Sem fazer muita força, o Flamengo dominou e venceu o Fluminense por 2 a 1 nesta quarta-feira, no Maracanã, em duelo da nona rodada do Campeonato Brasileiro. O time rubro-negro decidiu o clássico com dois gols no primeiro tempo e ampliou a boa fase ao chegar à quarta vitória consecutiva no campeonato.

7f4ad189b0c404f649612a5c26f92834Foto: Alexandre Vidal / Flamengo

Há sete jogos sem perder, o Flamengo foi aos 17 pontos e subiu para a vice-liderança do Brasileirão. Tem a mesma pontuação que o líder Internacional, mas o time gaúcho possui saldo de gols superior e ainda entra em campo nesta quinta-feira.

O Fluminense, por outro lado, chegou à terceira partida sem vencer, sendo dois reveses seguidos, e parou nos 11 pontos, na nona colocação. Deve perder mais posições ao final da rodada.

O Fla-Flu desta quarta foi o mais desequilibrado disputado neste ano. Ao contrário dos duelos anteriores pelo Campeonato Carioca, o Flamengo sobrou diante de um frágil e inócuo Fluminense e definiu o triunfo ainda no primeiro tempo, na base do talento, da organização tática e da sintonia ofensiva.

Aos sete minutos, Isla cruzou na área e Arrascaeta cabeceou para a defesa de Muriel. No rebote, Filipe Luís, bem colocado, mandou para as redes e abriu o placar. O lateral marcou seu segundo gol no ano. Bem compacto, o time rubro-negro, não deu espaço ao rival e continuou atacando. Destaque, na primeira etapa, para a atuação de Thiago Maia, que comandou o meio de campo e cobriu as subidas de Isla.

A única chegada com perigo da equipe tricolor saiu dos pés de Wellington Silva. O atacante finalizou de primeira e a bola raspou a trave direita. Os anfitriões ficaram pouco com a bola, tiveram muita dificuldade para criar e não encontraram espaços na defesa adversária.

O Flamengo chegou ao segundo gol mesmo sem acelerar muito. Contou com a falha de Muriel para ampliar. No lance, Arrascaeta cobrou falta na área, o goleiro saiu mal e espalmou a bola nos pés de Gabriel, que concluiu com precisão e aumentou a vantagem

No segundo tempo, o time rubro-negro teve possibilidades para transformar o placar em goleada e impor um derrota dolorida ao rival. No entanto, o time do técnico Domènec Torrent reduziu o ritmo e, em muitos momentos, foi displicente e não teve eficiência e nem objetividade para marcar mais vezes.

O Flamengo terminou a partida com 14 conclusões, sete no gol, e contou com muito espaço em campo para chegar ao ataque e balançar as redes outras vezes. Porém, mostrou-se desconcentrado e quis caprichar demais. Everton Ribeiro chegou a fazer o terceiro, mas Isla, autor da assistência, estava impedido e a arbitragem invalidou o tento.

A conduta pouco competitiva do Flamengo nos últimos 45 minutos quase colocou tudo a perder, já que, no final, o Fluminense, que não tinha assustado o goleiro Gabriel Baptista uma vez sequer na etapa final, conseguiu diminuir com Digão. Após cobrança de escanteio, o zagueiro cabeceou livre e reduziu a desvantagem aos 46 minutos. Não havia, porém, tempo para mais nada.

As duas equipes entram em campo no próximo domingo. Às 16 horas, o Fluminense recebe o Corinthians, no Maracanã. Às 18 horas, o Flamengo visita o Ceará no Castelão, em Fortaleza. Os dois jogos são válidos pela décima rodada do Campeonato Brasileiro.

FICHA TÉCNICA
FLUMINENSE 1 X 2 FLAMENGO
FLUMINENSE - Muriel; Calegari, Digão, Luccas Claro e Egídio; Yuri Lima (Yago Felipe), Dodi e Michel Araújo (Caio Paulista); Nenê (Luiz Henrique), Fernando Pacheco (Fred) e Wellington Silva (Marcos Paulo). Técnico: Odair Hellmann.
FLAMENGO - Gabriel Baptista; Isla (Matheuzinho), Rodrigo Caio, Gustavo Henrique e Filipe Luís; Thiago Maia (Michael), Gerson e Diego (Willian Arão); Arrascaeta (Vitinho), Everton Ribeiro (Ramon) e Gabriel. Técnico: Domènec Torrent.
GOLS - Filipe Luís, aos sete, e Gabriel, aos 33 minutos do primeiro tempo. Digão, aos 46 minutos do segundo tempo.
ÁRBITRO - Raphael Claus (Fifa/SP).
CARTÕES AMARELOS - Michel Araújo (Fluminense); Gerson (Flamengo)
PÚBLICO E RENDA - Jogo sem torcida.
LOCAL - Maracanã, no Rio (RJ).
Por Ricardo Magatti, especial para a AE
Estadão Conteúdo

São Paulo e Red Bull Bragantino fizeram um jogo movimentado e ficaram no 1 a 1 na noite desta quarta-feira, no Morumbi, pela nona rodada do Campeonato Brasileiro. O empate impediu o time da capital de assumir a liderança: igualou os 17 pontos do Internacional, que joga nesta quinta contra o Ceará. Já a equipe do interior segue na zona de rebaixamento, com sete pontos.

