O empresário que vendeu ao senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) uma loja de chocolates da franquia Kopenhagen afirmou, em depoimento ao Ministério Público do Rio (MP-RJ), que sofreu ameaças ao tentar denunciar que a unidade do filho do presidente Jair Bolsonaro fraudava notas fiscais. A informação foi revelada nesta quinta-feira, 13, pelo Jornal Nacional, que teve acesso ao documento.

f1f12722352607f146677211aca8793fFoto: Jane de Araújo/Agência Senado

De acordo com o depoimento de Cristiano Correia Souza e Silva, a unidade da franquia pertencente a Flávio, localizada em um shopping na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, vendeu produtos por um valor menor do que o preço tabelado pela marca. Panetones, por exemplo, que deveriam custar R$ 100, foram vendidos por R$ 80 no Natal de 2016.

Cristiano denunciou a prática à matriz, que, segundo ele, realizou um procedimento de fiscalização, no qual constatou que as notas fiscais eram emitidas com o preço cheio, mas o cliente pagava um valor menor do que o registrado.

Procurado pelo Estadão, o grupo CRM, detentor da marca Kopenhagen, confirmou que a unidade sofreu advertência e multa pela infração contratual. "O Grupo CRM apurou o caso e, tendo constatado por meio da sua Diretora Comercial à época, que de fato a loja estava praticando uma promoção não autorizada, o franqueado foi imediatamente notificado, advertido e multado de acordo com as cláusulas previstas em contrato", disse o grupo.

Após denunciar o caso, Cristiano Correia Souza e Silva relatou que ele e sua mulher sofreram ameaças do sócio de Flávio Bolsonaro na unidade, Alexandre Santini, por meio de mensagens, segundo mostrou a reportagem do Jornal Nacional. Ele afirmou ao MP que registrou ocorrência policial, mas deixou o caso de lado por medo.

A loja de Flávio é alvo de investigação de lavagem de dinheiro. Uma das hipóteses em apuração pelo Ministério Público é de que a franquia no shopping tenha sido usada para lavar recursos públicos ilegalmente desviados no suposto esquema de "rachadinha" na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). Documentos obtidos pelo MP também mostram que a loja recebia mais dinheiro vivo que a média das franqueadas.

O Estadão procurou Flávio Bolsonaro por meio de sua assessoria de imprensa. O senador não negou as acusações nem forneceu explicações sobre os motivos que teriam levado sua loja a fraudar as notas fiscais emitidas. Flávio falou em "alucinação de alguns promotores do Rio em persegui-lo", e disse que, "com isso, buscam atacar sua imagem pública, uma vez que, processualmente, não há nada mais que eles possam fazer."

O senador disse ainda esperar que o procurador-geral de Justiça do MP/RJ, Eduardo Gussem, "não prevarique e instaure, imediatamente, procedimento para apurar conduta criminosa desses pouco promotores de injustiça por violação de sigilo profissional, uma vez que o processo deveria correr em segredo de justiça, mas é insistentemente, trazido a público, inviabilizando a defesa do Senador dentro do devido processo legal e do contraditório".

 

Fonte: Cidade Verde.

O Governo  do Estado anunciou nesta quinta-feira (13) que já estará nas contas dos servidores estaduais nesta sexta-feira, a segunda parcela do 13º salário que só deveria ser paga no dia 21 de agosto. A antecipação do pagamento de dezembro para agosto foi anunciada na semana passada pelo governador Wellington Dias e o secretário de Fazenda, Rafael Fonteles. 

ed2bf14a dcfe 49af 9a89 58d5d9bdcd3e 200c1f41 aff3 42fd abdd ea0a67e6a9c8Rafael Fonteles e Wellington Dias - Foto: Divulgação

A medida injetará mais de R$ 200 milhões na economia do Piauí já nesta semana. A segunda parcela do décimo terceiro salário estava prevista para ser paga apenas no dia 21 de dezembro, conforme a tabela divulgada no ano passado.

Segundo o governador Wellington Dias, a antecipação é possível graças às medidas administrativas adotadas e à organização financeira do Estado. "Fizemos o dever de casa. Numa situação delicada de pandemia, trabalhamos para o equilíbrio e hoje estamos colhendo frutos. A antecipação do 13° vai proporcionar a movimentação da economia e somada a outras ações tem por objetivo contribuir com esse momento de retomada de atividades" afirma o governador.

Para o secretário de Fazenda, Rafael Fonteles, a antecipação é extremamente importante para essa retomada econômica. “Isso representa uma injeção de recursos para esse início de retomada das atividades do comércio e do setor de serviços. E essa medida também beneficia os próprios servidores, uma vez que podem antecipar compras e quitar eventuais dívidas”, afirma o secretário da Fazenda do Piauí.

De acordo com Rafael Fonteles, planejamento, medidas econômico-fiscais e a organização financeira do Estado permitiram essa antecipação da segunda parcela do décimo terceiro de dezembro para esse mês de agosto. A primeira parcela do 13º salário continua sendo paga na data do aniversário do servidor.

