• Paraiba
  • chopp sabora
  • Dario PAX
  • Posto Aliança
  • Oticas Floriano
  • Garoto
  • Farmaduty
  • Construforte
  • Jorge
  • Jorge
  • Dario PAX
  • chopp sabora
  • Oticas Floriano
  • Farmaduty
  • Paraiba
  • Garoto
  • Construforte
  • Posto Aliança

A vacina brasileira contra a Covid-19 deu um importante passo nesta quinta-feira (13), data em que inicia o primeiro estudo clínico que aplicará o imunizante em 90 voluntários com idades entre 18 e 55 anos de idade. A fase 1 do estudo escolherá, de forma randomizada, a dose mais segura e o regime de dose que estimula resposta durável de anticorpos que neutralizam o organismo contra o novo coronavírus.

6ce3de4bb9220779e626d258f20ee446Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com

"Vamos agora medir a resposta imunológica específica e avaliar a imunidade celular dos participantes", explicou o médico infectologista Roberto Badaró, responsável pela pesquisa e pelo desenvolvimento da vacina, em cerimônia ocorrida na sede do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), em Salvador.

A expectativa do pesquisador é de que a primeira fase do estudo seja concluída em três meses, e que, se tudo der certo, em um ano ou pouco mais a vacina já esteja disponível.

Na fase 2, que terá a participação de 400 voluntários, será testada a eficiência da vacina; e a fase 3 é a da administração em larga escala.
Primeira aplicação.

O primeiro a receber a dose da vacina brasileira foi o técnico de segurança patrimonial Wenderson Nascimento Souza, de 34 anos de idade. A aplicação do imunizante foi feita pelo secretário de Pesquisa e Formação Científica do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (Sepef/MCTI), Marcelo Morales.

Presente na cerimônia, o ministro de Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, disse que o 13 de janeiro de 2022 é um "dia histórico" tanto para a ciência no Brasil como para os brasileiros. "Neste ano do bicentenário da independência do Brasil, damos partida na independência do Brasil na produção de vacinas. Estamos em um ponto de inflexão na história do Brasil", disse, ao destacar o papel de resgate que a ciência teve em vários momentos difíceis da humanidade.

Pontes lembrou que existem três tipos de vacinas, as importadas, as licenciadas e as nacionais, aquelas feitas por cientistas brasileiros. "É importante para o país ter soberania, autossuficiência e independência na produção de itens tão importantes para a vida dos brasileiros", disse.

"Daqui para a frente, a gente pode dizer, de forma reduzida, que se o planeta não pode vender vacinas para o Brasil, o Brasil pode vender vacinas para o planeta", acrescentou.

Vacina
A vacina RNA MCTI CIMATEC HDT é composta de duas partes, que são misturadas antes da aplicação: uma molécula de replicon de RNA (repRNA) e uma emulsão composta por água e um tipo especial de óleo e moléculas magnéticas, chamada de Lion, que ajuda a proteger a molécula do repRNA e faz o transporte até as células alvo.

Uma vez dentro das células, o repRNA é reconhecido como RNA mensageiros pelos ribossomos, que são estruturas que produzem as proteínas, com as instruções trazidas pelo RNA. Os ribossomos fabricam inicialmente o replicon, que gera várias cópias de si mesmo e, depois, as proteínas do coronavírus, que são quebradas em pequenos pedaços e expostas a nosso sistema imunológico. O organismo então identifica os fragmentos como algo estranho e passa a produzir anticorpos contra o novo coronavírus.

Segundo o infectologista Roberto Badaró, a vacina brasileira, que é de terceira geração, apresenta alguns benefícios específicos, como o uso de um número menor de componentes, podendo ser aplicada em doses mais baixas e sem a necessidade de imunizações seguidas. "Poderemos, em um sequenciamento e com a capacidade de sintetizar em uma única proteína as cinco variantes, ter uma vacina com as cinco variantes, no futuro. Portanto, podemos ter a vacina que rotineiramente será utilizada", explicou o médico infectologista.

O desenvolvimento pré-clínico e clínico da vacina tem a participação dos Estados Unidos, Brasil e Índia, por meio de parceria entre as empresas HDT BioCorp. (Estados Unidos), Senai Cimatec (Brasil) e Gennova Biopharmaceuticals (Índia). No Brasil, a parceria conta com o apoio da RedeVírus e com o financiamento do MCTI.

Fonte: Folhapress

Todos os dias o Portal jc24horas recebe o boletim informativo sobre o setor covid e no boletim de hoje(13), a informação de uma alta causou uma felicidade especial. Trata-se do nosso amigo Simião, o Poeta. Confira as palavras de agradecimento do seu filho, que parabenizou a equipe do setor covid do HRTN. Outra boa notícia é que a Cleidiane Pereira, aquela jovem que se emocionou ao ser transferida da UTI para a enfermaria, foi transferida hoje para o Hospital Barjonas Lobão, em sua cidade, Barão de Grajaú-Maranhão.

UTI 07 (01 de Floriano)
Clínicos 09 (03 de Floriano)
Óbitos 00
Alta: Simião Barbosa, 79 anos, Floriano
Alta da UTI p/ Enfermaria 01
Transferida pra outro hospital:Cleidiane Pereira, 33 anos.. transferida para hospital do Barão de Grajaú
Hospital Dia 03

WhatsApp Image 2022 01 13 at 18.13.15

Fonte: Ascom

Os familiares do senhor Francisco Neiva Ferreira, comunicam o seu falecimento ocorrido hoje no Hospital Regional Tibério Nunes em Floriano. O corop está sendo velado em sua residência na Rua Cruzeiro do Sul no bairro Caixa D'água e o sepultamento será amanhã(14) às 07h da manhã no cemitério central São Pedro de Alcântara. Francisco era irmão do Secretário de Infraestrutura Marcony Alisson.

image mini

Da redação

O INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) suspendeu a realização das perícias para revisão do auxílio-doença, em razão do aumento de casos de Covid-19 no país. A decisão foi publicada no Diário Oficial nesta terça-feira (11) e passou a valer a partir de 12 de janeiro.

2d22f922370069ab2c46dab8213b4a12Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com

O INSS e a SPMF (Subsecretaria da Perícia Médica Federal) determinaram a suspensão das perícias "tendo em vista o enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente da pandemia do coronavírus (Covid-19)", segundo o comunicado publicado no Diário Oficial.

Em agosto de 2021, a operação de pente-fino do INSS convocou 170 mil beneficiários do auxílio por incapacidade temporária (auxílio-doença) para a perícia.

Em setembro, o INSS convocou novamente mais de 95 mil segurados, que não haviam sido localizados pelo órgão ou respondido à convocação até então, para agendamento da perícia até 11 de novembro. Mais de 10 mil segurados no estado de São Paulo estavam nessa situação.

A convocação determinava suspensão do pagamento do benefício caso o segurado não agendasse a perícia no prazo ou não comparecesse na data prevista. O pagamento poderia ser cortado definitivamente após 60 dias da suspensão.

A suspensão das periciais revisionais, publicada nesta semana, não vale para os mutirões de perícia médica que já estavam previamente programados e com viagens definidas pela SPMF, segundo o comunicado.

 

Fonte: Folhapress