• Construforte
  • chopp sabora
  • Garoto
  • Oticas Floriano
  • Dario PAX
  • Paraiba
  • Jorge
  • Posto Aliança
  • Construforte
  • chopp sabora
  • Oticas Floriano
  • Jorge
  • Posto Aliança
  • Garoto
  • Dario PAX
  • Paraiba

O atacante Neymar, do PSG e da seleção brasileira, contou durante uma live com Diego Ribas, do Flamengo, no Instagram, como lida com as vaias que recebe da própria torcida em diferentes situações.

84c595545d95daee68515ec9a378c15dFoto - Lucas Figueiredo | CBF

O camisa 10 do time francês admitiu que esse tipo de situação o deixa triste, e disse que buscou forças ao pensar no carinho de amigos e familiares durante toda a sua carreira.

Neymar ponderou ainda que, quando a torcida está a seu favor, ele tem um elemento a mais para se fortalecer em campo, mas avaliou que, como o ânimo dos fãs pode mudar, precisa se apegar a sentimentos que não mudam, como de sua família.

"Ninguém gosta de ser vaiado, ainda mais jogando em casa. É chato, é triste. Já aconteceu comigo aqui no PSG, na seleção e fiquei triste. Não fiquei confortável, mas tive que buscar força de algum lugar. Aí, vem tudo o que você viveu até aquele momento", declarou Neymar.

"Lembrei da minha infância, das pessoas que me ajudaram. Eu penso em jogar por quem está torcendo por mim de verdade, não por quem está me vaiando. Eu sei que meu filho está torcendo, minha família. Por que me abater com as vaias?

Tem jogo que a gente joga para torcida, quando está tudo bem. A gente dá show. Mas tem dia, nos momentos ruins, que tem que se apegar à família. Nesses momentos de vaia, meus pensamentos sempre foram para a família", completou.

Fonte: UOL/FOLHAPRESS

Mesmo sem apresentar um bom futebol, o Red Bull Bragantino foi valente e buscou empate com o Vélez Sarsfield-ARG na noite desta quinta-feira, por 1 a 1, no estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista, pela quarta rodada da fase de grupos da Copa Libertadores.

eb22ce0ac783ab9c53f3fe917ec7fe52Foto: Ari Ferreira/Red Bull Bragantino

Lucas Pratto, ex-Atlético-MG e São Paulo, e Hurtado, marcaram os gols da partida.

O empate mantém o time paulista na vice-liderança do Grupo C, agora com cinco pontos. Cinco pontos a menos que o líder Estudiantes. Já o Vélez Sarsfield segue sem vencer, tem apenas dois pontos e ocupa a lanterna da chave, em situação complicada na briga pela classificação à próxima fase.

Antes de a bola rolar, o Bragantino comunicou que o técnico Maurício Barbieri havia testado positivo para a covid-19. O auxiliar Claudio Maldonado, ex-volante de Corinthians e Cruzeiro, dirigiu o time à beira do campo.

O Bragantino teve muitas dificuldades em passar pela forte marcação do Vélez Sarsfield no primeiro tempo. E, para piorar, os argentinos ainda abriram o placar logo aos 13 minutos, quando Orellano deu ótima assistência para Lucas Pratto, que driblou Cleiton e finalizou para o gol.

Foram raros os momentos em que o time paulista conseguiu envolver os adversários e criar lances de perigo ao goleiro Hoyos. Se por baixo era praticamente impossível, o Red Bull Bragantino apostou em jogadas aéreas, opção que também não funcionou para buscar o empate.

O Vélez foi mais efetivo e perigoso nos contra-ataques. Aos 25, Orellano entrou na área e finalizou para ótima defesa de Cleiton Depois, aos 37, Pratto deixou a bola passar e novamente Orellano assustou, só que em chute que foi pela linha de fundo.

Após o intervalo, o time argentino seguiu melhor, mas parou no goleiro Cleiton. Aos seis minutos, Pratto cabeceou para defesa do camisa 1. No rebote, Janson chutou forte, obrigando o goleiro a defender no reflexo.