 

Fonte:Meio Norte.

 

O governador Wellington Dias se reuniu, nesta terça-feira (11), com o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, em Brasília, para discutir pautas de abrangência federativa. Dentre elas, a construção de um plano de ação para o processo de vacinação contra o novo coronavírus, assim que uma vacina esteja disponível para aplicação em território brasileiro.

763ff899 b2f8 46ec 8566 d8b89223eb64 90875221 8cd6 49ab 9380 7617a8a5f956Wellington Dias e Ibaneis Rocha / Crédito: Divulgação

“Nós temos estudos voltados para a produção de vacinas que estão em estágio avançado em Oxford, na Inglaterra e em outros laboratórios na China e na Rússia. O objetivo é de que as 27 unidades da federação, juntamente com os municípios e o Governo Federal, possam estabelecer um planejamento que contemple toda a cadeia desta etapa, desde aquisição desta vacina, o processo de validação que passa pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e a aplicação, tendo como base experiências positivas que temos experienciado nos últimos anos, como no caso da Influenza”, explicou Dias.

Na oportunidade, os chefes dos executivos dos dois estados também discutiram a liberação de recursos anunciados para o combate à pandemia de Covid-19 e que são basilares para o financiamento das políticas de saúde pública até o final de 2020. “É bom lembrar: a pandemia não acabou e a necessidade da manutenção de leitos de UTI continua. O governador Ibaneis me mostrava que, em Brasília, 79% dos leitos de terapia intensiva estão ocupados. No Piauí, são 55%. Ou seja, mantém-se um custo e há a necessidade de se ter aquela parte que foi vetada de R$ 8,6 bilhões”, conclui.

Antes do fim do encontro, os governadores trataram sobre a tramitação do Projeto de Lei Complementar (PLP) 149/2019, nominado de Plano Mansueto, após modificações no entendimento dentro do Congresso Nacional e da União. O PLP tem por objetivo legislar sobre o refinanciamento de dívidas de estados e municípios com a União. Os entes federativos buscam a desburocratização do setor de operações de crédito, em um momento em que o Brasil necessita aplicar investimentos para a retomada da economia.

 

Fonte: Meio Norte

 

O deputado Fábio Novo (PT), que será o representante da gestão do PT na disputa pela Prefeitura de Teresina, reagiu às críticas feitas pelo senador Ciro Nogueira (Progressistas) à gestão do governador Wellington Dias. À coluna, Novo elencou situações que, segundo ele, mostrariam que Ciro já tinha posição de adversário mesmo estando dentro do governo. 

fabio novo okFoto: RobertaAline/CidadeVerde.com

Fábio Novo questiona as atitudes do senador e lembra que ele já esteve com o ex-presidente Lula e agora faz parte do governo Bolsonaro.

“O Ciro Já esteve com a Dilma, traiu. Esteve com o Lula, traiu. Em entrevista de 2017 ele diz que o Bolsonaro é fascista e diz que o Lula é o melhor. É muita dança de cadeira. Ele tem todo direito de fazer as articulações que deseja. Agora sair falando mal de um governo que ele participou, isso é ruim. Tem uma estratégia. Se você observar o pós-eleição, o Ciro já tinha rompido com o governo. Uma semana depois que o PT ajudou na eleição dele, faz carta fazendo duras críticas ao governo. Depois tiveram áudios vazados do senador onde diz que vai derrotar o governador, que tem pesquisas que diziam que governador, se for candidato a senador, não seria reeleito. Depois tem outras reuniões, vazadas também, que mostram que ele monta uma estrutura e um e deixa claro que quer esse palanque separado do PT. Quer confrontar o PT. Isso não é comportamento de aliado”, afirmou Novo.

Segundo o deputado, Ciro já vinha montando palanques contra o PT nas principais cidades do estado. Novo lembra que na capital, o Progressistas é o principal aliado do prefeito Firmino Filho (PSDB).

“É o comportamento de alguém que se encontra dentro do governo. O certo seria dizer que iria sair. Claramente montou estratégia para derrotar o governo. O certo seria dizer que não quer mais fazer parte do seu projeto. A partir de hoje vou seguir meu caminho. É mais coerente. Depois de tudo isso, ele faz reaproximação com Bolsonaro. Há dois anos ele disse que era fascista. Isso é muito ruim. Ele tem o direito de seguir o seu caminho. Na capital ele estás aliado a Firmino. Ficou claro que ele montou palanques nas principais cidades contra o nosso partido”, destacou.

Para Fábio Novo, as críticas ao governo não são éticas. “Já participei de governos de outros partidos e acho que não é ético quando você deixa o governo e sai falando mal. Não vai me encontrar falando mal do governo de Wilson Martins porque participei. Até ontem você era bom. Hoje já não presta mais. Não é cabível essa crítica. Vou continuar de forma coerente”, comentou.

 

 

Fonte: Cidade Verde.

  • Ada Atten
  • Paçoka
  • Cabedo
  • Espeto e Cia
  • Med Plan