A dona de casa Maria José da Silva teve toda a sua história de vida trabalhando na agricultura de onde sustentou, educou e formou 08 filhos ao lado do seu esposo João Ferreira da Silva. Reside na localidade Melancias, zona rural da cidade de Nazaré do Piauí e é um exemplo de que nunca é tarde pra aprender e conquistar o tão sonhado diploma de curso superior.

38cbfa72 4959 49e7 acb8 d444c288aa8eDona Maria José e seu filho, advogado e PM João Luis. (Imagem:Divulgação)

 

Após educar todos os filhos, dona Maria José Resolveu estudar e aos 65 anos de idade concluiu o ensino médio mas não parou por aí, prosseguiu em sua jornada em busca do conhecimento e para alegria de todos os seus familiares e acima de tudo exemplo para todos nós, ela foi aprovada no vestibular para pedagogia da UESPi. De todos os seus filhos dois são Cabos da PM lotados no 3º BPM em Floriano. São os Cabos João Luis e Ferreira.

2a93f7c4 6378 4ad3 9f91 4cfe540f2bfc

A Promotoria de Justiça da Comarca de Pio XII, a 270 km de São Luís, ofereceu denúncia contra Francisco de Assis Costa Filho, que foi nomeado pelo presidente Michel Temer para o cargo de secretário nacional de Juventude. A denúncia consiste em peculato, falsidade ideológica, falsificação de documentos e participação em uma organização criminosa responsável por desviar dinheiro dos cofres públicos por meio de nomeações de funcionários fantasmas pagos pelo Município de Pio XII.

f5290759f05aeafb1839798ca49effefSecretário de Michel Temer responderá por peculato.(Imagem:Divulgação)

O Ministério Público diz que Assis Filho exerceu, no intervalo de quatro meses, seis funções na Prefeitura de Pio XII, entre 2014 e 2016. A denúncia mostra que em maio de 2016, Assis Filho aparecia na folha de pagamento do município nos cargos de secretário de Cultura, professor e procurador-geral do município. A denúncia foi feita em janeiro de 2017.

O G1 entrou em contato com a assessoria do secretário e aguarda posicionamento.

Além de Assis Filho, a denúncia aponta 47 pessoas, entre elas o ex-prefeito Paulo Roberto Sousa Veloso, o ex-secretário municipal de Administração, Antonio Roberval de Lima, o ex-secretário municipal de Finanças, Melquizedeque Fontenele Nascimento, a ex-secretária de Educação, Iara Adriana Araujo Portilho, o ex-procurador municipal, Michel Lacerda Ferreira, a ex-primeira dama Lucilene dos Santos Veloso.

O Ministério Público do Maranhão (MP-MA) identificou que a organização criminosa praticava diversos delitos como peculato e falsificação de documentos. A denúncia foi ajuizada pelo titular da Comarca de Pio XII, promotor de justiça Francisco Thiago Rabelo.

O MP colocou também como alvo da denúncia Ana Carulina Veloso Rodrigues, Ana Larissa Lima Veloso, Aparecida Marciely Medeiros, Flor de Maria Bezerra Quaresma, Espedito Firmo de Andrade Junior, Luciana da Silva Nascimento, Pedro Lopes de Oliveira Filho, Camila Atalaia Chagas de Oliveira, Oscioneide Silva e Silva, Agrimar Cavalcante Meira Neto, Ana Scarlett Vieira Veloso, Cristino de Arruda Andrade Filho, Italo Leonardo Mendes de Sousa Feitosa, José de Ribamar Jorge Andrade, Osílio Odilio da Silva, Ana Paula dos Santos Veloso, Thiago Douglas Santos Nascimento, Brenda Araújo Portilho, Dione Sebastiana Sousa Veloso, Romário Inácio da Silva, Jordelia Nascimento Ferreira, Lucelena dos Santos Oliveira, Maria Rosinete Silva Cavalcante, Zaydem Sushy-Yak Cavalcante Lima.

Foram denunciados, ainda, segundo o Ministério Público, Francisco Simão de Lima Neto, Zueriel Felix Bezerra, Haroldo Cláudio dos Santos Dias, Alcilene do Nascimento Santos, Valdeir Lopes Vidal, Filomena Coutinho de Oliveira, Pablo Felipe dos Santos Nascimento, Manoel Oliveira da Silva, Meridiane Sousa Garret, Vilomar da Silva Nascimento, Natália Cristina Carneiro Martins, Marineusa Oliveira Almeida, Denis Sousa Veloso, Espedito Firmo de Andrade, Paulo Gustavo da Conceição Araújo, Plinio Mikael Freitas Fontenele e Joyce Alexandra Melo Veloso.

Investigações

Durante as investigações, a Promotoria de Justiça requisitou à Prefeitura de Pio XII, por três vezes, a lista de todos os funcionários detentores de cargos efetivos, comissionados, temporários e com função comissionada, além de cadastro atualizado e termo de nomeação e contratação, bem como a folha de pagamento dos últimos seis meses.

