• Posto Aliança
  • floriano shop
  • Dario PAX
  • Garoto
  • Oticas Floriano
  • Vista bela
  • Farmaduty
  • Paraiba
  • Construforte
  • Vista bela
  • Construforte
  • Garoto
  • Dario PAX
  • Farmaduty
  • Posto Aliança
  • floriano shop
  • Paraiba
  • Oticas Floriano

O governado do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), deve visitar o Piauí no fimdo mês. De acordo com o presidente estadual do PSDB, Luciano Nunes, falta apenas definir o dia da agenda do pré-candidato à presidência da República pelo partido.

f4fda5d7054845bc70685f1b0c900231Foto: RobertaAline/CidadeVerde.com

Eduardo Leite disputa as prévias do PSDB que escolherão o candidato da legenda no pleito de 2022. Ele tem como principal adversário governador de São Paulo, João Dória.

No Piauí, Eduardo conta com apoios declarados como do ex-prefeito Sílvio Mendes, que se coloca contra o nome de João Dória na disputa pela presidência da República.

“Estamos conversando com todos os candidatos. O Dória e o Eduardo têm feito uma campanha mais intensa pelas prévias. O Eduardo tem uma previsão de agenda no fim do mês no Piauí. Mas não tem nada acertado porque ele tem como objetivo fazer uma viagem por vários estados do Nordeste”, destaca.

 

Fonte:cidadeverde.com

Eleita pela Assembleia Legislativa na semana passada, a nova conselheira do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Flora Izabel, afirmou nesta segunda-feira (20) que a disputa, marcada por tensões, não deixou sequelas no legislativo e nem na base aliada do governador Wellington Dias (PT).

flora14Foto: FloraIzabel/CidadeVerde.com

Flora disse que a situação está pacificada e ainda minimizou as insatisfações registradas, como a do segundo colocado na disputa, Wilson Brandão (Progressistas), que fez um desabafo logo após a confirmação do resultado na última quinta-feira

“Eu tenho um respeito muito grande pelo deputado Wilson Brandão. É um homem íntegro, que tem uma história de vida no Piauí, um dos deputados mais atuantes. Fiz questão do meu primeiro abraço ser pra ele. Agora é zelar pela casa que me elegeu, zelar pelo povo do Piauí. São sete conselheiros, sete pessoas que tem o papel de julgar contas e prevenir erros. Para mim, está pacificada. Agora é me preparar para poder estar assumindo e dar conta do recado”, disse a conselheira.

Flora Izabel ainda destacou que pretende atuar em ações educativas e preventivas durante seu mandato no Tribunal de Contas do Estado.

“Um dos papéis primordiais dos tribunais de contas é também de prevenir e educar. Esse papel é muito importante. Quando você previne e educa, você pode ter gestores mais competentes e comprometidos com o poder público”, destacou.

A nova conselheira também rebateu questionamentos a respeito do seu preparo para exercer a função e destacou a sua trajetória política e administrativa na Assembleia Legislativa. “Eu era vice presidente da Casa. Ao longo desse processo todo, estive administrando juntamente com a mesa diretora. Eu participei de todas as comissões, principalmente a comissão de Fiscalização e Controle, que fui presidente e atuei nas análises contábeis”, disse.

Nesta segunda-feira (20), a nova conselheira será empossada administrativamente, em solenidade rápida no gabinete da presidência do TCE. A posse solene, em plenário, deve ser marcada para os próximos dias. O evento deve acontecer obedecendo as restrições impostas pela pandemia da covid-19.

Fonte: cidadeverde.com

Dez dias atrás, ao concluir a votação do texto-base do projeto que altera o Código Eleitoral, o deputado Arthur Lira (Progressistas-AL), presidente da Câmara, fez um comentário sobre um parlamentar do partido Novo que deu o que falar no plenário e nas redes sociais, entre críticos e apoiadores da legenda.

"Todos já votaram no plenário? Eu ia perder ali o nosso deputado, futuro progressista, Marcel van Hattem", disse Lira, indicando que o parlamentar gaúcho, um dos oito representantes do Novo na Câmara, deixará a legenda e voltará ao partido do qual saiu em 2018. Quando um deputado o alertou de que Van Hattem era "ex-progressista", Lira não se fez de rogado: "Vai ser futuro. Ninguém se perde no caminho da volta".

Diante da saia-justa, Van Hattem, que faz parte da ala que se opõe à posição do partido e de seu fundador e ex-candidato à Presidência, João Amoêdo, de apoiar o impeachment do presidente Jair Bolsonaro e atuar como oposição ao governo, apressou-se em negar a sua saída do Novo.

"Esse episódio foi uma brincadeira que o Arthur Lira tem feito comigo desde o início do mandato, em 2019", disse ao Estadão. "Só que, desta vez, ele fez isso ao microfone e acabou gerando, sem querer, um grande mal-entendido. Nada além disso."