7c9864ee043c41019d63cda12441c790Foto: Rubens Chiri/São Paulo FC

Apesar da diferença entre os times na tabela, o empate em casa pode ser considerado um bom resultado para o São Paulo, porque o Bragantino desperdiçou duas cobranças de pênaltis. A segunda já nos acréscimos, aos 47 minutos.

Os dois times iniciaram o jogo pressionando a saída de bola adversária. O São Paulo começou melhor e quase abriu o placar logo aos cinco minutos, mas Léo Realpe tirou em cima da linha após cabeçada de Brenner. O Bragantino respondeu rapidamente e assustou em chute de fora defendido por Tiago Volpi.

O São Paulo teve a volta de Reinaldo, desfalque nos últimos dois jogos por suspensão e por estar gripado. Era pelo lado esquerdo que o time criava as melhores chances e Reinaldo chegou a balançar a rede aos 26, mas o gol foi bem anulado porque o chute desviou em Brenner, que estava em impedimento.

Embora tivesse domínio, o São Paulo não conseguia criar chances claras. O Bragantino também não. O cenário do primeiro tempo fez os técnicos mudarem seus times no intervalo. Hernanes entrou para completar seu 300º jogo pelo São Paulo. Paulinho Bóia também foi acionado para dar mais velocidade ao ataque tricolor. Mas foi uma mudança do Bragantino que surtiu efeito: o estreante Raul recebeu dentro da área e chutou, a bola desviou em Diego Costa, enganou Tiago Volpi e entrou.

O São Paulo sentiu o gol sofrido, e o Bragantino teve uma chance de ouro para ampliar e ter mais tranquilidade. Após olhar o vídeo, o árbitro Savio Pereira Sampaio marcou pênalti por causa do toque no braço de Luciano. Claudinho foi para a cobrança e desperdiçou, chutando rasteiro para fora.

Diniz, então, resolveu fazer mais duas substituições. Helinho e Carneiro, teoricamente, dariam mais velocidade e presença de área ao time. O São Paulo passou a ter quatro atacantes em campo para buscar o empate. Mais bagunçado, a equipe tricolor tentava rodar a bola para abrir espaço na defesa adversária.

Foi de um chutão improvável, porém, que o São Paulo chegou ao empate. Léo lançou, o goleiro Cleiton saiu mal e a bola sobrou para Luciano marcar seu quarto gol em sete jogos. Um castigo para o Bragantino, que vinha conseguindo conter os avanços são-paulinos e havia perdido boa chance pouco antes.

O gol de empate deixou o jogo ainda mais agitado. O São Paulo se atirou ao ataque em busca da virada. O Bragantino ficou bem postado, teve boas chances em contragolpes e acertou o travessão de Volpi em cobrança de falta de Artur. O mesmo Artur acertou a trave novamente, desta vez em cobrança de pênalti, aos 47, desperdiçando a chance de o Bragantino sair com a vitória do Morumbi.

FICHA TÉCNICA:
SÃO PAULO 1 x 1 RED BULL BRAGANTINO
SÃO PAULO - Tiago Volpi; Juanfran, Diego Costa, Léo e Reinaldo; Tchê Tchê, Gabriel Sara (Hernanes) e Igor Gomes (Carneiro); Brenner (Helinho), Vitor Bueno (Paulinho Bóia) e Luciano. Técnico: Fernando Diniz.
RED BULL BRAGANTINO - Cleiton; Aderlan, Léo Ortiz, Léo Realpe (Ligger) e Edimar; Ryller, Matheus Jesus (Raul) e Claudinho; Artur, Tubarão (Lucas Evangelista) e Ytalo (Alerrandro). Técnico: Maurício Barbieri.
GOLS - Raul, aos 7, e Luciano, aos 32 minutos do segundo tempo.
CARTÕES AMARELOS - Edimar, Luciano, Lucas Perri, Ryller, Tchê Tchê, Léo.
ÁRBITRO - Savio Pereira Sampaio (DF).
RENDA E PÚBLICO - Jogo sem torcida.
LOCAL - Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP).
Por Guilherme Amaro
Estadão Conteúdo

Destaque do Fluminense na temporada, o atacante Evanilson, de 20 anos, foi vendido para o Porto, de Portugal. O jogador pertencia ao Tombense-MG e é o vice-artilheiro do time carioca no ano, com nove gols em 24 partidas.

819ec52e96b7261ad54ea9ee7f05fc96FOTO DE MAILSON SANTANA/FLUMINENSE FC

O Fluminense informou nesta segunda-feira a negociação. O clube tinha 10% dos direitos econômicos de Evanilson e 20% da taxa de vitrine. Assim, ficará com 30% do valor da transação, que não foi divulgado. O Fluminense ainda ficará com 6% de uma futura negociação do atacante.

