Daniel Alves foi submetido, nesta quinta-feira, a uma cirurgia para a correção de uma fratura na ulna direita - um dos ossos do antebraço -, sofrida no segundo tempo da vitória do São Paulo, por 1 a 0, sobre o Athletico Paranaense, na noite da última quarta-feira, no Morumbi, em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro.

e40fa411ea5db8adcd90eadc51972779Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Segundo nota publicada no site oficial do clube, a intervenção, no HCor, feita pelo cirurgião Sergio Gama, durou aproximadamente uma hora e foi "bem sucedida". O atleta, de 37 anos, vai iniciar a primeira etapa da recuperação em sua residência, com supervisão do departamento médico são-paulino. A segunda etapa será feita no CT.

O camisa 10 sofreu a lesão aos 33 minutos do segundo tempo, após receber um pontapé acidental de Fernando Canesin. Tentou continuar na partida, mas acabou substituído por Luan. Ele deixou o Morumbi diretamente para o hospital, onde foi constatada a fratura.

O próximo jogo do São Paulo será o clássico contra o Corinthians, no domingo. Além de Daniel Alves, o técnico Fernando Diniz terá o desfalque do lateral-esquerdo Reinaldo, suspenso. Já o atacante Luciano reclamou de dores musculares e será reavaliado na reapresentação do elenco nesta quinta-feira.

Fonte: Estadão Conteúdo

Em uma semana, o atacante Luciano disputou os três primeiros jogos dele pelo São Paulo e foi decisivo em todos. Nesta quarta-feira (26), ele marcou o seu segundo gol com a camisa tricolor e definiu o placar da vitória sobre o Athletico-PR, por 1 a 0, no Morumbi.

a862a9cb819d3d2b9693976967c3d9af

Pela primeira vez desde a retomada do futebol depois da paralisação provocada pela pandemia do novo coronavírus, o time tricolor conseguiu duas vitórias consecutivas. Na última rodada, havia derrotado o Sport, por 1 a 0, gol de Pablo com assistência de Luciano.

Assim como em sua estreia, no empate com o Bahia, por 1 a 1, o camisa 11 do São Paulo balançou a rede nesta quarta com um gol de cabeça, já no segundo tempo, etapa em que os donos da casa conseguiram tomar o controle do jogo.

bacb840ad7dd229a20eada751aadf66cFoto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

No primeiro tempo, o Athletico criou as principais chances de gol, sobretudo com Geuvânio e Léo Cittadini, que exigiram boas defesas de Tiago Volpi, principal responsável pelo placar ter ficado zerado nos 45 minutos iniciais.

Do outro lado, o goleiro Santos até foi acionado, mas em lances que não exigiram grande esforço. Apesar de ter mais posse de bola, 55% contra 45% do rival, os são-paulinos tiveram dificuldades para passar pela defesa da equipe paranaense.

Depois do intervalo, Fernando Diniz promoveu as entradas de Hernanes e Paulinho Bóia e conseguiu dar mais velocidade e criatividade aos mandantes até chegar ao gol, aos 19 minutos.

Enquanto isso, a equipe comandada por Dorival Junior voltou para a etapa final com um ímpeto ofensivo bem menor e não conseguiu buscar o empate.

Com o resultado, o São Paulo chegou aos 10 pontos e pulou para a terceira posição, com cinco partidas disputadas -está dois atrás do líder Internacional. O Athletico, que sofreu a quarta derrota consecutiva, tem seis pontos em seis jogos.

O duelo desta quarta, antecipado da 11ª rodada, não foi exibido ao vivo por nenhuma emissora de TV ou plataforma de vídeo. Como não havia a presença de torcida no estádio devido à pandemia do coronavírus, os torcedores acompanharam a partida somente pelas rádios.

Na Justiça contra os efeitos da Medida Provisória 984, editada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em junho, que altera direitos de transmissão, a Globo escolheu não mostrar o jogo em TV aberta, apesar de ter o direito, e também não usar a MP em benefício próprio para exibi-lo em TV fechada ou PPV.

A Turner, com quem o Athletico tem contrato para TV fechada, não teria direito à transmissão em qualquer circunstância uma vez que o time paranaense atuou como visitante neste jogo.

