• Paraiba
  • chopp sabora
  • Dario PAX
  • Posto Aliança
  • Oticas Floriano
  • Garoto
  • Farmaduty
  • Construforte
  • Jorge
  • Jorge
  • Dario PAX
  • chopp sabora
  • Oticas Floriano
  • Farmaduty
  • Paraiba
  • Garoto
  • Construforte
  • Posto Aliança

O ex-ministro da Justiça e ex-juiz Sergio Moro deve se filiar ao Podemos em evento marcado para o próximo dia 10 de novembro, em um centro de convenções de Brasília. A informação foi antecipada pelo site O Antagonista e confirmada pela Folha de S.Paulo.

8f93100c8b63f238cff37009d0f109dcFoto: Marcos Correa/PR

A princípio, a filiação ainda não deve confirmar a candidatura do ex-responsável pela Operação Lava Jato à Presidência no ano que vem, embora dirigentes do partido afirmem que referências nesse sentido serão inevitáveis.

No início do mês, Moro, que vive em Washington (EUA), esteve no Brasil para uma rodada de conversas políticas, quando deixou encaminhada sua filiação ao partido.

Ele tem contrato até o final do ano com a empresa de consultoria em compliance Alvarez & Marsal, e não deve renovar o vínculo, para se dedicar à política.

O partido ainda estuda fazer outros eventos de filiação para o ex-juiz. Seria uma espécie de reentrada de Moro na atividade política, que deixou de forma ruidosa ao romper com o governo de Jair Bolsonaro em abril do ano passado.

Ele deve ser contemplado com um cargo na direção do Podemos, embora provavelmente seja algo mais de caráter simbólico do que uma função executiva. A legenda é presidida pela deputada federal Renata Abreu (SP).

Caso confirme sua candidatura presidencial, Moro deve engrossar o campo da "terceira via", que se situa entre Bolsonaro e Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Ele tem conversado com outros pré-candidatos, como o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (União Brasil).

Outra hipótese é Moro tentar o Senado pelo Paraná, como forma de defender o legado da Lava Jato na campanha. Nesse caso, no entanto, o senador Alvaro Dias, também do Podemos, teria de abrir mão de buscar a reeleição.

 

POR FÁBIO ZANINI
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)

O vereador Evandro Hidd afirmou nesta terça-feira (19) que o PDT avalia lançar candidatura majoritária no Piauí. A sigla quer lançar um nome para disputar o governo do estado e outro para o cargo de senador.

3244ca517e7231dc185888b14b505426Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com

“Trataremos de política a nível nacional, da candidatura de Ciro Gomes, da política local, dos caminhos que o PDT está percorrendo aqui no estado do Piauí nas chapas de deputado estadual e federal. Também do direcionamento e alinhamento do partido a nível estadual e ainda estamos tentando, sim, uma candidatura majoritária a Governo e a Senado”, explicou.

Segundo o vereador, essas questões serão discutidas em uma reunião com o presidente nacional do partido Carlos Lupi que acontecerá na quarta-feira (20) em Brasilia.

No encontro, que também contará com a presença do ex-prefeito Chico Leiota, Evandro Hidd e Carlos Lupi também devem avançar nas discussões sobre à presidência da sigla no estado.

 

Fonte:cidadeverde.com

Dando sequência ao quadro de política do jc24horas, entrevistando pessoas que pretendem ocupar um cargo eletivo e para isso, projetam articulações na condição de pré-candidatos. Depois de ter entrevistado o Prefeito de Floriano Joel Rodrigues, nossa reportagem conversou com o médico Marcus Vinícius, que pretende ocupar uma das 30 vagas na Assembleia Legislativa do Piauí.

WhatsApp Image 2021 10 15 at 08.24.13 1Dr Marcus Vinícius. (Imagem: Temístocles Filho/jc24horas)
Nossa primeira pergunta ao médico e empresário foi sobre a conciliação do tempo para exercer a missão parlamentar com a de profissional de saúde. Perguntamos se uma vez eleito deputado estadual, a população não corre o risco de ganhar um representante e perder um médico bastante conceituado como é o caso dele. "Um político e um médico se parecem. Os dois mexem com gente". Disse o nosso entrevistado.
Nós lembramos ao pré-candidato que nossa cidade há muito tempo não elege um representante a nível estadual e perguntamos como ele pretende modificar esse histórico de Floriano. Em resposta, ele lembrou nomes de sua família que durante o exercício dos seus respectivos mandatos, deixaram suas marcas, como por exemplo o saudoso médico ,ex-prefeito e ex-deputado Adelmar Pereira. Confira a entrevista na íntegra.

Da redação

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) respondeu nesta quinta-feira (14) à fala do também presidenciável Ciro Gomes (PDT) de que o petista teria conspirado pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

discurso2Foto:Arquivo/Cidadeverde.com

A fala de Ciro na quarta-feira (13) desencadeou um bate-boca com Dilma no Twitter, apesar de o pedetista ter sugerido uma trégua com o PT em nome do impeachment de Jair Bolsonaro.
Membros de PT e PDT minimizaram o efeito da nova briga sobre a formação de uma frente ampla, mas o episódio afastou ainda mais as alas da esquerda. Nesta quinta, Lula rebateu Ciro, que respondeu logo em seguida.

"Eu não vou falar do Ciro. O que ele fez ontem [quarta-feora] foi tão banal, foi tão grosseiro, que às vezes eu fico pensando, como Jesus Cristo na cruz dizia: 'Pai, perdoai os ignorantes, eles não sabem o que fazem'", disse Lula à rádio Grande FM de Dourados (MS).