Na reta final da partida, o Bragantino foi para o tudo ou nada e encontrou o empate. Aos 38, Andrés Hurtado aproveitou sobra dentro da área e chutou forte. A bola desviou na marcação e parou no fundo das redes.

O Bragantino volta a campo no dia 17 de maio, quando receberá o Estudiantes, às 19h15, novamente no estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista. Já o Vélez, no dia 18, visitará o Nacional, às 21 horas, no Parque Central, em Montevidéu.

Fonte: Estadão Conteúdo

Em grande jogo na noite desta quinta-feira (5), o Fortaleza saiu na frente, mas o River Plate buscou o empate por 1 a 1, na Arena Castelão, pela quarta rodada do Grupo F da Copa Libertadores.

af2e2d560975d268010afae20e542749Foto: Mateus Lotif/FEC

O resultado deixou o clube em situação delicada na chave, pois as duas últimas partidas serão longe de casa.

Logo aos 4 minutos do primeiro tempo, o time tricolor abriu o placar com Romero. De pênalti, Enzo Fernández empatou pouco depois, aos 16.

Os mandantes continuaram melhor na partida, principalmente com a dupla Lucas Lima e Crispim na esquerda. Com o cansaço, o segundo tempo foi mais equilibrado.

O empate mantém o Fortaleza na terceira colocação da chave, com quatro pontos. O River segue líder e chega aos dez. Alianza Lima e Colo-Colo ainda jogam nesta quinta, às 23h.

Se o time peruano, que ainda não pontuou e é o lanterna, vencer, garante a vaga antecipada dos argentinos. O clube chileno, com seis pontos, é o vice-líder.

Como de costume, a torcida do Fortaleza lotou as arquibancadas do Castelão para uma linda festa.

Além de empurrar o time durante os 90 minutos, os torcedores ainda fizeram um mosaico duplo com mensagens contra o racismo. De um lado, a frase era 'stop racism' (pare o racismo) e, do outro, 'juntos na luta'.

As palavras são uma resposta ao episódio de injúria racional que aconteceu no primeiro encontro entre os clubes, no Monumental de Núñez, na Argentina. Na ocasião, um torcedor jogou uma banana na torcida do Fortaleza.

A bela festa dos torcedores também pode ter marcado o último jogo do Fortaleza em casa na Libertadores em 2022.

Em terceiro no grupo F, o time precisará superar Alianza Lima e Colo-Colo fora de casa nas duas últimas rodadas para passar da primeira fase. Caso se mantenha na terceira colocação, disputará as oitavas da Sul-Americana.

O tropeço deixou o River em situação confortável para garantir a classificação, porém tirou o 100% de aproveitamento da equipe. Como o Flamengo também empatou na rodada, por 2 a 2 contra o Talleres, o Palmeiras passa a ser o único clube com 100% de aproveitamento no torneio.

O JOGO

Empurrados pela torcida na Arena Castelão, o clube tricolor foi para cima e abriu o placar com quatro minutos de bola rolando.

Lucas Lima achou lindo lançamento para Crispim que, cara a cara com o goleiro, rolou para o meio e deixou Romero sozinho, apenas com o trabalho de empurrar para o fundo da rede.

Aos 12min, Fernández lançou para Pochettino, que passou no meio dos zagueiros e foi derrubado por Benevenuto dentro da área. A penalidade foi marcada, apesar das muitas reclamações. Na cobrança, Max Walef para sua direita, porém Enzo Fernández bateu na esquerda e deixou tudo igual.

Mesmo com o gol tomado, a equipe da casa continuou melhor na partida e obrigou Armani a fazer uma série de defesas ainda na etapa inicial. Aos 24, Lucas Lima bateu de dentro da área, contudo em cima do defensor.

No minuto seguinte, arriscou de fora e parou novamente em Armani. Aos 40, o guarda-redes apareceu novamente para salvar a bela cabeçada de Felipe.