Êxodo. Apesar do desmentido e de Van Hattem afirmar que o seu plano A "sempre foi e continua sendo" ficar no Novo, a possibilidade de ele deixar o partido, ao lado de quatro ou cinco colegas de bancada que rezam pela mesma cartilha, é real, e poderá se materializar na próxima "janela partidária", em março, aprofundando o "racha" vivido pela agremiação.

Além de Van Hattem, poderão se desligar do Novo os deputados Alexis Fonteyne (SP), Lucas Gonzales (MG) e Gilson Marques (SC), todos candidatos à reeleição, e Paulo Ganime (RJ), líder do partido na Câmara, que pretende se candidatar ao governo do Rio em 2022. Em princípio, a deputada Adriana Ventura (SP), que também quer disputar a reeleição, deverá ficar, mas a sua saída não está descartada e dependerá de como a legenda vai lidar com os conflitos internos nos próximos meses.

Se o êxodo se confirmar, como tudo indica no momento, a bancada do Novo ficará reduzida aos deputados Tiago Mitraud (MG), que não deverá ser candidato à reeleição, Vinicius Poit (SP), já aprovado no processo seletivo do partido como pré-candidato ao governo paulista, ambos mais alinhados com a ala de Amoêdo, e talvez Adriana.

Convenções. Mais do que uma decisão voluntária, a migração dos parlamentares para outras siglas deverá ser a única alternativa para eles não ficarem sem legenda para participar do pleito no ano que vem. Embora os mandatários que queiram se candidatar à reeleição não precisem passar novamente pelo processo seletivo realizado pelo Novo, eles poderão ser vetados nas Convenções Estaduais, que dão o aval final às candidaturas, por não apoiarem o impeachment e defenderem a adoção de uma postura "independente" pelo partido. "Se o entendimento dos convencionais for de que a neutralidade é uma forma velada de apoio ao Bolsonaro, é possível que as candidaturas de quem não segue as diretrizes partidárias sejam vetadas", diz Eduardo Ribeiro, presidente do Novo.

Já Paulo Ganime, que participa do processo seletivo que definirá o pré-candidato do Novo ao governo do Rio, poderá perder o lugar para Juliana Benício, candidata do Novo à Prefeitura de Niterói em 2020, estimulada a entrar na disputa com o deputado pelos próprios dirigentes do partido.

Como o resultado do processo seletivo deverá ser anunciado até o fim de setembro, Ganime ainda terá tempo de aproveitar a janela partidária para mudar de legenda se for preterido, embora afirme que poderá até deixar a política. Mas os parlamentares que pretendem concorrer à reeleição não terão a mesma oportunidade. Pelo calendário eleitoral, as Convenções só deverão ocorrer em julho, três ou quatro meses depois da janela partidária. Se eles ficarem no Novo até lá, perderão a chance de trocar de partido caso as suas candidaturas sejam rejeitadas.

Comissão de Ética. Há, ainda, o risco de os candidatos à reeleição ficarem sem legenda se forem punidos pela Comissão de Ética do Novo. O deputado Alexis Fonteyne, por exemplo, tem um processo contra ele correndo no órgão, por ter chamado Amoêdo de "calopsita" e poderá ser duramente penalizado por isso, a julgar pelas decisões tomadas recentemente em casos semelhantes.

Apesar de não haver prazo para a Comissão de Ética avaliar os processos pendentes, Fonteyne espera que a questão também seja definido em tempo de aproveitar a janela, se necessário. "Imagine a loucura se você não mudar de partido na janela, por acreditar que o Novo iria lhe dar legenda, e de repente, lá na frente, ele não lhe der", afirma. "Aí, como é que fica? Você não poderá mais voltar atrás e mudar de partido."

Se depender dos mandatários, eles preferem continuar no partido. A maioria entrou na política pelo Novo e se diz identificada com os valores e princípios da legenda. Pelo que dizem, será uma frustração ter de deixar o Novo por uma questão conjuntural, que consideram menor, e não por discordar das grandes bandeiras partidárias, como a liberalização da economia, a privatização e o combate ao mau uso do dinheiro público e à corrupção.

ac711d90cc017cbe9c8f49cdf1f594ddFoto: Câmara dos Deputados

Diferença ideológica. Segundo Ganime, não há uma diferença ideológica muito grande entre as duas alas em que o Novo se dividiu. "O que está dividindo o partido não é uma visão do que se quer para o País. Todos os mandatários que conheço têm a mesma posição do partido, de não querer a eleição do Lula do Bolsonaro ou do Ciro Gomes e querer uma opção que pacifique o País e possa conduzir o governo de forma sensata, sem polarização, sem discursos absurdos e sem ódio", diz. "O problema é que uma parte de filiados acha que quem não quer impeachment é bolsonarista ou é contra os valores do partido, mas ser a favor ou contra o impeachment não é o que define quem é do Novo."