"Eu às vezes fico pensando, não sei se o Ciro teve Covid ou não, mas me disseram que quem tem Covid tem problemas de sequelas, alguns têm problema no cérebro, de esquecimento, eu não sei. Mas não é possível que um homem que pleiteia a Presidência da República possa falar as baixarias que ele falou ontem", continuou o ex-presidente.

"Eu só lamento profundamente que seja assim. Eu só não sei o que ele está querendo, mas quem planta vento colhe tempestade", completou o petista.

Ciro teve Covid em outubro de 2020. Segundo divulgou na época, após apresentar sintomas leves de gripe, o pedetista fez o teste e teve resultado positivo.

O pedetista enviou à reportagem uma nota de resposta a Lula, afirmando não ter tido sequelas.

"Já tive [Covid] em outubro do ano passado. Estou bem e não fiquei com sequelas. Mas trágico mesmo seria ter uma sequela moral, como a do notório Lula, que com este comentário infame acaba de agredir milhões de mortos e sobreviventes da Covid", afirmou Ciro.

Na nota, o pedetista volta a lembrar as reuniões de Lula com nomes do MDB, algo que para ele evidencia a conspiração de Lula pelo impeachment de Dilma.

"Agora, sem zuada, gritaria ou fuga pseudo-engraçada, [Lula] pode explicar ao povo brasileiro o acordo com Renan [Calheiros. MDB], Eunicio [Oliveira, MDB], Jucá [MDB], Geddel [MDB], Eduardo Cunha [MDB] e Sergio Cabral [sem partido] para assaltar de novo o Brasil?", segue Ciro.

Também nesta quinta, Ciro divulgou um vídeo em que comenta a discussão com Dilma e volta a criticar o PT, mais especificamente "a corrupção do governo Lula e a incompetência do governo Dilma".

Segundo Ciro, após o que chamou de "cutucada", o PT revelou medo, arrogância e hipocrisia.

"Eu disse de passagem, numa entrevista, que vendo os fatos de trás para diante, tenho hoje a convicção de que Lula foi um dos principais responsáveis pela queda de Dilma. Disse também que os principais responsáveis por essa pavorosa tragédia que nos ameaça hoje, esse governo criminoso de Bolsonaro, foram a corrupção e a incompetência do PT", disse o pedetista.

"Os cães raivosos silenciaram quanto a esta última denúncia, que eles, aliás, nunca conseguem responder. E tentaram fazer com que o mundo desabasse sobre mim", continuou.

Segundo Ciro, Lula desestabilizou Dilma de forma consciente e inconsciente, ao lotear "o governo com os personagens mais corruptos da história do país" e definir que Michel Temer (MDB) seria vice-presidente.

"Lula fez isso muito especialmente quando, na ânsia de impedir a reeleição de Dilma, transformou seu famoso instituto num antro de intriga e conspiração. [...] Ele ajudou a queda de sua ex-protegida por egoísmo, imprudência e uma sequência indesculpável de movimentos erráticos. O egocentrismo político sempre foi e continua sendo a característica mais marcante de Lula", afirma Ciro no vídeo.

Ele diz ainda que Dilma o agrediu duramente e recebeu o troco, mas voltou atrás ao dizer que não se arrepende de ter lutado contra o impeachment. "Nunca me arrependerei de defender a democracia."

Ciro também afirma que, se eleito em 2022, Lula pode reeditar o petrolão e o mensalão. "Com toda cegueira, oportunismo e soberba, ele já começa a fechar acordos com esses mesmos personagens sombrios do passado", diz.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo nesta quarta (13), Ciro fez duras críticas ao PT e responsabilizou Lula e Dilma pela eleição de Bolsonaro -inaugurando um novo capítulo na história recente de afastamento entre Lula e o pedetista.

"Hoje eu estou seguro que o Lula conspirou pelo impeachment da Dilma", disse Ciro. "Eu atuei contra o impeachment e quem fez o golpe foi o Senado Federal. Quem presidiu o Senado? Renan Calheiros. Quem liderou o MDB nessa investida? O Eunício Oliveira. Com quem o Lula está hoje?", questionou, mencionando interlocutores do petista.

As falas vêm após a proposta de Ciro de "uma trégua de Natal". Depois de ter sido vaiado e alvo de pedaços de pau na manifestação pelo impeachment no dia 2, o pedetista declarou à imprensa que era preciso acalmar os ânimos das militâncias e promover entendimento em torno do impeachment de Bolsonaro.

Dilma respondeu no Twitter. "Ciro Gomes está tentando de todas as formas reagir à sua baixa aprovação popular. Mais uma vez mente de maneira descarada, mergulhando no fundo do poço. O problema, para ele, é que usa este método há muito tempo e continua há quase uma década com apenas um dígito nas pesquisas", disse a ex-presidente.

"Na vida nunca menti. Mas errei algumas vezes. Uma delas quando lutei contra o impeachment de uma das pessoas mais incompetentes, inapetentes e presunçosas que já passaram pela presidência. Claro, que estou falando de você, Dilma", respondeu Ciro.

O pedetista tuitou ainda que Lula foi um dos maiores responsáveis pela desestabilização de Dilma e que os dois "se merecem".

Dilma voltou a tuitar, afirmando que Ciro tem "enorme presunção" e que sua visão é "misógina".

"Para além disso, Ciro sistematicamente distorce os fatos. E, nisso, não se difere em nada de Bolsonaro. Ambos adoram quando os alvos de suas agressões reagem. Precisam disso para obter likes e espaço na mídia. [...] Lamento ter, em algum momento, dado a Ciro Gomes a minha amizade", publicou a ex-presidente.

 

Fonte:Folhapress