"O Fluminense informa ainda que tentou a permanência do atleta até o final do Campeonato Brasileiro, mas o clube português não flexibilizou e exigiu a ida do atleta de forma imediata", anunciou o clube carioca, em comunicado.

Evanilson chegou ao Fluminense em 2013, ainda nas categorias de base. Ele subiu ao profissional no ano passado e começou a se destacar nesta temporada. Em 2019, ele não chegou a um acordo para renovar com o Fluminense e foi registrado pelo Tombense, clube gerenciado por Eduardo Uram, um de seus empresários.

Recentemente, Evanilson recebeu proposta do Crystal Palace, da Inglaterra, além de ter sido sondado por clubes brasileiros. Nesta segunda-feira, chegou a um acordo com o Porto e viaja para Portugal já nesta terça.

Fonte: Estadão Conteúdo

O Grêmio saiu perdendo e buscou empate com Atlético-GO, neste domingo (6), no estádio Olímpico, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro. Com outra atuação inconstante, cheia de erros e pouca criatividade, o time de Renato Gaúcho ficou no 1 a 1. O resultado em Goiânia faz o tricolor chegar a seis jogos sem vitória no torneio. Somando todas as competições, são três partidas sem vencer.

3f378346613d4290892d40ffd08391dbFOTO: LUCAS UEBEL/GREMIO FBPA

Edson abriu o placar para o Atlético-GO no início do jogo. Isaque empatou antes do intervalo. O gol gremista chegou a ser anulado, mas foi validado com a revisão do VAR. No fim do segundo tempo, Geromel recebeu segundo amarelo e foi expulso.

A única vitória do Grêmio no Brasileirão segue sendo sobre o Fluminense, na estreia. De lá para cá, são cinco empates (quatro em sequência) e derrota para o Sport.

O Grêmio soma oito pontos, e o Atlético-GO chega a seis. Na próxima rodada, o Atlético-GO visita o Vasco, e o Grêmio encara o Bahia, também fora de casa. Os dois jogos serão na quinta-feira.

O destaque da partida foi Edson, do Atlético-GO. O volante subiu mais que Diego Souza no escanteio e fez o gol do Atlético-GO. Durante a partida, ajudou a fechar espaços e ditar o ritmo do meio-campo contra o Grêmio.

A atuação do Grêmio em Goiânia foi tão fora da curva que nem a dupla de zaga se salvou. Kannemann e Geromel receberam amarelo por estarem expostos. O argentino saiu antes do fim com lesão, e o capitão recebeu vermelho nos acréscimos por falta em meio ao contra-ataque.

O Atlético-GO dominou a partida no início. A bola parada que encaixou e garantiu o primeiro gol do jogo foi isolada. O Atlético-GO não jogou voltado para isso, mas sim organizado. Tanto que chegou a ter mais posse em vários momentos do duelo. Pecou ao não ser mais profundo, em acelerar e finalizar de longe.

Depois do intervalo, o domínio ficou mais evidente. Com mais tempo de posse, criou chances de dentro e de fora da área. Pecou nas conclusões.

O Grêmio fez jogo lento e sem criatividade. O erro na marcação que permitiu ao Atlético-GO abrir o placar não foi ato isolado.

A atuação gremista foi bastante inócua. Mesmo com a bola por mais tempo, gerou poucas chances. Empatou ainda no primeiro tempo graças à desorganização da defesa adversária. E na etapa final, mudou a postura. Abriu mão da posse e esperou contra-ataque.

Chico quase garantiu a vitória ao Atlético-GO no segundo tempo. Um chute forte que explodiu no travessão. O meio-campista foi um dos destaques do jogo também pela precisão nos passes.

ATLÉTICO-GO
Jean; Dudu, João Victor, Éder, Nicolas; Edson, Marlon Freitas, Chico (Henry Vaca), Gustavo Ferrareis (Mateuzinho); Janderson (Everton Felipe), Renato Kayzer (Iuri). T.: Vagner Mancini
GRÊMIO
Vanderlei; Orejuela, Geromel, Kannemann (David Braz), Cortez; Lucas Silva (Darlan), Matheus Henrique, Alisson (Luiz Fernando), Isaque (Fabrício), Everton; Diego Souza (Robinho). T.: Renato Gaúcho
Estádio: Olímpico, em Goiânia (GO)
Juiz: Ricardo Marques Ribeiro (MG)
Cartões amarelos: Geromel, Kannemann e Diego Souza (Grêmio)
Cartões vermelhos: Geromel (Grêmio)
Gols: Edson, aos 10min do primeiro tempo (Atlético-GO); Isaque, aos 43mi do segundo tempo (Grêmio)

Fonte: UOL/FOLHAPRESS

  • Ada Atten
  • Cabedo
  • Paçoka
  • Med Plan
  • Espeto e Cia