Com o aprofundamento das investigações, foi requisitada lista específica de 65 funcionários investigados, especificando termo de nomeação e contratação, fichas cadastrais e contracheques.

Ao cruzar os dados, o órgão ministerial detectou que nomes indicados pela Prefeitura como não mais pertencentes ao quadro de servidores ainda constavam na folha de pagamento de maio de 2016.

O ofício encaminhado pelo Executivo afirmou que Ana Carolina Veloso Rodrigues, Ana Larissa Lima Veloso, Aparecida Marciely Medeiros, Flor de Maria Bezerra Quaresma, Espedito Firmo de Andrade Junior, Luciana da Silva Nascimento, Pedro Lopes de Oliveira Filho, Camila Atalaia Chagas de Oliveira e Oscioneide Silva e Silva não faziam mais parte dos quadros da administração.

Funcionários fantasmas

“Não se juntou qualquer ato de exoneração dos suspeitos e, todos, ainda, estavam na folha de pagamento de maio de 2016”, afirmou, na denúncia, o representante do MP. O promotor de justiça destacou também que “a todo momento o representante municipal tentou ludibriar este órgão ministerial, apresentando respostas incompletas ou omissas”.

Francisco Thiago Rabelo destacou que, diante da má-fé dos gestores, realizou-se a operação “Descarrego”, com quatro buscas e apreensões em diversos órgãos municipais e na residência do secretário de Finanças de Pio XII, onde foram obtidas várias provas de existência de funcionários fantasmas, incluindo portarias de nomeação, folhas de pagamento, contratos e outros documentos.

Segundo Rabelo, no decorrer da investigação, o MP conseguiu configurar a existência de uma quadrilha organizada com um único objetivo: desviar dinheiro público em nome do nepotismo, do apadrinhamento político e para a formação de um curral eleitoral. “São diversas pessoas, muitos parentes, detentores de cargos e funções públicas, recebendo salários de todos os valores, variando desde um salário-mínimo até R$ 5 mil”.

Apurou-se que a maioria das pessoas era incluída na folha de pagamento sem ter sido realizado contrato ou termo de nomeação, ou, achava-se com um cargo e depois mudava para outro, sem qualquer critério para contratação/exoneração.

“Quando o Ministério Público começou a investigar e a requisitar informações, os ex-gestores de Pio XII passaram a fabricar portarias, termos de nomeação e contratos, com datas retroativas”, destacou o representante ministerial.

A fraude foi confirmada por uma testemunha que trabalhava diretamente com o secretário de Administração, Antônio Roberval de Lima. Ela afirmou que fazia as documentações e providenciou portarias, em junho de 2016, com data retroativa a 2013 por ordem do secretário.

Entre os documentos apreendidos durante a operação “Descarrego”, dentro da Secretaria de Administração, está um papel manuscrito junto com diversas portarias, termos de nomeação com uma liga com a frase “documentos que não vão para promotoria, faz parte dos 65”.

Organização criminosa

Paulo Roberto Sousa Veloso – o ex-prefeito de Pio XII é quem tinha o controle direto de todos os atos ilícitos mencionados na denúncia. Ele assinava as portarias, termos de posse, contratos, determinava a inclusão/exclusão na folha de pagamento, aumento/diminuição de salários, tudo em nome do interesse político e do nepotismo.

Lucilene dos Santos Veloso – era a primeira-dama de Pio XII e, ainda, diretora da divisão de promoção social. Também tinha influência direta sobre a folha de pagamento municipal.

Antonio Roberval de Lima – o ex-secretário de Administração era o chefe da pasta, possuindo controle direto das pessoas lotadas naquela secretaria. Tinha três familiares naquele órgão, esposa e filhos, que recebiam mensalmente sem exercer as atividades para as quais foram nomeados.

Iara Adriana Araujo Portilho – a ex-secretária de Educação tinha controle direto das pessoas lotadas naquela pasta. Tem uma filha que reside na Bolívia e recebia, mensalmente, como assessora da Prefeitura de Pio XII.

Melquizedeque Fontenele Nascimento – o ex-secretário de Finanças era quem tinha o controle direto das operações relativas à folha de pagamento. Por interesse próprio ou ordem do prefeito, incluía ou excluía funcionários da lista de pagamento.

Michel Lacerda Ferreira – o ex-procurador do município praticou atos capazes de atrapalhar o desenvolvimento da investigação do inquérito civil instaurado pelo MP em 2016, tendo total ciência dos atos ilegais praticados.

Nepotismo e fraude

Segundo Francisco Thiago, dentre os diversos casos de favorecimento de parentes e fraude nos pagamentos estão os familiares do ex-prefeito Paulo Roberto Sousa Veloso. “É o mentor intelectual dos crimes narrados. Unicamente para fins pessoais e em nome do interesse político promovia a farra nas contas públicas incluindo funcionários fantasmas, parentes, ou não, mas, certamente, apoiadores políticos na campanha eleitoral de 2012”, afirmou o promotor de justiça.

