• Paraiba
  • Construforte
  • Jorge
  • Oticas Floriano
  • Posto Aliança
  • chopp sabora
  • Garoto
  • Dario PAX
  • Paraiba
  • Construforte
  • Garoto
  • Oticas Floriano
  • Jorge
  • chopp sabora
  • Posto Aliança
  • Dario PAX

O líder político Edimilson Torres foi vítima de um acidente automobilístico na noite de ontem, quando retornava de uma viagem da cidade de Guadalupe em seu veículo Prisma e num determinado trecho da BR entre as cidades de Floriano  e Jerumenha, foi surpreendido com um animal que surgiu de repente na pista fazendo com que o carro batesse no jumento causando danos materiais. O animal teve morte imediata, mas como sempre acontece em casos dessa natureza, ninguém apareceu para se identiifcar como proprietário do animal e ressarcir os prejuízos de Edimilson Torres que avalia em torno de R$ 3.000,00 (Três mil reais) para recuperar os danos causados no veículo. Além do susto, Edmilson não sofreu nenhuma lesão.

20160620 221210Edimilson Torres. (Imagem:Temístocles Filho/jc24horas)

20160620 220605Veículo danificado por animal na pista. (Imagem:Temístocles Filho/jc24horas)

 

Da redação

 

O secretário de segurança do Piauí, deputado federal Fábio Abreu (PTB), afirmou nesta segunda-feira (20) que só vai realizar novos concursos em sua pasta quando tiver condições de nomear os aprovados dentro do cronograma previsto em edital. Segundo ele, a medida evita chateações para a administração pública e protestos."A nossa meta é que nós só tenhamos na frente concurso com data correta para iniciar e finalizar e uma data certa para nomear. Não vamos fazer concurso em que os candidatos fiquem fazendo protestos porque não são chamados, e assim sucessivamente. Estamos trabalhando um calendário e vamos divulgar no tempo certo, desde que haja essa possibilidade real do governo com as datas previstas. Mas vamos ter concurso em 2017 para a Polícia Militar e Civil", afirmou durante entrevista ao Jornal do Piauí.

5e6ec0115aba024d34401a17f29bb96cFábio Abreu. (Imagem:cidadeverde.com)

Na prática, o secretário quer evitar a demora na nomeação de aprovados, como acontece atualmente com policiais civis e delegados, além de policiais militares e bombeiros.

"Temos alguns concursos que ainda estão em andamento nas três instituições. Na Polícia Militar forma-se agora a última turma dos classificados. Temos os concursados dos Bombeiros, que ainda tem todo um processo de cronograma de execução dos aprovados e possível chamamento dos classificados. E, ainda, temos a última nomeação dos policiais civis em setembro, que são delegados, escrivães e agentes", explicou, ressaltando que a demora em nomeações gera situações constrangedoras.

"Temos situações constrangedoras tanto para o Estado como para a população e, principalmente, para os aprovados. Nosso objetivo é fazer um concurso sabendo quantos policiais vão realmente ingressar e com data e início de curso e nomeação", acrescenta.

Paralisação

E por falar em policiais civis, o secretário corre contra o tempo para evitar que a paralisação de 72 horas da categoria termine virando uma greve por tempo indeterminado. Segundo ele, mesmo o governo afirmando que não pode contratar por conta da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), vai tentar um diálogo com o secretário de administração Franzé Silva.

"A conversa foi bem tranquila com relação aos pedidos do sindicato. A gente está ali mais no intuito de mediação, o poder de decisão realmente final é do governador, mas também tem uma parte de avaliação da Secretaria de Administração e a equipe econômica", afirmou.

Sobre os efeitos do movimento para a população, Abreu orientou os delegados que supram eventuais deficiências dos agentes nas delegacias. " Precisamos destacar que não é uma greve, então os policiais têm a obrigação de fazer o atendimento nos casos mais urgentes, como flagrante, por exemplo. Os delegados estão nas suas funções normalmente. Os delegados estão orientados a suprir essa deficiência, caso o agente se recuse a fazer o trabalho, mas a grande maioria dos agentes é obrigado a estar presente para atender. Mesmo se fosse greve teria um percentual mínimo para atender", esclarece.

