• Garoto
  • Posto Aliança
  • Dario PAX
  • Farmaduty
  • Oticas Floriano
  • Dario PAX
  • Oticas Floriano
  • Garoto
  • Posto Aliança
  • Farmaduty

sidnei300x400Sidnei Marques Prandini foi encontrado morto na última sexta-feira (11) no Rio Pinheiros (Foto: Reprodução/Divulgação/Arquivo Pessoal)A Polícia Civil de São Paulo instaurou inquérito nesta terça-feira (15) para investigar se um homem encontrado morto na última sexta-feira (11) na Usina Elevatória de Traição do Rio Pinheiros foi assassinado. Sidnei Marques Prandina estava desaparecido desde a última quarta-feira (9).


Além de homicídio, a polícia apura as hipóteses de suicídio e acidente.
O corpo de Sidnei, que tinha 49 anos, foi encontrado com hematomas. A causa da morte, porém, ainda é desconhecida.

Sidnei saiu da casa onde morava com a mãe, no Ipiranga, na Zona Sul da capital paulista, no último dia 9 para ir a um centro espírita no centro da cidade. Como não retornou, sua família e seu namorado registraram boletins de ocorrência de desaparecimento no dia seguinte.

“A polícia aguarda o resultado do exame necroscópico para saber a causa da morte”, disse nesta o delegado Pascoal Ditura, titular do 34º Distrito Policial (DP), na Vila Sônia. “Entre as hipóteses para ele ter morrido, estão homicídio, suicídio ou acidente”.

Hipóteses
A irmã de Sidnei, a dona de casa Ana Lucia Prandina de Souza, afirmou ao G1 que não acredita na possibilidade do irmão ter se matado. “Ele estava motivado com o fato de ter começado a fazer academia e sempre avisada minha mãe, que morava com ele, onde estava”, falou. Ela não informou qual era a atividade profissional do irmão antes de se aposentar.
Caso o exame do Instituto Médico Legal (IML) comprove que Sidnei foi assassinado, o delegado do 34º DP informou que irá remeter o caso ao Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP). O cartão bancário do aposentado não foi encontrado com ele, que foi achado sem parte das roupas.
“Não descartamos nenhuma hipótese, inclusive a de que ele possa ter sido vítima de um latrocínio [roubo seguido de morte] ou homofobia. Mas não temos nenhum indício desses crimes ainda ou do que mais possa ter ocorrido”, disse Pascoal. “Por isso pedimos urgência na elaboração do laudo que irá apontar a causa da morte”.

A terceira hipótese, a de acidente, foi levantada pela investigação pelo fato de ter chovido torrencialmente neste mês. Os policiais querem saber se o aposentado poderia ter sido levado pelas águas da chuva direto ao rio.
“É apenas mais uma hipótese. Como disse, dependemos do exame necroscópico”, comentou o delegado.
A polícia já ouviu os depoimentos do irmão e do namorado de Sidnei. O aposentado havia saído de casa sem o celular, que estava carregando, e foi apreendido pela polícia para análise.

O corpo de Sidnei foi enterrado em um cemitério em São Bernardo do Campo, no ABC, no sábado (12).

 

Fonte: G1