A empregada doméstica do ex-gestor, em depoimento ao MP, foi nomeada como assessora da Secretaria de Administração, em 1º de novembro de 2015. Questionada sobre os documentos obtidos pelo MP, que comprovam sua posse em um cargo público e a inclusão de seu nome na folha de pagamento, a testemunha respondeu que, por ordem de Veloso, assinou os documentos e teve que abrir uma conta bancária, mas nunca recebeu o cartão para movimentar a conta, onde era depositado o valor de R$ 2.400 mil. Enquanto isso, ela recebia o salário de R$ 500 como empregada doméstica.

Ana Carolina Veloso, sobrinha do gestor, morava em São Luís e recebia salário de R$ 2.200 mil. Outra sobrinha dele, Larissa Veloso, reside em Assunção, no Paraguai, onde estuda Medicina e recebia salário de R$ 2.510 mil.

Fonte: G1

Considerado de segurança máxima, a penitenciária Gonçalo de Castro Lima conhecida popularmente como Vereda Grande, vem passando por reformas em suas instalações visando dar mais segurança e conforto para os profissionais que trabalham naquele estabelecimento prisional.

59b5aa9a 481e 4a36 91e1 52ff557d48a9 "Ampliação do muro e cerca elétrica na VG. (Imagem:Divulgação)
Na manhã desta quarta-feira, o diretor Edilson Mousinho anunciou em entrevista ao jc24horas que dentre os trabalhos de reforma, destaca-se a elevação do muro e instalação de cerca elétrica para evitar ou quem sabe, impedir de vez que detentos fujam como já aconteceu em datas anteriores.
Ao fazer uma avaliação dos seus dois meses a frente da administração do presídio, o nosso entrevistado disse que tiveram conquistas relevantes como por exemplo a viatura para transporte de presos que conta com circuito de câmeras com áudio para acompanhar as ações dos presidiários enquanto são transportados para audiências ou transferências, fatos que ocorrem com frequência no dia a dia de um presídio.

 

Da redação

As exportações de carne bovina do Brasil sofreram fortemente em março efeitos da eclosão da operação Carne Fraca, da Polícia Federal, mas a rápida suspensão de embargos pelos principais importadores sinaliza que os embarques previstos para 2017 não serão afetados, afirmou nesta terça-feira (28) Antonio Camardellio, presidente da associação que representa o setor, Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), .
Entretanto, muitos processos para abertura de novos mercados à carne do Brasil, líder global na exportação, deverão ser impactados, acrescentou ele.
"Volume e receita talvez não modifique, mas em relação ao processo de imagem e o que tínhamos galgado em relação a novos mercados, tínhamos várias negociações andamento... Dificulta um pouco a abertura de novos mercados, como Coreia do Sul, Japão e Taiwan", disse Camardelli à Reuters.
A Abiec estima que exportações de carne bovina do Brasil deverão crescer cerca de 7% em 2017 para 1,5 milhão de toneladas. Em faturamento, a previsão para este ano é de US$ 6 bilhões, ante US$ 5,5 bilhões em 2016.
Entre os principais exportadores de carne bovina do Brasil estão empresas como JBS, Marfrig e Minerva.
A declaração de Camardelli ocorreu após Hong Kong, um dos maiores importadores de carnes do Brasil, ter anunciado nesta terça-feira a suspensão de embargos ao produto brasileiro.
Juntamente com a China, que suspendeu a proibição no último sábado, Hong Kong comprou quase um terço dos US$ 14 bilhões em exportações de carnes (bovina, suína e de frango) realizadas pelo Brasil no ano passado.
Segundo Camardelli, as exportações caíram mais de 40% em receita e volume na semana de 20 a 26 de março, ante o período anterior, como consequência de embargos declarados por consequência da operação da PF que investiga pagamentos de propinas a fiscais agropecuários da indústria de carnes.
Camardelli avalia que os embarques em abril já deverão se recuperar, com muitos contêineres de carne que ficaram represados nos portos sendo liberados, após o governo brasileiro ter conseguido suspender os embargos dos principais países importadores.
"Em março, a exportação vai ser afetada, mas a expectativa que se tem é que obrigatoriamente, no decorrer dos próximos dias, os contêineres retidos seguramente vão ser deslocados ao seu destino natural. Então vamos ter um resultado melhor nas primeiras semanas de abril", declarou ele.
Após o anúncio da operação em 17 de março, o governo brasileiro bloqueou exportações das 21 frigoríficos citados no caso. Assim, o país deve usar outras fábricas liberadas para realizar seus embarques.

raiox frigorificosExportações de carne pelo Brasil (Foto: Arte G1)

 

Fonte:G1

  • Ada Atten
  • Cabedo
  • Blossom
  • Espeto e Cia
  • Paraiba