Ainda que possa parecer estranho para muita gente, a possível saída de deputados da legenda não parece preocupar nem a direção partidária nem Amoêdo. O fundador do partido afirma até que o "racha" é positivo. "Na minha avaliação, a saída de filiados que são contra o impeachment fortalece a unidade partidária, fundamental para o crescimento do partido", afirmou Amoêdo, em publicação nas redes, ao comentar a desfiliação do cientista político Christian Lohbauer, um dos fundadores do Novo e ex-candidato a vice-presidente em sua chapa em 2018, anunciada na quinta-feira passada. "Nossa oposição ao governo e a defesa do impeachment vão continuar e nortear as nossas candidaturas em 2022", diz Eduardo Ribeiro. "É compreensível que os mandatários que não concordem com essa posição queiram buscar outro partido "

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

Fonte: Estadão Conteúdo

A mesa diretora da Câmara dos Deputados acatou nesta quinta-feira (16) medida do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e, por unanimidade, cassou o mandato do deputado Boca Aberta (PROS-PR). No final de agosto, o TSE decidiu cassar o diploma do deputado, cujo nome é Emerson Petriv. O colegiado do tribunal também determinou a imediata retotalização das eleições para o cargo, de forma que fossem computados ao partido os votos nominais recebidos por Boca Aberta.

44fe5068ce4f6032b0d2896b76005ff2Foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados

O deputado teve o mandato de vereador cassado pela Câmara Municipal de Londrina (PR) em 2017 por quebra de decoro parlamentar. Com isso, ele teria ficado inelegível por oito anos. Em 2018, no entanto, conseguiu registrar sua candidatura com a ajuda de uma liminar. Com isso, elegeu-se deputado federal.
A decisão do TSE foi encaminhada à mesa diretora da Câmara, responsável por dar a palavra final sobre o caso.

A mesa diretora é formada pelo presidente, Arthur Lira (PP-AL), pelo primeiro vice-presidente, Marcelo Ramos (PL-AM), pelo segundo vice-presidente, André de Paula (PSD-PE), e por quatro secretários titulares: Luciano Bivar (PSL-PE), Marília Arraes (PT-PE), Rose Modesto (PSDB-MS) e Rosângela Gomes (Republicanos-RJ).

Há ainda quatro suplentes: Eduardo Bismarck (PDT-CE), Gilberto Nascimento (PSC-SP), Alexandre Leite (DEM-SP) e Cássio Andrade (PSB-PA). Bivar, Nascimento e Bismarck não participaram do encontro.

Boca Aberta também era alvo de uma representação no conselho de ética da Câmara apresentada pelo PP. Na ação, ele era acusado de fazer denúncias infundadas contra o deputado Hiran Gonçalves (PP-RR) e de invadir uma UPA (unidade de pronto-atendimento) no Paraná.

O processo era relatado pelo deputado Alexandre Leite (DEM-SP) no conselho de ética. Em seu parecer, Leite tinha recomendado a perda do mandato de Boca Aberta.

Na avaliação dele, parece claro que o parlamentar cassado "desvirtuou o exercício do cargo de deputado federal, fazendo uso abusivo de suas prerrogativas constitucionalmente asseguradas para atingir a honra de colegas".

A representação contra Boca Aberta deveria ter sido votada nesta quarta-feira (15), mas Leite pediu que fosse retirada da pauta com o argumento de que, após a decisão do TSE, tinha perdido o objeto.

No encontro, Boca Aberta ameaçou e xingou o relator do processo. "Você é um ordinário, seu cafajeste. Vamos pro pau ali no Plenário", afirma Boca Aberta, que ofendeu a família de Leite.

Em nota divulgada na quarta, Leite afirmou que, "acuado pelo processo que corre no conselho de ética, do qual sou relator, o deputado Boca Aberta desferiu ataques histéricos e mentirosos contra mim e minha família".

"Essa é a típica reação de quem está sob risco de cassação e não tem outra alternativa a não ser o ataque injusto e calunioso. Não vou me dobrar a essas bravatas e ofensas, seguirei atuando de forma justa e correta no conselho de ética, ainda que a decisão final seja pela cassação do deputado."

Nesta quinta, Leite elogiou a decisão da mesa diretora da Câmara, que, segundo ele, demonstra respeito ao Judiciário e "está alinhada aos valores éticos e morais da sociedade e que repudia comportamentos destemperados".

"A permanência deste cidadão no Parlamento causaria um dano à imagem do Legislativo, já que não é a primeira vez que incorre em caso de quebra de decoro parlamentar", disse. "Ao dar efetivo cumprimento à decisão judicial de desconstituição do diploma e cassação de deputado federal de Boca Aberta, a Mesa da Câmara respeita e faz justiça aos brasileiros e, principalmente, ao povo paranaense."

Fonte: Folhapress