SÃO PAULO
Tiago Volpi; Igor Vinícius, Diego Costa, Léo Pelé, Reinaldo; Tchê Tchê (Liziero), Gabriel Sara (Hernanes), Daniel Alves (Luan); Vitor Bueno (Paulinho Boia), Pablo, Luciano (Igor Gomes). T.: Fernando Diniz
ATHLETICO-PR
Santos; Khellven, Lucas Halter, Pedro Henrique, Abner; Wellington; Richard (Fernando Canesin), Léo Cittadini (Lucho González), Geuvânio (Christian), Pedrinho (Jajá); Bissoli (Vinicius Mingotti). T.: Dorival Jr.
Estádio: Morumbi, em São Paulo (SP)
Juiz: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Cartões amarelos: Reinaldo e Igor Vinícius (São Paulo); Pedrinho (Athletico-PR)
Gol: Luciano, aos 19min do segundo tempo

Fonte: Cidade Verde.

Com grande atuação do goleiro Fernando Miguel, que pegou duas cobranças de pênalti, o Vasco carimbou sua classificação para a quarta fase da Copa do Brasil. Após vencer no tempo normal por 2 a 1, o time carioca superou o Goiás nas cobranças de pênalti, por 3 a 2. No jogo de ida, a equipe esmeraldina havia vencido por 1 a 0.

cc77cb97e80469968101b9bf5334c400Foto: Rafael Ribeiro/Vasco

Fernando Miguel defendeu as cobranças de Rafael Moura e Marcinho - Daniel Bessa chutou para fora -, para selar a classificação do Vasco, que agora aguarda seu adversário na próxima fase, que sairá de sorteio a ser realizado pela CBF. O clube carioca ainda levou R$ 2 milhões de premiação pela classificação.

Com Thiago Larghi no comando - substituindo Ney Franco -, o Goiás teve uma postura mais agressiva frente ao Vasco. O time esmeraldino propôs o jogo e viu Fernando Miguel ser um dos principais destaques do primeiro tempo. Logo aos quatro minutos, Jefferson cobrou falta venenosa e exigiu boa defesa do goleiro, que jogou para escanteio.

A posse de bola era do Vasco, mas o Goiás continuou atacando. Em linda jogada, Victor Andrade chutou e parou em Fernando Miguel. Na sobra, Keko ajeitou para Gilberto, que recuou para o goleiro adversário. A resposta só veio aos 24 minutos, em tentativa de Talles Magno. A bola fez uma curva, mas Tadeu pegou.

Aos 32, Henrique fez seu primeiro com a camisa vascaína. O lateral avançou pela esquerda e cruzou. A bola pegou Tadeu de surpresa e terminou no fundo das redes. Após o gol, o Goiás foi novamente para cima e deixou tudo igual aos 43. Keko cobrou escanteio, Ricardo Graça desviou e Talles Magno deixou a bola chegar em Rafael Vaz, que só empurrou.

O segundo tempo começou em ritmo alucinante. O Vasco voltou mais atento e se colocou à frente do placar aos quatro minutos. Andrey fez fila na defesa do Goiás e deu para Talles. O atacante rolou para Benítez acertar um bonito chute. A bola desviou antes de enganar Tadeu. O terceiro só não veio, na sequência, pois o goleiro fez um milagre no arremate de Cano, de dentro da área.

O Goiás não ficou apenas esperando o Vasco e chegou aos 11 minutos em cabeçada, à queima-roupa de Rafael Moura, Fernando Miguel salvou. O goleiro fez outra grande defesa, em nova tentativa de He-Man. O time esmeraldino foi crescendo, mas continuou pecando nas finalizações. Na melhora delas, Rafael bateu chapado, rente ao gol de Tadeu.

Nos minutos finais, o Vasco também tentou liquidar a fatura, mas o chute de Carlinhos parou em mais uma grande defesa de Tadeu. O Goiás, no entanto, se segurou e acabou levando o duelo para os pênaltis.

Daniel Bessa abriu as cobranças e isolou. Cano fez o primeiro do Vasco, mas Rafael Vaz igualou e Yago Pikachu jogou nas mãos de Tadeu. Keko colocou o Goiás na frente. Benítez empatou e Rafael Moura tento surpreender e chutou no meio. Fernando Miguel ficou parado e defendeu. Bruno César marcou e o goleiro vascaíno segurou o chute de Marcinho para garantir a classificação do cruzmaltino.

