Depois de mais de cinco horas de manobras regimentais, bate-bocas e até o "roubo" da pasta de condução dos trabalhos, a eleição que escolheria o nome que comandará o Senado nos próximos dois anos foi adiada para as 11h deste sábado (2).

370f768283f16636099fe252c64a219b(Foto: Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil)

O pano de fundo da confusão foi a disputa entre dois grupos pela cadeira: o de Renan Calheiros (MDB-AL), alvo da Lava Jato e presidente do Senado por quatro mandatos, e o do ministro da Casa Civil de Jair Bolsonaro, Onyx Lorenzoni (DEM), que tenta emplacar no cargo o até então inexpressivo Davi Alcolumbre (DEM-AP).

O caso chegou ao Supremo Tribunal Federal, ameaçando inviabilizar, inclusive, a votação neste sábado.

Único remanescente na antiga Mesa Diretora do Senado, Alcolumbre foi o responsável por conduzir a sessão.

Sabidamente candidato, ele não assumiu oficialmente essa condição e comandou manobras para tentar enterrar a candidatura de Renan.

Apesar do regimento do Senado estabelecer que a eleição é secreta e que era preciso unanimidade para mudar essa previsão, ele exonerou o secretário-geral do Senado, Luiz Bandeira de Melo Filho, aliado de Renan, e colocou em votação proposta de votação aberta –aprovada por 50 dos 81 senadores, com 2 votos contra.

a02621a780847c0e88eb44e665375542

Hábil negociador de bastidores, Renan tem maior chance em votação secreta, já que muitos de seus apoiadores não querem se ver ligados a um senador alvo da Lava Jato e que, para muitos, representa a "velha política".

Seja qual for o resultado, o governo de Jair Bolsonaro não terá vida fácil no Senado -uma vitória de Renan colocará no posto uma pessoa em completa oposição ao seu ministro da Casa Civil. E uma derrota tenderá a encorpar a oposição à sua gestão.

A vitória de Renan tem um peso significativo para o MDB que, pela primeira vez em anos, está alijado do Palácio do Planalto. Além disso, o partido não conseguiu reeleger alguns de seus nomes mais significativos, como o agora ex-presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), e o presidente nacional da legenda, Romero Jucá (RR).

A sessão de votação desta sexta (1º) teve início após as 17h e desde o início foi marcada por tumulto e bate-boca.Em vários momentos, Renan se exaltou e discutiu com Alcolumbre. Em um dos momentos, citou o episódio em que Tancredo Neves gritou "canalha, canalha" quando o senador Auro de Moura Andrade declarou vaga a Presidência da República, no golpe militar de abril de 1964. E repetiu os gritos de Tancredo, "canalha!, canalha!", se dirigindo à Mesa do Senado.

"O Brasil inteiro está dizendo que isso aqui não é um Senado. Talvez um hospício ou pior, pra não dizer aquela palavra. Aquela, que tem em toda cidade do interior", disse o senador Jorge Kajuru (PSB-GO).

Em outro dos embates com Alcolumbre, Renan citou o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), que abriu mão do mandato alegando ter recebido ameaças que o impediram de permanecer no Brasil. "Eu não vou fazer como Jean Wyllys. Não vou renunciar ao meu mandato. Eu vou ficar aqui", avisou, em tom de oposição.

"Os meus companheiros do MDB vão me desculpar, mas como é que posso ser candidato contra vossa excelência, que pode tudo? Eu vou é votar aberto em vossa excelência e bater continência para vossa excelência e o Onyx", ironizou, se comparando a um "cavalo do cão". Renan soma 40 anos de política -24 no Senado.

Alcolumbre respondeu algumas vezes os ataques, afirmando que Renan não tem estatura para cobrar compromissos morais dos outros.

O ápice da confusão, porém, ocorreu quando a senadora Kátia Abreu (PDT-TO), aliada de Renan, subiu à mesa e tomou a pasta de Alcolumbre.
"Senadora, devolva a pasta", apelou Alcolumbre. "Vem tomar", retrucou Kátia.Vários senadores foram aos microfones reclamar do que eles classificaram como um dos momentos mais vexatórios da história da instituição.

Pouco após as 22h, Alcolumbre encerrou a sessão, momento em que foi possível ouvir Kátia Abreu falar, ao seu lado: "E agora, o que eu faço com a pasta?"

O novo presidente do Senado vai comandar a Casa até janeiro de 2021. Além de ser o terceiro na linha sucessória da Presidência da República, o presidente do Senado tem o poder de definir a pauta de votações da Casa.

Renan tentou nos últimos tempos se aproximar da família Bolsonaro, afirmando que será um defensor das propostas de reformas.

Sua interlocução principal, porém, é com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Prova da dificuldade de assimilação do nome de Renan, o filho mais velho do presidente da República, Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), que tomou posse no Senado, defendeu a votação aberta.

"A Casa já decidiu, não tem como voltar atrás nessa questão do voto aberto", declarou.

Questionado sobre a possibilidade de o processo ser judicializado, o congressista afirmou que o próprio STF já sinalizou qual é o seu entendimento a respeito.

No mês passado, ao decidir que a votação secreta era a forma prevista no regimento até aquele momento, o presidente da corte, Dias Toffoli, afirmou também que a eleição no Legislativo era um assunto interna corporis, ou seja, que cabia aos senadores a definição de regras a respeito.

"O Supremo já falou que quem resolve o rito é o Senado. Na minha avaliação, o próprio presidente do STF já decidiu que quem resolve é o Senado."

Toffoli anula voto aberto

Já na madrugada (02), o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, decidiu anular decisão do plenário do Senado pelo voto aberto na eleição para a presidência da Casa e determinou que a votação seja secreta.

 

Fonte:cidadeverde.com