• Casa dos frios
  • Garoto
  • Oticas Floriano
  • Posto Aliança
  • Dario PAX
  • Farmaduty
  • Oticas Floriano
  • Casa dos frios
  • Garoto
  • Farmaduty
  • Posto Aliança
  • Dario PAX

Sem concorrentes nas eleições para prefeito na cidade de Olho D’água do Piauí, a 237 km de Teresina, o prefeito “eleito” Antônio Francisco dos Santos (PSB) conseguiu o feito de ter os óbvios 100% dos votos e, além disso, ainda conseguiu a maioria na câmara. Sem oposição, ele alega que será mais fácil governar apenas com as críticas de quem está no governo, mas nem sempre concordar com tudo.

8e9058434219d17539072f6db4bc0352Eleições em Olho d'água do Piauí. (Imagem:Divulgação)

A eleição na pequena cidade de 2390 habitantes e com economia baseada na agricultura foi um caso inusitado. Apenas um candidato manifestou interesse em ocupar o cargo do executivo municipal. E na reeleição. E pela quarta vez. Segundo o prefeito, tudo por conta de uma fórmula simples: “Aqui a gente tinha oposição. Mas só que eu não tenho inimigos políticos. Mas um dia, o pessoal que era contra achou por bem, que o melhor para a cidade, é estarmos todos juntos. E assim foi feito”, conta Antônio Francisco.

Segundo Antônio, que é médico e foi o primeiro prefeito da cidade, criada em 1997, apesar de ter tido uma campanha tranquila, não deixou de percorrer a cidade e ouvir a população durante a “disputa eleitoral”. “Eu participei de tudo, caminhada, reuniões, palestra, tudo com a população. Como temos vários candidatos a vereador, eu acompanhei eles. Fiz tudo como determina o TSE para um candidato. Foi tudo regular conforme a lei”, destaca.

Para o prefeito, governar sem oposição não é garantia de voz absoluta, ainda mais quando as 9 vagas da Câmara foram preenchidas por candidatos que ele apoiou, dos 29 que disputaram o pleito. “Tivemos chapa única, mas isso não quer dizer que será fácil. Ouvimos a todos, mas tem sempre alguém que não é inimigo, mas é mais crítico com ações e isso tem que ser respeitado”, comenta.

 

Fonte:cidadeverde.com

Seis candidatos a vereador de Teresina que tiveram seus registros deferidos pela Justiça Eleitoral não conseguiram nenhum voto neste domingo (2). Por coincidência todos são do sexo feminino e pertencem a partidos como DEM (1), PSC (3) e PMN (2).

cc698fedd6cd2bbc3c595ae412005195

Entre as candidatas há comerciante, dona de casa, agente de saúde, vendedora de comércio, administradora e uma empresária.
Outros candidatos que apareceram com votação zerada tiveram o registro indeferido ou renunciaram à disputa eleitoral.

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), cinco candidatos tiveram apenas um voto, provavelmente o do próprio postulante ao cargo. Outros dois tiveram dois votos.

Na contramão desses dados está o vereador Jeová Alencar, que obteve no domingo 10.194 votos, cerca de 4 mil a mais que o segundo colocado, o delegado Samuel, com 6.358.

Ao todo, 29 vereadores foram eleitos em Teresina, sendo 14 deles novatos.

Lista dos sem voto deferidos

Sandra Borges (DEM) - deferido - comerciante
Maria das Dores (PSC) - deferido - dona de casa
Socorro Atenas (PMN) - deferido - agente de saúde e sanitarista
Fernanda Ribeiro (PSC)- deferido - vendedora de comércio
Livia Cristina (PMN) deferido - administrador
Kátia Panticão (PSC) deferido - empresária
Lista dos sem voto por indeferimento

Dra Shirlayde Sousa (PRB) - indeferido
Parrela (PEN) - indeferido
Lista dos sem voto por renúncia

Alexandre Mariano (PMN) - renúncia
Dió (PMN) - renúncia.

 

Fonte:cidadeverde.com

partidos com mais votos em 20164 3acCL4zNúmeros das eleições. (Imagem:Divulgação/G1)

O PSDB ultrapassou o PT e foi o partido que obteve o maior número de votos em todo o país no primeiro turno das eleições municipais para prefeito, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A sigla obteve 17,6 milhões de votos e cresceu 25% em relação ao pleito anterior. Já o PT, partido mais votado de 2012, com 17,4 milhões, passou a 6,8 milhões nesta eleição, perdendo mais da metade de seus eleitores.
O PSDB terminou o primeiro turno da eleição passada com a terceira maior votação de 2012, atrás de PT e PMDB. O PMDB também teve queda nos votos, passando de 17 milhões para 14,8 milhões neste pleito. Já a terceira colocação passou ao PSB que, mesmo com queda, obteve 8,3 milhões de votos nas urnas.

O PRB, que teve em São Paulo o candidato Celso Russomanno e, no Rio, Marcelo Crivella, foi um dos que tiveram maior aumento no número de votos, passando de 2,6 milhões para 3,8 milhões nesta eleição.

 

Fonte:G1

  • Ada Atten
  • Rastek
  • Cabedo
  • Espeto e Cia
  • Paraiba