Acusada de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa pela força-tarefa da Lava-Jato no Rio, a ex-primeira-dama do Rio de Janeiro Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador Sérgio Cabral, é alvo nesta terça-feira de um mandado de prisão expedido pela Justiça Federal. Também nesta terça-feira, Cabral, Adriana e mais 11 pessoas viraram réus na Lava-Jato.

7acb7a2e0f18b21e5a5e0e345240b2abJustiça manda prender mulher de Cabral.(Imagem:Divulgação)

O cumprimento do mandado de prisão de Adriana acontece 19 dias após a do marido Sérgio Cabral, apontado como líder do grupo que desviou ao menos R$ 224 milhões em obras com diversas empreiteiras como a reforma do Maracanã e o Arco Metropoliltano, em troca de aditivos em contratos públicos e incentivos fiscais.

Entre os principais motivos para que a Justiça Federal aceitasse um novo pedido de prisão contra a advogada pelo Ministério Público — dois anteriores já haviam sido negados — estão contratos do escritório Ancelmo Advogados com empresas que receberam durante a gestão Cabral benefícios fiscais do governo fluminense e a suspeita de que ela estaria dando prosseguimento às práticas de corrupção e lavagem de dinheiro uma vez que não teria entregue todas as joias compradas pelo casal aos investigadores.

O escritório de Adriana Ancelmo arrecadou, em contratos com 40 clientes nos últimos oito anos (2008-2015), conforme dados obtidos pelo GLOBO, R$ 78 milhões. Os investigadores suspeitam de uma conexão entre os bilionários benefícios fiscais concedidos pelo governo Cabral — cerca de R$ 140 bilhões em renúncia entre 2008 e 2013 — e estes contratos. Figuram na lista de clientes da ex-primeira-dama a Telemar, a CSN, a Light, a Reginaves, o Metrô, a Brasken e a Unimed, entre outras favorecidas pelos benefícios.

Um dia após a prisão de Cabral, o GLOBO revelou que dos dez maiores contratos do escritório Ancelmo Advogados, da mulher do ex-governador Sérgio Cabral, nos últimos oito anos (2008-2015), sete foram celebrados com empresas que receberam no mesmo período benefícios fiscais do governo fluminense. Dados obtidos pelo GLOBO, que teve acesso a todos os contratos assinados pelo escritório neste tempo, demonstram que R$ 27,33 milhões derivam dos sete contratos com empresas contempladas, que, juntas, receberam quase R$ 4 bi em isenções.

O esquema com empreiteiras bancou uma vida de luxo para Cabral, Adriana e outros envolvidos. O dinheiro de propina pagou viagens internacionais, idas a restaurantes sofisticados, uso de lanchas e helicópteros e compras de joias.

Uma das joias foi um anel avaliado em 800 mil reais que Adriana recebeu de presente durante uma viagem a Mônaco. O anel foi pago pelo empresário Fernando Cavendish, ex-dono da construtora Delta.

Cabral teria se utilizado também de um sistema de contabilidade paralelo da joalheria Antonio Bernardo.Segundo uma gerente, o ex-governador comprou mais de 5 milhões de reais em joias por esse sistema. Na joalheira H.Stern, Cabral teria comprado joias no valor de 2 milhões de reais. As compras eram feitas em dinheiro vivo, sem a emissão de notas fiscais.

Fonte: G1

Delegados, agentes, escrivães e peritos da Polícia Civil do Piauí vão cruzar os braços, nesta quarta-feira (7). A paralisação será em protesto contra a proposta de Reforma da Previdência. O movimento promete não realizar operações, flagrantes e boletins de ocorrência.A concentração do movimento, que reúne três sindicatos de servidores da Polícia Civil, será em frente às centrais de flagrantes de Teresina, Parnaíba e Picos. A ideia é que apenas casos de maior gravidade sejam atentidos durante o protesto.

85fec47df4a132f5fb47a17240b2d5e3Greve da policia civil. Imagem:cidadeverde.com

A mobilização é nacional e envolve integrantes da Polícia Civil em outros estados do Brasil. O ato é apoiado pela Associação dos Delegados de Polícia Civil do Brasil (Adepol), que convocou, também para quarta-feira, uma assembleia para discutir os rumos do movimento.

A Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis (Cobrapol) divulgou nota afirmando que os sindicatos a ela filiados são livres para participar da manifestação, mas que o ato não foi convocado por ela.

A Reforma proposta pelo Governo Temer foi enviada ontem (5) ao Congresso Nacional e detalhada nesta terçafeira (6), em entrevista coletiva. O projeto prevê o aumento da idade mínima de aposentadoria de 60 para 65 anos e o tempo mínimo de contribuição de 15 para 25 anos, entre outras medidas.