Um dos pontos mais dificeis na negociação, segundo Fábio Abreu, é a equiparação salarial dos agentes e escrivães com os delegados. "Vamos nos reunir com o secretário Franzé para levar uma contraproposta. O sindicato reivindica promoções e realmente eles estavam muito tempo sem promoções e nós estamos buscando atualizar isso. O outro ponto é mais complexo: a categoria quer uma equiparação de salário do agente e escrivão em cerca de 60% ao que ganha o delegado. É algo que não existe no nosso ordenamento e nem em nenhum estado. Fiz uma consulta à PGE para que a gente tenha um embasamento real se isso é possível", afirmou, lembrando que a proposta inviabiliza o Estado.

"Estamos em situação de crise, há uma possibilidade, embora remota, de atrasar salário. Estamos extrapolando o limite prudencial da LRF. Isso inviabilizaria o Estado", concluiu.

 

Fonte:cidadeverde.com

O executivo da empresa Toyo Setal Augusto Mendonça Neto e o ex-gerente de Serviços da Petrobras Pedro Barusco devem ser ouvidos pela Justiça Federal, nesta segunda como testemunhas de acusação de uma ação penal da Lava Jato oriunda da 26ª fase, batizada de Xepa, nesta segunda-feira (20). A audiência está marcada para começar às 14h, em Curitiba. Mendonça e Barusco são delatores da Lava Jato.

montagem 1Augusto Mendonça e Pedro Barusco serão ouvidos como testemunhas de acusação (Foto: Reprodução / GloboNews e Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados)
Ao todo, são 12 réus no processo. Entre eles estão o ex-presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, já condenados na Lava Jato
A 26ª fase foi deflagrada após a identificação de indícios de que a Odebrecht possuía um departamento responsável por fazer pagamentos de vantagens indevidas a servidores públicos em razão de contratos firmados pela empresa.

O setor tinha um sistema informatizado próprio utilizado para armazenar os dados referentes ao processamento de pagamentos ilícitos e para permitir a comunicação reservada entre os executivos e funcionários envolvidos nas tarefas ilícitas, ainda de acordo com o MPF.
Segundo o Ministério Público Federal (MPF), o marqueteiro do PT Jão Santana e a mulher dele Mônica Moura foram beneficiados com esses pagamentos ilegais, mesmo com a Lava Jato em curso. De acordo com o coordenador da força-tarefa, o procurador Deltan Dallagnol, foram 45 pagamentos, totalizando R$ 23,5 milhões, de 24 de outubro de 2014 a 22 de maio de 2015.
O MPF diz ainda que os pagamentos feitos pela Odebrecht estão atrelados a diversas obras e serviços federais e também a governos estaduais e municipais. Dentre elas está a construção da Arena Corinthians, segundo o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima.
A estimativa é de, ao menos, R$ 66 milhões em propina distribuída entre 25 a 30 pessoas. Este valor, segundo a Polícia Federal (PF), estava disponível em apenas uma das contas identificada como pertencente à contabilidade paralela da empresa.

 

Fonte: G1

nicolasNícolas Labre Pereira de Jesus, o Fat Family, durante internação no Souza Aguiar (Foto: Reprodução/TV Globo)O comando da Polícia Militar desencadeou às 6h desta segunda-feira (20) operações policiais pelo Rio e por toda a Região Metropolitana. A força tarefa tem o objetivo de encontrar os envolvidos no resgate do traficante Fat Family do Hospital Municipal Souza Aguiar na madrugada de domingo (19). A PM também pretende encontrar criminosos que vêm praticando roubos e latrocínios pelo estado.

 

Mais de 20 batalhões da Polícia Militar participam das ações em diversas comunidades. Até a publicação desta reportagem, não havia informações de pessoas detidas.

