• Oticas Floriano
  • Posto Aliança
  • Farmaduty
  • Dario PAX
  • Garoto
  • Posto Aliança
  • Dario PAX
  • Garoto
  • Oticas Floriano
  • Farmaduty

Leonardo está de volta ao Paris Saint-Germain. Nesta sexta-feira, a direção do clube francês anunciou a contratação do brasileiro para o cargo de diretor de futebol, mesma função exercida por ele entre 2011 e 2013. O ex-lateral-esquerdo, hoje com 49 anos, assume o cargo que era do português Antero Henrique desde junho de 2017- um mês depois, ele participou das negociações para a contratação de Neymar junto ao Barcelona por R$ ??? milhões na época.

821b1f58a3aa4ae85e61e1678facecc3Foto: @psg

"Estou muito animado para ver o Paris Saint-Germain novamente. Este clube contou tanto na minha carreira no futebol e na minha vida simplesmente. Eu realmente experimentou grandes emoções aqui como um jogador na década de 1990 e mais recentemente como diretor esportivo ao lado de nosso presidente, Nasser Al-Khelaifi, quando voltei ao clube em 2011. Hoje volto a Paris com grande entusiasmo e energia para fazer parte deste novo clube para o qual eu tenho um profundo respeito", disse.

Leonardo foi demitido do Milan ao fim da última temporada sem conseguir levar a equipe da Itália à próxima edição da Liga dos Campeões da Europa. Em sua primeira passagem pelo Paris Saint-Germain como dirigente, foi o responsável pela contratação de jogadores-chave da equipe até hoje como Thiago Silva, Marquinhos, Verratti e Cavani.

O brasileiro também atuou como jogador do clube na temporada 1996/1997. Ele esteve na equipe parisiense na campanha do vice-campeonato da Recopa Europeia, no qual foram derrotados pelo Barcelona. Em 46 partidas, Leonardo marcou 10 gols.

"É um momento especial para ver Leonardo voltar ao Paris Saint-Germain. O Leo marcou a história do nosso clube e todos nós sabemos o papel que ele desempenhou como diretor de futebol no início do nosso projeto. Paris Saint-Germain sempre foi sua família, estamos muito felizes em recebê-lo novamente", afirmou Nasser Al-Khelaifi.

"Seu retorno, com o dinamismo e o talento que o conhecemos, ajudará a colocar o clube em um novo ciclo em que a ambição mantém seu lugar. Tenho certeza de que esta união fará a felicidade do Parque dos Príncipes, que sempre manteve Leonardo em seu coração. Com ele, desenhamos um elo entre as gerações do PSG, que é um belo símbolo no horizonte dos 50 anos do clube no próximo ano", completou.

Fonte: Estadão Conteúdo

"Eu vi as informações, o noticiário saindo ontem Por enquanto só estou sabendo isso que saiu na imprensa. Meu empresário (Paulo Pitombeira) chegou da China nestes dias, vou me encontrar com ele, e aí sim eu posso saber de alguma coisa diferente", falou o treinador durante evento de um de seus patrocinadores.

3720b02932d495aacb2b1df6b0afab39Crédito: Agência Corinthians

Carille já trocou o Corinthians pelo futebol saudita uma vez, quando foi ao Al Wehda em maio de 2018. Ele retornou em janeiro após bom trabalho na Arábia Saudita, o que lhe manteve as portas abertas no país e interesse vivo do Al Hilal, que é um dos grandes clubes locais.

A equipe tem o treinador no radar desde o ano passado, quando acabou optando pelo português Jorge Jesus.

"Esta questão da Arábia me incomodou muito no ano passado, quando saiu que estava tudo certo com o Al Hilal, sendo que a gente nunca conversou com o Hilal e eu acabei não indo para lá", reclama Carille, referindo-se à cobertura de sua saída, quando o Al Hilal chegou a considerá-lo antes de ele fechar com o Al Wehda.

"Agora está do mesmo jeito: eu não tenho nada oficial, e sou muito tranquilo. Enquanto não tem nada oficial, procuro não ficar pensando muito. Já temos tanta coisa para prensar e sabemos que temos problemas no Corinthians, para jogar melhor", argumenta, repetindo que não recebeu informações sobre o interesse saudita.

Questionado se o filme vai se repetir um ano após sua saída do Timão, Carille preferiu esfriar o assunto. "Na verdade eu não pensei em nada sobre isso. Estou muito focado aqui, discutindo com a diretoria do Corinthians sobre possíveis saídas ou reposições. 

Estamos tentando reforçar, mas em cima destes reforços a gente pode também perder jogadores. Então não pensei em nada ainda. Como meu empresário não me adiantou nada ainda, é algo que, se acontecer, vai acontecer lá na frente", explica o técnico.

O Al Hilal pensa em ter Fábio Carille para o início da próxima temporada saudita, em agosto. No Corinthians, o técnico planeja o mês livre de jogos oficiais antes de o Brasileirão ser retomado na metade de julho. O elenco alvinegro está de folga até o domingo que vem (23) e volta aos trabalhos no dia seguinte.

 

ARTHUR SANDES
SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) 

Está em andamento a Copa Cidade Verde de Futebol com 30 participantes. O evento faz parte do calendário oficial da Federação de Futebol do Piauí, ao lado de outras categorias.

cb0ab5fa1ed8ab21506d3f8824aa315eFoto - Letícia Santos/Cidadeverde.com

A abertura foi marcada por sucesso total no Estádio Lindolfo Monteiro. E os jogos estão sendo disputados no mesmo clima de entusiasmo. Todo o grupo de mídia Cidade Verde faz a cobertura diária, com destaque para a TV- Canal 5, exibindo momentos das disputas, notadamente os gols.

