no Flamengo. Se aceitamos que ele viesse, é porque acreditamos que ele tem as condições necessárias para voltar a jogar futebol. Não gostaria de falar em prazo, mas sim em etapas. Jogador como o Conca precisa passar por etapas. Se ele cumprir estas etapas antes do tempo previsto, não tem porque não liberarmos.

Se, por outro lado demorar um pouco mais, não vamos forçar uma situação. Foi a primeira lesão grave dele - disse o médico, referindo-se ao problema sofrido pelo argentino, em agosto do ano passado, quando rompeu um ligamento do joelho esquerdo atuando pelo Shanghai SIPG, da China.

Conca deve voltar a jogar no fim de abril ou início de maio. No entanto, esta não é uma previsão oficial do Flamengo.

O argentino assinou contrato de empréstimo por um ano com o Flamengo. O clube carioca vai arcar com 15% do salário do atleta, o que representa cerca de R$ 350 mil. No entanto, ele só vai receber esta quantia quando entrar em campo.

O argentino terá acompanhando diário, no Ninho do Urubu, de dois profissionais contratados pelos chineses: o preparador físico Ronaldo Torres e um fisioterapeuta.


Fonte: Terra

  • Ada Atten
  • Cabedo
  • Paraiba
  • Espeto e Cia
  • Blossom