 

Fonte: cidadeverde.com

A casa do colunista social Nelito Marques foi alvo da ação de bandidos no final da manhã desta terça-feira (06). A Miss Piauí 2016, Lara Lobo, estava na residência, localizada na Rua Dra Alaíde Marques, no bairro Ininga, na zona Leste de Teresina, no momento do assalto e junto com a família do coordenador do concurso Miss Piauí foi rendida por assaltantes.

9492721bf44446e10a12eed30fe13170Lara Lobo ficou sob mira de arma de fogo.(Imagem: Wilson Filho/Cidadeverde.com )

A filha de Nelito, Lana Marques, contou ao Cidadeverde.com que o pai aguardava a visita da Miss Piauí. Ela tocou o interfone e quando Nelito abriu a porta da casa, os bandidos entraram na residência usando Lara Lobo como refém.

“Apontaram arma para ela e quando meu pai abriu a portão, a empurraram para dentro da casa”, conta Lana. A filha de Nelito correu para dentro do seu quarto e conseguiu esconder, debaixo da cama, alguns pertences, como celulares e uma caixa de joias. A dupla arrombou a porta do quarto do irmão de Lana e trancou Nelito, a esposa, os dois filhos, sua sobrinha, e a Miss Piauí, Lara Lobo.

De acordo com a filha da colunista, a dupla fez um ‘arrastão’ na casa enquanto eles estavam presos no quarto. Os bandidos levaram celulares, aparelhos de home-theaters,DVD e joias. Os assaltantes colocaram todos os objetos dentro do carro de Lana e roubaram o veículo também. Neste momento, a dupla teria acionado mais dois assaltantes que foram até a residência dar suporte no roubo do carro, um HB20 automático, placa OEH 8122.

“Eles não sabiam dirigir o carro automático e chamaram mais dois assaltantes. A suspeita é que tenham levado mais coisas, mas ainda não contabilizamos porque a perícia ainda será feita”, disse Lana Marques.

Lana conta, ainda, que a família está assustada e muito abalada com o que aconteceu. Ela relata que após o assalto, todos da família choraram. “A rua onde moramos é muito movimentada e mesmo assim acontece esse tipo de coisa”, lamenta.

A família registrou Boletim de Ocorrência no 12º Distrito Policial e o caso está sendo investigado.

 

Fonte:cidadeverde.com

A agricultora Francisca Souza dos Santos, de 33 anos, é mãe de nove filhos e teve o décimo de maneira inusitada. Ela é moradora de uma área rural no KM 180 da BR 174 - Manaus/Boa Vista (RR). Aos nove meses de gravidez, ela entrou na mata nas proximidades da casa dela para caminhar, ficou perdida por quatro dias e teve o filho, sozinha, na floresta. A mulher foi encontrada neste domingo (4), na margem de um igarapé, com o bebê no colo e ainda com cordão umbilical.

bb7324713562889d9216fbe24c96a1f1Grávida deu à luz sozinha. (Imagem:Divulgação)

Em entrevista à Rede Amazônica, a agricultora disse que foi caminhar na mata, na quinta-feira (1º). Entretanto, depois de algum tempo andando, ela não conseguiu mais encontrar o caminho de volta para casa. O marido dela, Eurico Feitosa, começou a procurar pela esposa logo depois do sumiço, mas só a encontrou quatro dias depois.

"Ontem [sábado], por volta das 15h, eu reuni o pessoal da comunidade para procurar por ela. Hoje, [domingo] começamos às 6h e quando deu 8h nós a encontramos já com a criança no colo. Ela estava sentada em um tronco, na beira da cachoeira, num córrego que tem lá. Ela vinha andando com a gente, mas estava muito fraca porque já tinha perdido muito sangue", relata o marido.

Resgate
A agricultora foi encontrada cerca de 12 horas após ter o bebê. Ela sentia dores no corpo e estava com escoriações e picadas de insetos.

Após ser resgatada, Francisca contou que depois de dar à luz ficou sem forças para procurar a saída, mas conseguiu encontrar água.

"Eu fiquei parada e depois que tive ele eu andei, andei e não achei mais caminho, aí eu agarrei e disse "vou ficar por aqui mesmo". Eu não tinha mais como sair, aí me acharam e me trouxeram para cá pro hospital", conta.

Mãe e filho foram levados ao hospital de Presidente Figueiredo, a 117 km de Manaus. De acordo com a equipe médica, o bebê chegou ao local com odor fetal, com placenta e cordão umbilical. Francisca e o bebê passaram por exame e apresentam quadro estável.

 


Fonte: G1

  • Ada Atten
  • Cabedo
  • Blossom
  • Espeto e Cia
  • Paraiba