É fácil perceber que vários garotos são bons de bola. Futuramente poderão brilhar no futebol, passando de categoria em categoria até a conquista de lugar no profissionalismo.

É bom ressaltar que a FFP está cumprindo um importante calendário que vai do Sub-13 até o Sub-20. O caminho para melhorar o futebol piauiense está aí.

Vale lembrar que River e Fluminense realizaram uma grande partida na decisão do Sub-19, mostrando no gramado do Lindolfo Monteiro jovens com potencial técnico merecedor de oportunidades nas equipes principais.

Além da Copa Cidade Verde Sub-13, temos em andamento a Taça Teresina de Futebol Sub-15, do calendário da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer-SEMEL. A competição tem os seguintes times:

ZONA SUL

Promorar, Vila Real, Cruzeiro, Esplanada, Garra, Tatazão, Juventude, Craque da Vila, Bebeto, Flamengo e Interpark.

ZONA NORTE

Rei dos Reis, Fundação Mateus, Água Mineral, Auto Esporte, Nacional, Santos, Fla-Deusdeth, Resgate, R. Magalhães,São Paulo, Gol de Placa, Fluminense, Fenix, Max Kolbe, Buenos Aires, 3 Reservas, Alfa, S. Pereira, Palotino e Boa Vontade.

ZONA SUDESTE

Real, Emaus, Craque do Futuro, Mônaco,Águia, Dirceu I, Prata da Casa.

ZONA LESTE

AABB, Agripino Dias, Meninos da Vila, Boca Júniors, River, Barreirinha, Nena Gol, Joana Darc, Bat Gol, Vila Esporte, Piçarreira II e Barreirinha.

Outras competições são realizadas nos bairros de Teresina e nas cidades do interior.

 

Fonte:cidadeverde.com

Os frágeis adversários enfrentados nos jogos preparatórios para a Copa América não chegaram a testar a seleção brasileira. A vitória por 2 a 0 sobre o Qatar e o triunfo por 7 a 0 diante de Honduras, porém, serviram para o time colocar em prática aquela que será uma de suas estratégias na competição, sobretudo contra rivais de menor expressão.

dfcc4e691c1ebaa684135a86e8dfd3eeCréditos: Lucas Figueiredo/CBF

Tite quer ver seus atletas marcando no campo de ataque, roubando a bola perto do gol do oponente. A ideia é utilizar os jogadores rápidos de que dispõe, como Richarlison e David Neres, para aproveitar contragolpes bastante velozes, curtos, sem que haja a necessidade de transportar a bola de um setor defensivo até a meta.

"São opções. Tu tem que ver o que gera e o preço", disse o treinador, alertando que o esforço na tentativa de roubar a bola na frente deve ser bem coordenado. "Exige um nível de concentração maior. Se tu negligenciar, vai estourar, vai ter que correr para trás. Exige uma coisa e te dá outra", acrescentou.

O plano é manter o jogo longe do gol de Alisson o máximo possível. Além de organização na marcação por pressão, isso geralmente exige fôlego, algo desafiador em um torneio com poucos dias de recuperação entre as partidas. Mas, de acordo com a avaliação da comissão técnica, gás para executar a tarefa não é o problema.

"Em termos físicos, marcando onde se perde a posse da bola, tu corre menos. Estatisticamente mesmo", afirmou Tite, que observou um pressuposto básico fora de seu alcance. "Se a equipe adversária não quer sair jogando, não dá para marcar ali. Se a proposta é quebrar a bola na frente, você precisa brigar no meio, o jogo fica mais truncado."

De qualquer maneira, há uma ideia clara de não deixar o rival controlar a bola. Sempre que estiver sem a posse, a equipe verde-amarela pretende retomá-la agressivamente. Com ela, a seleção quer também ser agressiva, trocando passes, mas buscando a "verticalidade" mencionada pelo comandante - ou seja, menos toques de lado, mais investidas na direção do gol.

O plano vale, em tese, para qualquer jogo, mas é particularmente apropriado diante de times tecnicamente inferiores. No Grupo A da Copa América, o Brasil vai enfrentar Bolívia, Venezuela e Peru. Jogando sempre em casa, já que é sede do torneio, quer passar com folga e ganhar confiança para os desafios maiores esperados a partir das quartas de final.

"O comportamento vai ser parecido com o dos últimos jogos. Queremos ter a bola no pé e jogar no campo do adversário. O que a gente quer é isto: ter a bola perto do gol do rival. É levar a bola para os nossos atacantes, porque a gente sabe que eles fazem a diferença", disse o lateral esquerdo Filipe Luís.

A estratégia será observada em um jogo para valer na próxima sexta (14), data de abertura da Copa América. No estádio do Morumbi, em São Paulo, a partir das 21h30 (de Brasília), os comandados de Tite tentarão encurralar os bolivianos e dar o primeiro passo naquele que é visto como um campeonato importante para a seleção e para seu treinador.

MARCOS GUEDES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)

  • Espeto e Cia
  • Paraiba
  • Blossom
  • Cabedo
  • Casa Boa Esperança
  • Ada Atten