 

Dois suspeitos identificados
O diretor das Delegacias de Homicídio, Rivaldo Barbosa, disse que dois suspeitos da invasão ao Hospital Souza Aguiar, no Centro do Rio, na madrugada de domingo (19), para resgatar um traficante que estava internado na unidade, já foram identificados. A polícia está analisando as imagens das câmeras de segurança do hospital para tentar identificar o restante do grupo. A ação de resgate teve tiroteio dentro do hospital e deixou um morto e um ferido — um vigia e um técnico de enfermagem, respectivamente. Criminosos ainda atiraram um artefato explosivo, similar a uma bomba caseira, contra a polícia.

Segundo informações da PM, um grupo de aproximadamente 25 homens chegou ao hospital numa ação quase cinematográfica: em quatro motos e cinco carros e armados com fuzis, pistolas e explosivos. Houve tiroteio e um homem morreu e dois ficaram feridos na ação de resgate do traficante Nícolas Labre Pereira de Jesus.


Os feridos são um técnico de enfermagem, que está em estado grave, e o PM também baleado passou por uma cirurgia no domingo (19).

 

 

O traficante, também conhecido por Fat Family, foi baleado no rosto num confronto com a polícia na segunda-feira (13). O criminoso seria um dos chefes do tráfico de drogas no Morro Santo Amaro, no Catete, Zona Sul da cidade.

O delegado Fábio Cardoso contou que os suspeitos chegaram à recepção e já pediram para que fossem levados ao 6º andar do hospital, na ortopedia, onde o traficante estava internado. A DH está investigando inclusive pessoas que visitaram Fat Family dias antes, que podem ter passado as informações para o grupo que invadiu o hospital.
“Eram de dez a 15 pessoas, uns seis subiram ao 6º andar, renderam os PMs que faziam a custódia do preso, que não reagiram, o que evitou ainda mais vítimas. A DH já está fazendo um trabalho intenso para a identificação do grupo e tentando provar, que eles estiveram lá. Estamos investigando pessoas que estiveram visitando o preso. Duas ou três pessoas que passaram informações sobre o local onde ele estava”, disse Cardoso.
A Secretaria Estadual de Segurança (Seseg) informou que o traficante não foi transferido porque os médicos informaram que o caso dele inspirava cuidados e que ele faria uma cirurgia no domingo. A Seseg disse que enviou um ofício ao governo do estado para que presos custodiados sejam atendidos somente no Hospital Penitenciário. E que, caso não haja, condições para que isso aconteça, que em 30 dias vai montar um hospital de campanha, como medida provisória.
A Seseg disse também que vai pedir a transferência do tio de Fat Family, que está no Complexo Penitenciário de Gericinó, para um presídio federal. A secretaria acredita que ele tenha participado do plano de fuga de Fat Family do hospital.
Polícia recebeu denúncia sobre possível ação de resgate
Em entrevista coletiva no início da noite deste domingo (19), o subchefe operacional do Estado Maior da Polícia Militar do Rio, coronel Luiz Henrique Pires, confirmou que a PM recebeu a denúncia sobre a possível tentativa de resgate do criminoso Fat Family de dentro do Hospital Municipal Souza Aguiar.
"Nós tínhamos uma informação realmente. O policiamento foi reforçado. Era uma informação genérica que não detalhava, como tantas outras que a gente recebe todos os dias", afirmou o coronel aos jornalistas.Ainda segundo o subchefe da PM, havia cinco policiais militares reforçando a segurança do criminoso na unidade. Um estava na portaria do Souza Aguiar e outros quatro no setor de custódia.
"Nós não temos condição de a cada informe que recebemos é botar 30 a 40 policiais para tomar conta da situação", disse
As informações chegaram aos policiais militares na quinta-feira(16). Segundo ele, na sexta-feira (17) a polícia tentou remover o paciente do hospital para uma outra unidade, mas foi impedida pela equipe médica do hospital. De acordo com a PM, os médicos disseram que o estado de saúde do traficante era grave e ele teria que passar por uma cirurgia e não poderia ser liberado.

 

 

Fonte: G1