• Garoto
  • Oticas Floriano
  • floriano shop
  • Dalva
  • Paraiba
  • Farmaduty
  • Dario PAX
  • Construforte
  • Posto Aliança
  • Posto Aliança
  • Oticas Floriano
  • Paraiba
  • Garoto
  • floriano shop
  • Dario PAX
  • Farmaduty
  • Construforte
  • Dalva

O Santos teve a chance de colocar um ponto final na crise no Ceará, mas esbarrou em um pênalti perdido pelo atacante Marinho, que escorregou na hora da cobrança.

881152f287914aaa621fe8b20dce452fFoto - Ivan Storti - Santos

Com o empate por 0 a 0, neste sábado, no Castelão, o time da Vila Belmiro completou sete jogos sem vencer (cinco empates e duas derrotas) no Brasileirão. Considerando todas as competição, são nove partidas seguidas sem vitória.

Com 23 pontos, a equipe está apenas dois acima do América-MG, time que abre a zona da degola e que enfrenta o Corinthians neste domingo. A igualdade também foi ruim para o time da casa, que acumula seis jogos sem vitória.

Em seu terceiro jogo, o técnico Fábio Carille ainda não venceu e a equipe não marcou gols sob seu comando. Além do 0 a 0 deste sábado, o treinador que substituiu Fernando Diniz coleciona um empate com o Bahia (0 a 0) e um revés para o Athletico Paranaense na queda na Copa do Brasil (1 a 0).

O empate exemplifica as dificuldades do time fora de casa. No Campeonato Brasileiro, o Santos só conseguiu ganhar da Chapecoense como visitante. Em nove jogos fora de casa, a equipe segurou três empates e sofreu cinco derrotas.

Carille adotou o esquema 3-4-3, promovendo a estreia do zagueiro uruguaio Emiliano Velásquez, ao lado de Danilo Boza e Wagner Leonardo. O time sofreu menos do que vinha sofrendo nos outros jogos. Marinho, Léo Baptistão e Marcos Guilherme formam o trio ofensivo, mas faltava velocidade na transição.

A formação deixou o time encorpado, com mais posse de bola e possibilidade de pressionar a saída de bola. Era um time mais intenso, preocupado com a crise. Mesmo com menor posse de bola, o time da casa foi mais objetivo, finalizando mais.

Mesmo com muita vontade dos dois lados, o jogo foi truncado e fraco tecnicamente, com muitos erros de passe e enorme dificuldade para construção de jogadas de ataque. A necessidade de vitória também pesava no lado emocional.

Na melhor chance do Santos, aos 26 do primeiro tempo, Jean Mota chutou de longe, a bola desviou em Messias, e o árbitro Anderson Daronco marcou pênalti após consulta ao VAR. Marinho desperdiçou a cobrança.

O atacante escorregou na hora da batida, em um lance idêntico ao que ocorreu com o atacante Pedro, do Flamengo, em partida diante do Fortaleza, no mesmo estádio, no Campeonato Brasileiro do ano passado.

Carille tentou deixar o time mais ofensivo ao trocar o lateral Pará pelo atacante Ângelo. Não funcionou. A exemplo do primeiro tempo, as equipes continuaram com dificuldade para criar jogadas de perigo.

O Ceará pressionou na reta final. A melhor chance foi um chute de Gabriel Dias que o goleiro João Paulo espalmou aos 37.

Fonte: Estadão Conteúdo