• Jorge
  • Oticas Floriano
  • Construforte
  • Posto Aliança
  • chopp sabora
  • Garoto
  • Paraiba
  • Dario PAX
  • Paraiba
  • chopp sabora
  • Dario PAX
  • Oticas Floriano
  • Posto Aliança
  • Garoto
  • Jorge
  • Construforte

Os vereadores de Teresina aprovaram nesta terça-feira (14) um requerimento que antecipa a eleição da presidência da Câmara Municipal para amanhã (15). A proposição foi feita pelo vereador Deolindo Moura (PT) e foi subscrita por pelo menos 17 parlamentares da Casa.

2819f4506b53668000828fd161d0f71bFoto: Paula Sampaio/Cidadeverde.com

A eleição da Mesa Diretora poderia acontecer até o dia 31 de dezembro, quando termina o mandato do atual presidente, Jeová Alencar (Republicanos).

Durante a sessão, uma chapa encabeçada pelo vereador Enzo Samuel (PDT), ex-líder do prefeito foi lançada. Parlamentares como Deolindo Moura, Evandro Hidd (PDT) e Pollyana Rocha (PV) manifestaram apoio à candidatura.

O requerimento foi aprovado com duas abstenções: Dudu Borges (PT) e Ismael Silva (PSD).

O presidente da Câmara, Jeová Alencar (Republicanos), explicou que o motivo pelo qual o plenário antecipou a eleição da Mesa Diretora foi o acirramento político provocado pelas eleições estaduais de 2022 que, segundo ele, pode influenciar a unidade na Casa durante a escolha do sucessor.

“O vereador Deolindo Moura colocou no projeto a questão do acirramento político, pois o pós poderá atrapalhar na eleição já para dezembro. Então, buscando a unidade nesta Casa se entendeu que seria melhor antecipar a eleição e já lançar o nome do vereador Enzo, mas está aberta a qualquer um dos 29 vereadores colocar seu nome”, destacou Jeová.

A antecipação da eleição é vista como uma manobra que pode prejudicar um possível candidatura à presidência que seria lançada com o apoio do Palácio da Cidade: o vereador Renato Berger (PSD), que saiu da Câmara para assumir a Secretaria de Esportes.

Jeová Alencar, no entanto, afastou a possibilidade e disse que o parlamentar, retornando à Casa, também poderá lançar uma chapa para disputar o cargo.

“Aqui é uma eleição interna da Casa, não tem nada a ver com nenhum tipo de problema político. É apenas sobre a administração interna da Casa. Aqui é um processo democrático, aberto limpo, que qualquer um dos 29 vereadores pode retornar”, destacou.

A decisão pela antecipação ocorreu também um dia após o Enzo Samuel conversar com o prefeito Dr. Pessoa (Republicanos) e deixar o cargo de líder na Câmara. A saída ocorreu pois o vereador estaria sendo isolado frente à uma articulação política liderada pelo vice-prefeito Robert Rios (Republicanos).

 

Fonte:cidadeverde.com