FICHA TÉCNICA:
GOIÁS 1 (2) x (3) 2 VASCO
GOIÁS - Tadeu; Pintado, Fábio Sanches, Rafael Vaz e Jefferson; Sandro (David Souza), Gilberto (Ratinho) e Daniel Bessa; Keko, Rafael Moura e Victor Andrade (Marcinho). Técnico: Thiago Larghi
VASCO - Fernando Miguel; Yago Pikachu, Ricardo, Leandro Castan e Henrique; Andrey, Fellipe Bastos (Carlinhos) e Benítez; Vinícius (Guilherme Parede), Cano e Talles Magno (Bruno César). Técnico: Ramon Menezes.
GOLS - Henrique, aos 32, e Rafael Vaz, aos 43 minutos do primeiro tempo. Benítez, aos 4 minutos do segundo tempo.
CARTÕES AMARELOS - Fábio Sanches e Rafael Moura (Goiás); Andrey (Vasco).
ÁRBITRO - Ricardo Marques Ribeiro (MG).
RENDA E PÚBLICO - Jogo sem torcida.
LOCAL - Estádio da Serrinha, em Goiânia (GO).
Fonte: Estadão Conteúdo

Em vantagem com a vitória por 1 a 0, construída há cinco meses, no Engenhão, o Botafogo fez o básico para sair com a classificação à quarta fase da Copa do Brasil ao derrotar o Paraná por 2 a 1, na noite desta quarta-feira, no estádio Durival Britto, em Curitiba (PR). No placar agregado ficou em vantagem de 3 a 1.

711cf23c41d94a11692b5369dc4cf038Foto: Vitor Silva/Botafogo

O clube carioca aguarda agora o sorteio a ser realizado pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para conhecer seu próximo adversário. O Botafogo ainda levou uma premiação no valor de R$ 2 milhões pela classificação. O Paraná, por outro lado, focará apenas na Série B do Campeonato Brasileiro, competição da qual é o líder.

O Botafogo encontrou dificuldades diante do Paraná no primeiro tempo. Sem ser muito pressionado, o clube carioca não conseguiu implementar as suas conhecidas jogadas de contra-ataque e se viu perdido em muitos momentos, fazendo a bola rolar de um lado para o outro. Tanto que o lance que mais chamou atenção foi em um pênalti não marcado de Juninho em Kevin.

Mesmo com Pedro Raul na vaga de Matheus Babi, o Botafogo não conseguiu ameaçar muito o gol adversário e precisou contar com o talento de Gatito para não sair atrás do marcador. Andrey foi quem chamou mais atenção. Na primeira chance, ele se desequilibrou na hora do chute e errou o alvo. Na sequência, viu o goleiro alvinegro fazer grande defesa, após passe de Bruno Gomes.

O Paraná ainda teve mais uma chance antes do fim do primeiro tempo, porém, novamente a desperdiçou. Bruno Gomes aproveitou a bobeira de Kanu e viu a bola sobrar limpa para Renan Bressan. Na frente de Gatito, o meia mandou pela linha de fundo.

O segundo tempo começou mais agitado. O Botafogo contou com a sua forte jogada aérea para abrir o marcador. Aos quatro minutos, Bruno Nazário cobrou escanteio fechado para Marcelo Benevenuto subir no segundo andar e fazer 1 a 0. O empate veio logo na sequência com Thales, após bate e rebate dentro da área da equipe alvinegra. De carrinho, o zagueiro jogou para o gol.

Aos poucos, o Paraná se atirou ao ataque e deu o tão sonhado espaço que o Botafogo queria. Aos 43 minutos, Danilo Barcelos cobrou escanteio para Kanu, que mandou na trave. O time carioca foi pressionando e acabou sendo premiado no final.

Aos 51 minutos, Matheus Babi recebeu cruzamento de Danilo Barcelos e acabou sendo derrubado por Juninho, num pênalti. O próprio Danilo foi para a cobrança e decretou a vitória da equipe alvinegra.

FICHA TÉCNICA:

PARANÁ 1 x 2 BOTAFOGO

PARANÁ - Alisson; Paulo Henrique, Thales, Fabrício e Juninho; Jhony Douglas (Michel), Higor Meritão e Renan Bressan; Gabriel Pires (Marcelo), Bruno Gomes e Andrey. Técnico: Allan Al.

BOTAFOGO - Gatito Fernández; Marcelo Benevenuto, Kanu e Rafael Forster; Kevin, Caio Alexandre, Honda (Luiz Otávio), Bruno Nazário (Matheus Babi) e Guilherme Santos (Danilo Barcelos); Luis Henrique (Rhuan) e Pedro Raul. Técnico: Paulo Autuori.

GOLS - Marcelo Benevenuto, aos 4, Thales, aos 10, e Danilo Barcelos, aos 51 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Higor Meritão e Juninho (Paraná); Gatito Fernández, Kanu e Pedro Raul (Botafogo).

ÁRBITRO - Vinícius Furlan (SP).

RENDA E PÚBLICO - Jogo sem torcida.

LOCAL - Estádio Durival Britto, em Curitiba (PR).

 

Fonte:cidadeverde.com

  • Cabedo
  • Ada Atten
  • Paçoka
  • Med Plan
  • Espeto e Cia