O time da casa pressionou demais no início da segunda etapa, contudo acabou cansando e caindo de produção por volta dos 20, minuto em que Max Walef fez uma boa defesa no chute de De La Cruz.

O técnico Vojvoda agiu rápido, fortaleceu o meio-campo com Zé Welison na vaga de Lucas Lima e colocou sangue nove com Depietri e Kayzer no ataque.

As mudanças mantiveram o River com mais posse, porém com o clube tricolor levando muito mais perigo nos contragolpes. Aos 30, Renato Kayzer foi derrubado na área, contudo a arbitragem nada marcou.

Pouco depois de sair de campo, Romero foi protestar para que o árbitro anotasse o pênalti. No entanto, Esteban Ostojich resolveu expulsar o atacante pela reclamação.

Na quinta rodada, o Leão do Pici visita o Alianza Lima no Peru. O duelo será no próximo dia 18, uma quarta, às 23h. Um dia depois, às 19h, o River recebe os chilenos do Colo-Colo.

Antes disso, o Fortaleza atua pela quinta rodada do Brasileirão. No domingo (8), às 19h, ele enfrenta o São Paulo na Arena Castelão.

Fonte: UOL/FOLHAPRESS

Uma apresentação muito ruim no Chile impediu que o São Paulo mantivesse a campanha perfeita na sul-americana e se classificasse com duas rodadas de antecedência às oitavas de final.

8c972f81441f0aef3e4cab4e9cafeeb1Foto - Rubens Chiri / saopaulofc.net

Na noite de ontem, o Tricolor errou passes em demasia, quase nada produziu ofensivamente e saiu até satisfeito com o empate sem gols com o Everton, em Viña del Mar.

Ainda assim, a classificação está bem encaminhada. Com dez pontos, o São Paulo manteve a invencibilidade e a liderança do Grupo D. Não deve ter problemas para assegurar seu lugar no mata-mata.

Domingo, às 19h, o São Paulo vai ao nordeste enfrentar o Fortaleza no Castelão, pela quinta rodada do Brasileirão. O próximo compromisso pela Sul-Americana é apenas daqui a duas semanas. Dia 19, o Tricolor recebe o Jorge Wilstermann, da Bolívia, no Morumbi.

Escalado com reservas, o São Paulo foi protagonista de um de seus piores primeiros tempos nesta temporada.

Apático e sem criatividade, a equipe treinada por Rogério Ceni praticamente nada produziu ofensivamente na etapa inicial. O uruguaio Gabriel Neves teve rara oportunidade como titular, mas foi mal. Disperso, errou muitos passes.

Incumbido de pensar o jogo, Patrick foi incapaz de armar o time e os três homens de frente - Marquinho, Rigoni e Luciano - não se entenderam. Jogaram muito distantes uns dos outros. A única chance saiu dos pés de Luciano. Ele balançou as redes, mas o gol foi anulado por impedimento.

Frágil tecnicamente, o Everton conseguiu pressionar o São Paulo nos minutos finais. Os chilenos não desceram ao vestiário em vantagem porque Jandrei estava atento e defendeu o chute de Madrid. Os donos da casa pediram pênalti após toque da bola no braço de Miranda dentro da área, mas não foram atendidos.

Houve uma pequena melhora do São Paulo no segundo tempo. Mas muito ligeira. O time de Ceni, este inconformado à beira do gramado, chamou a atenção pela incapacidade de dar sequência às jogadas pelo excesso de passes errados. O técnico lançou mão de jovens como Toró, Juan e Talles Costas. O cenário, porém, não mudou.

A sorte dos brasileiros é que os chilenos esbarraram em suas limitações e não conseguiram ir às redes. Os anfitriões, pela necessidade de ganhar, atacaram mais, foram superiores, mas a afobação e a pontaria descalibrada atrapalharam..

Jandrei trabalhou com competência e também teve sorte em alguns lances de perigo criados pela equipe chilena. O empate foi mantido até o fim para a tristeza do Everton e o alívio do São Paulo.

Fonte: Estadão Conteúdo