• Dario PAX
  • Oticas Floriano
  • Farmaduty
  • Garoto
  • Posto Aliança
  • Oticas Floriano
  • Posto Aliança
  • Garoto
  • Farmaduty
  • Dario PAX

Em visita à cidade de Floriano o Empresário e ex-candidato a Governador Fábio Servio, faz um breve relato da conjuntura política atual e explanou alguns assuntos de interesse do município de Floriano. 

WhatsApp Image 2019 04 01 at 08.50.32

As informações com foto foram repassadas pelo líder político Leandro Antão, apoiador da candidatura de Fábio sérvio e Jair Bolsonaro em nossa cidade e região. Presentes ao encontro líderes como o Radialista Ribamar dos Santos, dentre outros.

Na tarde desta quinta-feira, 28, o ex-senador João Vicente Claudino reuniu os deputados estaduais Nerinho e Janainna Marques, prefeitos e lideranças políticas filiadas ao PTB para formação da nova executiva do partido no Piauí. O encontro confirmou apoio ao retorno de JVC à presidência do PTB. O próximo passo será a formalização da mudança junto à direção nacional, prevista para o início de abril.

jvc46Foto: Instagram/Manoel Portela Filho

 

Fonte:cidadeverde.com

O MDB e o PT vivem um clima tenso na Assembleia Legislativa do Estado, devido à discussão sobre o critério para a formação da composição do governo de Wellington Dias (PT). Os partidos discordam sobre o critério e já houve troca de farpas públicas.

3a4c59ccbe7637c321e046439a4e96e0Foto:RobertaAline/CidadeVerde.com

Para o presidente da Assembleia Legislativa do Estado, deputado Themístocles Filho (MDB), não pode haver “sangria desatada”. O emedebista pede paciência aos partidos que fazem parte da base aliada do governador Wellington Dias.

“Não se pode ter agonia. Não se pode ter sangria desatada. Tem que deixar para o momento certo. Na hora certa. Os deputados precisam se preocupar com problemas de estradas barragens e outros problemas que estão acontecendo no Estado. Essa questão se resolve no seu devido tempo. Na sua devida hora. Não precisa tanta agoniação”, disse.

Themístocles Filho nega que a declaração seja uma alfinetada em algum deputado da base aliada. “Isso não é alfinetada em ninguém. Tudo na vida tem a hora de acontecer”, destacou.

A polêmica foi acirrada após o deputado, Franzé Silva (PT), afirmar que o PT quer que o critério seja o número de votos dos partidos. Já o MDB, quer que o partido com a maior bancada na Assembleia Legislativa do Estado tenha preferência na distribuição dos cargos. Para o presidente da Assembleia Legislativa do Estado, deputado Themístocles Filho (MDB), não pode haver “sangria desatada”. O emedebista pede paciência aos partidos que fazem parte da base aliada do governador Wellington Dias.

“Não se pode ter agonia. Não se pode ter sangria desatada. Tem que deixar para o momento certo. Na hora certa. Os deputados precisam se preocupar com problemas de estradas barragens e outros problemas que estão acontecendo no Estado. Essa questão se resolve no seu devido tempo. Na sua devida hora. Não precisa tanta agoniação”, disse.

Themístocles Filho nega que a declaração seja uma alfinetada em algum deputado da base aliada. “Isso não é alfinetada em ninguém. Tudo na vida tem a hora de acontecer”, destacou.

A polêmica foi acirrada após o deputado, Franzé Silva (PT), afirmar que o PT quer que o critério seja o número de votos dos partidos. Já o MDB, quer que o partido com a maior bancada na Assembleia Legislativa do Estado tenha preferência na distribuição dos cargos.

 

Fonte:cidadeverde.com

Os partidos aliados da base do governador Wellington Dias (PT) começam a entrar em conflito pela participação no novo secretariado. A discussão na base aliada teve início após o deputado, Franzé Silva, afirmar que o PT não abre mão que o critério seja o número de votos total no pleito de 2018.

e4097c951b332327550e1173c1bac273
Segundo ele, o partido do governador teve a maior votação -350 mil votos – e foi fundamental para a reeleição do governador. Com isso, merece um espaço maior no governo.

“O governador vai ouvir cada uma das agremiações que fizeram a eleição ser vitoriosa em 2018. Temos que ter um critério. Não vai ser de quem grita mais levar cargos A ou B ou ter privilégios. Tem que haver um critério. Nossa linha de raciocínio dentro do PT é o critério do voto. Quem votou no governador. O Dentro da eleição no Estado, o partido mais votado foi o PT. Foram 350 mil votos muitos fidelizados. A fidelização do voto da bancada do PT. Não aconteceu 100% nas outras agremiações. Casos de pessoas que dentro da composição, mas que tinham lideranças do interior pedindo votos a outro candidato. O PT foi 100% direcionado a votos ao PT”, afirmou.

O PT defende que os partido com lideranças infiéis tenham peso menor na hora da divisão dos cargos. “Quando se diz que tivemos mais de 300 mil votos e foram fidelizados ao governador queremos colocar isso na mesa do governador. Quem votou no governador e quem mais teve peso a sua vitória. Essa é a linha de argumentação do PT. Queremos que o PT tenha espaço proporcional ao que colaborou para a vitória. Se o PT fidelizou 100% dos seus candidatos votando no governador, queremos colocar isso na mesa de negociação. Somos o partido com mais votos que integram a coligação”, afirmou.

c125c4ad7a3412f9673b8e04a0acac62 1
O deputado João Madison (MDB) reagiu ao critério defendido pelo PT. Segundo ele, o partido9 do governaodr quer todos os cargos. Ele lembra que na Assembleia quem tem peso maior é o MDB.

“Vamos dialogar com o governador. Não é com o Franzé e nem com o Limma. Isso quem vai fazer é o deputado Marcelo Castro e também o deputado, Themístocles Filho (MDB). Quem vota na Assembleia são os deputados. Temos seis e o PT tem cinco. Até onde sei, seis é maior que cinco. A não ser que na matemática do Franzé seja menor”, disse.

João Madison também cita o caso da Secretaria de Desenvolvimento Rural. O PSD queria a pasta, mas perdeu a disputa com o MDB.

“Com relação aos cargos, o PT já tem 30%. Tem saúde, educação, administração, planejamento, Desenvolvimento Rural, que o Georgiano quis brigar e perdeu porque queriam passar para ele uma que não existe que é a do agronegócio. Não prática não foi nada. É melhor o PT ficar com tudo. Os cargos do interior vão sempre para o PT. E nós que votamos? Só sobra a amargura. Não acredito que o governador vai fazer isso”, declarou.

 

Fonte:cidadeverde.com

  • Paraiba
  • Espeto e Cia
  • Blossom
  • Ada Atten
  • Cabedo
  • Casa Boa Esperança
  • Rastek