Muita comoção marca o velório do cabo do Batalhão de Operações Especiais (Bope), Claudemir de Paula Sousa, 33 anos, que acontece na capela São Sebastião, da Polícia Militar, na avenida São Raimundo, bairro Cristo Rei. Familiares, parentes, amigos e colegas de farda estão no local para se despedir do policial, que foi assassinado na noite de ontem (6).

3f60ffa7f01d2658b039f6f57ba24142Capela de São Sebastião. (Imagem:Wilson Filho/Cidadeverde.com)

Um dos companheiros de Claudemir no Bope, o tenente Moreno, falou sobre a prisão dos suspeitos e da competência do policial.

“O que mais queríamos era dar rapidamente uma resposta a sociedade e a família do nosso colega. Ele é um profissional que fará muita falta na nossa unidade, porque além de tudo, era extremamente técnico, fazia parte do grupo de explosivistas do Bope e era muito bom. É uma perda inestimável”, declarou.

No velório, o clima é de consternação e muita tristeza. Amigos e familiares prestaram as últimas homenagens e se despedem do policial.

Uma missa será realizada às 16h e logo após, o enterro acontecerá no cemitério Jardim da Ressurreição.

 

Fonte:cidadeverde.com

Os procuradores do Ministério Público da Bolívia que realizaram nesta terça-feira uma operação de busca e apreensão na sede da Lamia na cidade de Santa Cruz de la Sierra prenderam o diretor-geral da companhia aérea, Gustavo Vargas Gamboa, e confiscaram documentos e computadores dentro de sua investigação sobre o acidente que causou a morte de 71 das 77 pessoas que estavam a bordo da aeronave que levava a delegação da Chapecoense a Medellín, na Colômbia.

00b13150199b83badd78cf498d055448Ministério Público boliviano prende diretor-geral da Lamia.(Imagem:Divulgação)

Os procuradores detiveram Vargas no escritório da Lamia e o levaram à sede do Ministério Público Departamental de Santa Cruz.

Vargas Gamboa é um ex-militar da Força Aérea Boliviana que entre 2001 e 2007 foi o piloto de vários presidentes do país, incluído o atual, Evo Morales.

Agência EFE

Em menos de 24 horas do crime, a Polícia Militar de Picos prendeu na manhã de segunda-feira (5), por volta das 10h, Edílson de Sousa, acusado do duplo homicídio na cidade de Bocaina. A prisão foi realizada na localidade Batedor, zona rural do município.

picos acusado1Polícia prende acusado de matar tio e sobrinha em Bocaina.(Imagem:Divulgação)

Edílson é acusado de matar a ex-companheira, Jessica de Araújo Rocha e o tio dela, Adão de Araújo Rocha na noite de domingo (4), na localidade Agrovila, zona rural de Bocaina. Após o crime, o acusado empreendeu fuga, os policiais localizaram Edilson em um matagal. A arma utilizada no crime, um revólver calibre 32, está em posse da Polícia Civil.

O acusado do duplo homicidio foi levado para Central de Flagrantes de Picos e em seguida será encaminhado para Penitenciária José de Deus Barros.

Um policial militar identificado como Claudemir Sousa foi morto a tiros na noite desta terça-feira (6), quando saía de uma academia no bairro Saci, zona Sul de Teresina. O crime aconteceu por volta das 21h na avenida principal do bairro.

f6ba4a3a6953e6b2e7e247e0f755e521Claudemir Sousa. (Imagem:Divulgação)

Segundo informações colhidas pela TV Cidade Verde, o cabo de 32 anos foi morto quando subia em sua moto. Os suspeitos chegaram a tomar sorvete ao lado da academia enquanto esperavam a vítima. Aproveitaram, inclusive, para virar as câmeras de segurança do estabelecimento para evitar imagens do crime.

De acordo com a polícia, dois homens que estavam em um carro escuro na região são os principais suspeitos. Outros dois em uma moto estão sendo procurados por, possivelmente, terem dado cobertura à dupla.

Claudemir Sousa era lotado no Bope e chegou a fazer parte da Força Nacional de Segurança.

"Ele ia saindo da academia, quando estava montando na moto, os caras atiraram nele. Ainda não temos confirmado, mas nos passaram que foram dois homens em um fiat Uno vivace preto. Estamos com equipe em Timon para ver se localiza este carro. Foi uma execução. Não levaram a moto, não levaram a arma, não levaram nada", disse Gerson Santana, da 2ª Companhia do Promorar

O policial disse ainda que o cabo estava no Piauí há 15 dias após deixar a Força Nacional. No momento da abordagem ele ainda tentou reagir, mas não teve tempo.

"Não temos a informação se ele tinha rixa com alguém. Os suspeitos viraram a câmera, parece que tudo foi planejado",

 

Fonte:cidadeverde.com

  • Paçoka
  • Cabedo
  • Ada Atten
  • Espeto e Cia
  • Med Plan